Libertadores

Atlético-MG tinha Libertadores como alvo principal, mas parou novamente nas mãos do Palmeiras

Obsessão do Atlético de vencer a Libertadores parou, pelo terceiro ano seguido, no Palmeiras, dessa vez com méritos

O Atlético-MG iniciou seu 2023 com o sonho máximo de voltar a ser campeão da Copa Libertadores. O Galo, que entrou ainda nas fases preliminares, conseguiu chegar na fase de grupos e se classificar, mas teve o Palmeiras pela frente no mata-mata e, assim como nos últimos dois anos, caiu diante dos paulistas – desta vez com total merecimento.

Fase preliminar e shows de Paulinho

A Libertadores para o Atlético começou antes da fase de grupos. O time teve que passar pela segunda e pela terceira fase preliminar da competição por não ter garantido vaga direta via Brasileirão em 2022. Quem deu show e ajudou a garantir o Galo na fase de grupos foi Paulinho, que participou de todos os gols alvinegros nessas fases.

A primeira missão foi contra o Carabobo, da Venezuela. Depois de um 0 a 0 sem graça na Venezuela, o Atlético recebeu os venezuelanos no Mineirão e deu conta do recado sem sustos. Hulk e Paulinho marcaram ainda no primeiro tempo, e Edenilson fechou a conta do 3 a 1 no segundo, isso porque Vargas ainda desperdiçou um pênalti.

Na fase seguinte, a última preliminar, um adversário mais robusto, o Millonarios, da Colômbia. No primeiro duelo, em território colombiano, o Galo arrancou o empate em 1 a 1 com gol de Paulinho. Na volta, no Mineirão, um novo 3 a 1, mas um pouco mais tenso. O primeiro tempo acabou 0 a 0, mas Paulinho marcou logo nos primeiros minutos do segundo tempo para tranquilizar o torcedor. Ele ainda marcou mais um aos 36 e deu assistência para um pintura de Hulk pouco tempo depois.

Fase de grupos complicada e o início do fim de Coudet

Se as fases preliminares foram mais tranquilas para o Atlético, não dá pra dizer o mesmo da fase de grupos. O Galo iniciou a competição com duas derrotas, sendo uma delas em casa no primeiro jogo, que deu início ao fim da passagem de Coudet no clube. Após o jogo contra o Libertad, o treinador, que foi muito cobrado pela torcida e teve até copo de cerveja atirado em sua direção, desabafou e abriu o jogo sobre o fato de não ter recebido os investimentos no time que a diretoria prometeu, pelo contrário, ele perdeu jogadores que não queria. O desabafo reverberou muito em todo o Brasil e as críticas dele a seus “chefes” fizeram com que a diretoria atleticana acionasse uma reunião de emergência para discutir se o argentino seria demitido ou não. No fim das contas, ele deu uma coletiva pedindo desculpas e seguiu no comando, mas não por muito tempo, pois a relação já estava estremecida.

Depois de perder para o Libertad, o Atlético também foi derrotado pelo Athletico-PR, fora de casa. Mas o time conseguiu se reerguer na competição e venceu duas vezes o Alianza Lima, do Peru, e também o time paranaense no jogo da volta, no Mineirão. Vale o destaque nesses jogos para Paulinho, que marcou os dois da vitória contra o Furacão, e Igor Gomes, que balançou as redes duas vezes contra o Alianza no primeiro jogo.

Na última partida da fase de grupos, o Atlético chegou já sem a presença de Coudet no time, que deixou o comando pelos motivos citados acima, que foram se acumulando. O Galo só precisava de um empate fora de casa contra o Libertad, e conseguiu. O 1 a 1 sofrido no Paraguai, com mais um gol de Igor Gomes, garantiu o Alvinegro nas oitavas.

A fase de grupos do Atlético na Libertadores

  • Atlético 0x1 Libertad
  • Athletico-PR 2×1 Atlético – Paulinho
  • Atlético 2×0 Alianza Lima – Igor Gomes 2x
  • Atlético 2×1 Athletico-PR – Paulinho 2x
  • Alianza Lima 0x1 Atlético – Hulk
  • Libertad 1×1 Atlético – Igor Gomes

De novo o Palmeiras, de novo eliminado

Como se já não bastasse ter sido sorteado (e eliminado) pelo Palmeiras nos dois últimos anos na Libertadores, o Atlético viu novamente o time paulista como seu rival, agora nas oitavas. A diferença dos últimos anos, é que o Galo foi eliminado com méritos, já que não fez por onde em momento algum dos dois jogos.

No primeiro, o Atlético vivia seu pior momento no ano, com nove jogos sem vencer, mas a torcida abraçou o time e fez uma enorme festa no Mineirão. No entanto, não adiantou. Vitória palmeirense para calar o Gigante da Pampulha. Na volta, mesmo precisando vencer, o Galo quase não atacou. Na verdade, só criou uma chance, que foi desperdiçada por Paulinho e é lamentada até hoje. Mas, para quem viu o confronto, seria injusto se o Alvinegro conseguisse levar o confronto para os pênaltis, pois não jogou para isso. Diferente dos dois anos anteriores, quando merecia avançar. No fim, amargou a terceira eliminação seguida para o Alviverde, dando adeus a sua maior obsessão na temporada.

Como o Atlético-MG chega para a Libertadores de 2024?

Sem precisar passar pelas fases preliminares em 2024, o Atlético espera ter uma grupo mais acessível. O Galo segue com a obsessão de vencer a Libertadores e, provavelmente, o torneio vai voltar a ser prioridade na lista do clube. No entanto, como o diretor Rodrigo Caetano já destacou algumas vezes, o Alvinegro não deve abrir mão das outras competições.

Financeiramente, assim como na Copa do Brasil, o Atlético colocou a meta de atingir as oitavas da Libertadores. Mas, futebolisticamente, o Galo se permite sonhar mais alto e vai sim lutar pelo título, apesar de não entrar como um dos favoritos. Há de se esperar se o Palmeiras vai aparecer em seu caminho novamente e, se isso acontecer, se o desfecho dessa vez será (finalmente) favorável aos atleticanos.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Jornalista pela PUC-MG, passou por Esporte News Mundo e Hoje em Dia, antes de chegar a Trivela. Cobriu Copa do Mundo e está na cobertura do Atlético-MG desde 2020.
Botão Voltar ao topo