Brasileirão Série A

Japa merece a titularidade no meio de campo do Cruzeiro?

Japa, de 19 anos, revelação das categorias de base do Cruzeiro, tem entrado bem nos jogos em que é acionado e vem se tornando xodó da torcida celeste

O Cruzeiro vive momento ruim no Campeonato Brasileiro, tanto pelo futebol apresentado, quanto pela posição do time na tabela — a Raposa voltou ao Z4 após a goleada do Bahia sobre o Corinthians, por 5 a 1, em partida disputada na sexta-feira (24). A situação atual gera críticas a atletas, comissão técnica e diretoria, além de expectativa por mudanças de atitude, discurso e de jogadores. E nas últimas semanas, um nome passou a ser pedido por partes da torcida cruzeirense e imprensa como titular da equipe celeste: o do meio-campista Japa.

Japa, de 19 anos, é uma revelação da base do Cruzeiro e estreou pelo time principal em outubro passado, já no clássico contra o Atlético-MG, grande rival da Raposa. Antes disso, o camisa 77 já havia tido grande destaque na temporada vitoriosa do clube estrelado na categoria sub-20. Mas seu bom desempenho não vem de agora. O meio-campista se destaca há alguns anos nos juniores e pode-se dizer que, apesar da pouca idade e da possibilidade de atuar por mais um ano no sub-20, ele até demorou a começar a ser relacionado no time principal.

Após as campanhas vitoriosas do sub-20 do Cruzeiro na Copa do Brasil e no Campeonato Mineiro da categoria, nas quais Japa se destacou, o jogador foi promovido ao elenco principal da Raposa, juntamente com o zagueiro Ruan Santos, o também meio-campista Henrique Rodrigues e os atacantes Robert, João Pedro e Fernando.

Como dito anteriormente, o jogador não demorou a estrear, entrando no clássico contra o Atlético-MG — vencido pelo Cruzeiro por 1 a 0, no primeiro dérbi da Arena MRV, em 22 de outubro —, como lateral-esquerdo, após lesão do também Cria da Toca, Kaiki. Mesmo fazendo seu primeiro jogo como profissional, num ambiente de pressão extrema e atuando fora de sua posição de origem, Japa foi bem, arrancando elogios do então treinador Zé Ricardo e de torcedores.

Mesmo com o bom desempenho, Japa demorou a voltar a jogar, tendo entrado novamente somente no segundo tempo da partida contra o Fortaleza, no dia 18 de novembro, substituindo Mateus Vital, que machucou o ombro após uma disputa de bola com o zagueiro Titi. Mais uma vez o garoto foi bem.

Depois, Japa entrou contra o Vasco, na quarta-feira (22) e voltou a agradar, tendo feito a jogada que poderia ser o terceiro gol do Cruzeiro, caso Wesley não tivesse perdido a oportunidade, de dentro da pequena área, sem marcação.

Japa deveria ser titular do Cruzeiro?

As boas atuações de Japa se transformaram em pedidos constantes para que ele se torne titular da equipe. Na última partida, contra o Vasco, mesmo com os desfalques de Matheus Jussa e Lucas Silva, o camisa 77 foi preterido pelo trio Filipe Machado, Ian Luccas e o criticadíssimo Mateus Vital.

No Cruzeiro, tanto Pepa, quanto Zé Ricardo, e agora Paulo Autuori, pregaram a importância de dar oportunidades aos jogadores da base do clube, mas, na prática, isso não aconteceu com tamanha frequência. Junto dos discursos, sempre surgiam ponderações quanto a necessidade de ter cautela, para não queimar os garotos, visto que disputar um Brasileirão é totalmente diferente das competições de base.

E, nesse ponto, é preciso concordar com os treinadores. Realmente, diversos jovens acabam sendo queimados após transição mal feita, seja por adiantar as estreias, como por atrasá-las, o que em muitas oportunidades é ignorado. Mas bons jogadores precisam jogar. E no caso de Japa, ele parece pronto. Inclusive, o garoto não cedeu à pressão de jogar três jogos importantíssimos quando necessário, então utilizar desse argumento para ele já parece algo batido.

Além disso, o campo fala mais alto. Assistindo Japa atuar, nota-se que se trata de um atleta diferente, tranquilo e de personalidade. Sua qualidade atacando e defendendo chama a atenção, além da maturidade para agir na hora certa. Como foi contra o Fortaleza, quando após perder uma bola importante, ele decidiu fazer uma falta que rendeu um amarelo, mas impediu um promissor ataque do Leão do Pici. O camisa 77 demonstra ser, hoje, um dos melhores meio-campistas do Cruzeiro, independente de ter 19 anos.

Outro ponto que credencia Japa é sua polivalência e dinamismo, já que atua em qualquer posição do meio de campo, além da lateral-esquerda. Um jogador com suas qualidades pode se tornar um coringa para seus treinadores, principalmente por unir qualidade técnica, versatilidade e entendimento tático.

Com o retorno de Lucas Silva, recuperado de lesão e disponível para importantíssima partida desta segunda-feira (26), contra o Goiás, a tendência é que Japa siga sendo opção no banco. Mas hoje, enxergo o atleta como o melhor meio-campista disponível no elenco celeste ao lado de Lucas. Ao se tratar de jovens, em momentos delicados, é importante ter cautela, mas, no caso do camisa 77, ele ficar de fora dos jogos é uma perda para ele próprio, para o Cruzeiro e, consequentemente, para o torcedor.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa nasceu em Ipatinga, mas se radicou na Região dos Inconfidentes mineiros. Formado em Jornalismo na UFOP, em 2019, passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas. Atualmente, é setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo