Brasil

Mais do que três pontos, clássico contra o Cruzeiro é questão de honra e resposta do Atlético-MG

Derrotado no primeiro clássico da Arena MRV, Atlético precisar dar resposta em sua segunda chance contra o Cruzeiro na nova casa

Um clássico em uma primeira fase do Campeonato Mineiro e logo na terceira rodada, que pouco poderia representar para Atlético-MG e Cruzeiro. Poderia, porque para o Galo esse duelo vale muito, é questão de honra. Derrotado no primeiro confronto entre eles na Arena MRV, o Alvinegro precisa dar uma resposta neste sábado.

Há clássicos e clássicos. Alguns são lembrados para sempre, como as finais da Copa do Brasil de 2014, vencida pelo Atlético. Já outros acabam passando despercebidos e quase nunca são comentados, mesmo que seja o seu time o vitorioso: “Teve esse jogo? Gol de quem? Não lembro”. O deste sábado (3), às 19h30, na Arena MRV, pela terceira rodada da primeira fase do Campeonato Mineiro, poderia entrar na segunda estatística, mas ele carrega elementos, principalmente para o Galo, que não deixam isso acontecer.

Em agosto de 2023, o Atlético inaugurou sua casa própria, a Arena MRV. Dois meses depois, o Galo recebia o Cruzeiro para o primeiro clássico da história do estádio. Muito favorito pelo bom momento que vivia e o péssimo da Raposa, o Alvinegro tinha a oportunidade de afundar seu maior rival no Campeonato Brasileiro. Mas o roteiro fugiu completamente do que os donos da casa queriam, com o time celeste saindo vencedor por 1 a 0.

Além disso, o tratamento que o Atlético deu aos cruzeirenses nas arquibancadasque geraram inúmeras ações na justiça contra o clube -, e a forma como eles reagiram, quebrando metade do setor visitante da Arena, deixou as coisas ainda mais quentes.

É por isso que o clássico deste sábado não vai passar despercebido agora e, provavelmente, será lembrado por muito tempo. Para o Atlético, vale a honra do clube, de vencer o maior rival pela primeira vez na sua casa – e claro, evitar uma nova derrota, que seria desastrosa. Vale também dar uma resposta para o jogo pífio que o clube fez na primeira vez enfrentando o Cruzeiro na Arena, em 2023. E vale, claro, “mostra que quem manda aqui (Arena MRV) somos nós”, como disse o volante Otávio.

Por conta desses pesos que deixam o clássico ainda mais pesado, o Atlético prega mais atenção e um desempenho melhor nessa nova oportunidade contra o Cruzeiro em sua casa: “Clássico normal nunca é, né? Um jogo contra o Cruzeiro, nosso principal rival, dentro da nossa casa, falar que é um “jogo normal” é brincadeira. Um jogo que sabemos da importância para nós atletas, pro clube. Pelos episódios que se passaram no primeiro confronto, a gente sabe a importância desse primeiro jogo. A gente tem que entrar atento do primeiro ao último minuto para que a gente não seja surpreendido novamente”, disse Otávio.

Do outro lado, o Atlético tem um Cruzeiro que dá pra dizer que está mais leve. O Galo, além de carregar todo o peso citado anteriormente, também chega como o claro favorito, pela diferença de qualidade dos times – além de jogar em casa.

Torcida única, farpas de diretores e técnicos pregando respeito

Além de tudo que já foi citado, o clássico deste sábado ainda reserva mais algumas histórias que vale a pena ficar de olho. A primeira foi a definição por torcida única. Depois dos problemas no último jogo, as duas diretorias concordaram – sem ninguém pedir, nem as autoridades -, que, até o fim de 2025, só haverá torcida do clube mandante nos jogos entre eles.

Para piorar, depois de conseguirem chegar a um acordo que ninguém pediu, dirigentes de Atlético e Cruzeiro trocaram através de entrevistas justamente por conta da decisão que eles tomaram (novamente, sem ninguém pedir). O “bate-boca” foi entre o presidente do Atlético, Sérgio Coelho, e o CEO do Cruzeiro, Gabriel Lima.

A decisão por torcida única foi chamada de “ridícula” por Felipão, técnico do Galo. Por falar nele, o experiente treinador vai se encontrar pela primeira vez com o novo técnico do Cruzeiro, Nicolás Larcamón, que nasceu quando Scolari já era treinador. Diferente dos dirigentes, os treinadores se mostraram mais civilizados e elogiaram um ao outro, além de pregaram respeito.

Atlético e Cruzeiro em campo

Em campo, o Atlético entra favorito, como citado, e tem algumas peças para fazer a diferença. Hulk, por exemplo, pode fazer do Cruzeiro sua maior vítima pelo Galo. Enquanto Paulinho, artilheiro de 2023 (31 gols), busca colocar uma bola na rede da Raposa pela primeira vez. O Alvinegro ainda tem Gustavo Scarpa – que marcou seu primeiro gol como profissional contra o time celeste -, e o zagueiro Mauricio Lemos, que começou a temporada como artilheiro.

Para o clássico deste sábado, o Atlético terá todos os jogadores do seu elenco à disposição. Fora dos dois primeiros jogos, o volante e capitão do time, Battaglia, deve figurar no banco de reservas. A expectativa é se Gustavo Scarpa já começa como titular ou se Felipão repete o time que goleouy o Democrata-GV no último domingo (28): Everson; Saravia, Jemerson, Lemos e Arana; Otávio, Edenilson, Zaracho e Igor Gomes (Scarpa); Hulk e Paulinho.

No lado cruzeirense, Larcamón fará mudanças, tanto por opção quanto por necessidade, já que Wesley Gasolina e Neris foram expulso nos último jogo. O argentino ainda não pode contar com Rafael Papagaio, Wesley, Gabriel Veron e Rafael Bilu, lesionado, e Ramiro, em transição. Por outro lado, ganha com a entrada de Lucas Romero, jogador de sua confiança e quem histórico em clássicos na sua primeira passagem pela Raposa.

O Cruzeiro deve ir a campo com: Rafael Cabral; William, Zé Ivaldo, João Marcelo e Marlon; Lucas Romero e Lucas Silva; Matheus Pereira, Robert (Japa) e Arthur Gomes (Rafa Silva); Juan Dinenno.

Histórico Atlético x Cruzeiro

Atlético e Cruzeiro divergem sobre as estatísticas de seus confrontos. No Galo, a conta é a seguinte:

  • 520 jogos
  • 210 vitórias do Atlético
  • 138 empates
  • 172 vitórias do Cruzeiro
  • 734 gols atleticanos
  • 652 gols cruzeirenses
Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander HeinrickSetorista

Jornalista pela PUC-MG, passou por Esporte News Mundo e Hoje em Dia, antes de chegar a Trivela. Cobriu Copa do Mundo e está na cobertura do Atlético-MG desde 2020.
Foto de Maic Costa

Maic CostaSetorista

Maic Costa é mineiro, formado em Jornalismo na UFOP, em 2019. Passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas, antes de se tornar setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo