Brasil

Cano está próximo de bater recorde negativo pelo Fluminense

Argentino não começa bem em 2024 assim como outros titulares do Fluminense, que sente falta de seus gols

O Fluminense não vive sua melhor fase, e isso também tem a ver com seu artilheiro. Os cinco jogos sem balançar as redes fazem do jejum de Germán Cano seu segundo maior desde que chegou ao clube, em 2022. E o Tricolor sente sua falta.

Cano marcou apenas dois gols em 2024, em seus dois primeiros jogos. De lá para cá, além de não marcar, finalizou pouco: apenas nove vezes, menos de duas por partida, de acordo com dados do Sofascore.

Se fez 86 gols pelo Fluminense desde janeiro de 2022, o atual Rei da América não vive bom momento técnico. Ainda em início de preparação, já que o Tricolor retornou das férias após o Mundial de Clubes apenas no fim de janeiro, o argentino ainda parece sentir a alta rotação dos jogos, como toda a equipe.

O centroavante é o retrato de um Fluminense que ainda não se encontrou em 2024, e seu jejum é também consequência disso.

Cano ficou sete jogos sem marcar em má fase do Fluminense

Depois de um título estadual com goleada sobre o Flamengo, outra goleada sobre o River Plate pela Libertadores e grandes atuações pelo Campeonato Brasileiro, o Fluminense sofreu uma queda técnica.

Foi neste período que Cano ficou sete jogos sem marcar, seu maior jejum pelo Tricolor. A seca superava três marcas de quatro jogos que o argentino teve entre 2022 e 2023.

Torcida do Fluminense se acostumou a fazer o duplo L de Germán Cano, mas argentino sofre com má fase do time em 2024 - Foto: Marcelo Gonçalves/Fluminense FC
Torcida do Fluminense se acostumou a fazer o duplo L de Germán Cano, mas argentino sofre com má fase do time em 2024 — Foto: Marcelo Gonçalves/Fluminense FC

Nos jogos contra Cuiabá, Flamengo (pela Copa do Brasil), Botafogo, Corinthians, RB Bragantino e River Plate (pela Libertadores), o Flu venceu apenas duas vezes e perdeu quatro jogos. O momento foi o de maior instabilidade do 2023 que acabou com o título da Libertadores.

Entre maio e julho, o Fluminense sofreu com lesões de Alexsander, Marcelo e Keno, e com reservas, não se encontrou. A boa fase voltaria mesmo apenas em agosto, quando eliminou o Argentinos Juniors pelas oitavas de final da Libertadores e tirou a pressão de suas costas.

Ídolo, John Kennedy ainda não foi bem pelo Fluminense em 2024

O problema de gols do Fluminense não atinge apenas Cano, mas outro ídolo do clube: John Kennedy, autor do gol do título da Libertadores em 2023. O jovem de 21 anos começou a temporada na Seleção Sub-23, e embora tenha ido bem no Pré-Olímpico apesar do vexame do Brasil, não deslanchou pelo Tricolor em 2024.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por John Kennedy (@jkennedy)

John Kennedy tem apenas uma bola na rede na temporada pelo Flu e disputou quatro jogos. Em um deles, pela Recopa Sul-Americana, até entrou bem no time, mas acabou expulso ao pisar um defensor da LDU no jogo do título tricolor.

Seu único gol foi de pênalti, de cavadinha, na derrota para o Botafogo. Ele nem sequer saiu do banco na semifinal, contra o Flamengo.

Lelê é o artilheiro do Fluminense em 2024

Sem os gols de Cano, quem herdou a artilharia do Fluminense não foi John Kennedy, seu reserva imediato, mas Lelê. O atacante começou muito bem em 2024, e, tendo chances de jogar com os reservas que iniciaram a disputa do Campeonato Carioca, é o goleador do Tricolor na temporada.

São seis gols e duas assistências para o camisa 18 na temporada. Importante para Fernando Diniz, ele recebe chances também quando o Flu usa seus titulares, e entrou na final da Recopa Sul-Americana, no jogo de ida, em Quito, e nas semifinais do Carioca, contra o Flamengo.

Longe de ser um primor de qualidade técnica, o atacante brilha principalmente no Estadual e segue sendo bastante utilizado.

Foto de Caio Blois

Caio Blois

Caio Blois nasceu no Rio de Janeiro (RJ) e se formou em Jornalismo na UFRJ em 2017. É pós-graduado em Comunicação e cursa mestrado em Gestão do Desporto na Universidade de Lisboa. Antes de escrever para Trivela, passou por O Globo, UOL, O Estado de S. Paulo, GE, ESPN Brasil e TNT Sports.
Botão Voltar ao topo