Libertadores

Em paz e embalado, Botafogo inicia disputa com o Bragantino por uma vaga na fase de grupos da Libertadores

Duas semanas depois de crise, o Botafogo parece já viver outro clima para o primeiro jogo da terceira fase da Copa Libertadores, nesta quarta, contra o Red Bull Bragantino, no Nilton Santos

Na última semana de fevereiro, depois do frustrante empate com o Aurora, da Bolívia, na estreia pela Copa Libertadores, a impressão deixada pelo Botafogo era de que o time ainda estava em 2023. A demissão do técnico Tiago Nunes, no dia seguinte, e o protesto de torcedores contra a diretoria e o elenco aumentou ainda mais o clima de crise no clube. No entanto, de lá para cá, a situação parece ter mudado. Agora, duas semanas depois, o Botafogo inicia, nesta quarta-feira (6), às 21h30, a disputa por uma vaga na fase de grupos da Libertadores contra o Red Bull Bragantino, no Nilton Santos.

Mesmo ainda sem técnico efetivo, o Botafogo aparente ter passado por uma transformação interna. E que foi refletida nos resultados. Desde então, após a demissão de Tiago Nunes e sob o comando do auxiliar técnico Fábio Matias, o Glorioso teve três vitórias em três partidas. Venceu o Audax, pelo Campeonato Carioca, passou pelo Aurora, no jogo de volta da primeira fase da Libertadores, no Nilton Santos, com uma goleada histórica, e venceu, com autoridade, o clássico com o Fluminense, no último domingo, no Maracanã. Foram 12 gols marcados e apenas dois sofridos nestes três jogos.

Nem mesmo a eliminação precoce no Campeonato Carioca parece ter afetado o clima no Botafogo. Para o Botafogo, o que ficou da última rodada da Taça Guanabara foi a goleada sobre o Fluminense e a boa resposta que o time alternativo deu em um difícil confronto. Apesar da campanha irregular e de, mais uma vez, fica fora das semifinais, a impressão deixada foi de que a equipe saiu do Carioca de cabeça erguida e empolgada para os duelos com o Red Bull Bragantino.

Os próprios jogadores do Botafogo parecem também entender que houve uma mudança com os últimos resultados. Na véspera do duelo com o Massa Bruta, o meia Tchê Tchê falou sobre o momento do clube e o último clássico com o Fluminense.

— Em alguns momentos precisava disso, precisava corresponder da maneira que é necessária, com vitórias – afirmou Tchê Tchê, antes de completar.

— Essa rodagem em gestão de elenco (feita por Fábio Matrias) é necessária e importante para que todos tenham minutos. E quando solicitados, todos eles sejam preparados 100%. Acho que esse resultado do último clássico demonstrou isso, a força, a união de grupo, todo mundo comemorando todos os gols juntos ali, acho que foi o caramba, a felicidade com que a gente comemorou todos os gols, de todos que fizeram, alguns que jogavam menos, igual o Haydi e o Urso que tiveram oportunidade agora e conseguiram desempenhar de uma maneira muito boa e acho que fico feliz por todos — completou o meia do Botafogo.

Torcida do Botafogo também virou a chave nesta semana

Essa reviravolta, é claro, também empolgou a torcida. Depois do primeiro jogo contra o Aurora, por exemplo, apenas pouco mais de 1.600 torcedores acompanharam a partida contra o Audax, no Nilton Santos. Poucos dias demais, o público presente no segundo jogo contra os bolivianos não passou de 22 mil. Agora, para o primeiro jogo da terceira fase, contra o Red Bull Bragantino, já foram vendidos mais de 28 mil ingressos.

E a torcida do Botafogo promete fazer uma grande festa, com mais um mosaico organizado pelo “Movimento Ninguém Ama Como A gente”. Durante o último Campeonato Brasileiro, apesar do fracasso na reta final, a torcida do Glorioso ficou marcada pelos ótimos mosaicos feitos nas arquibancadas do Nilton Santos.

Para Tchê Tchê, o time do Botafogo deve saber jogador com a força da torcida. Além disso, o meia destacou que é a equipe que precisa empolgar os torcedores.

— A gente tem que ter inteligência. É um jogo de mata-mata, mas nada se decide aqui. Porém, a gente joga na nossa casa, a gente tem que saber aproveitar esse fator. A importância da torcida é 100%. Sabemos que quando eles estão ali totalmente conectados com a gente, a gente consegue resultados expressivos. E deixa claro também que, obviamente, a gente tem que contagiar eles. A gente conversa muito isso entre a gente, que é de dentro para fora. Se a gente conseguir transmitir isso, eles vão dar 100% do nosso lado. E a gente se torna uma equipe muito forte dentro da nossa casa aqui do Nilton e muito difícil de ser batido – finalizou Tchê Tchê.

Depois do jogo desta noite, no Nilton Santos, Botafogo e Red Bull Bragantino voltam a se enfrentar na próxima quarta-feira (13), às 21h30 (horário de Brasília), no Nabi Abi Chedid, pelo jogo da volta da terceira fase da Copa Libertadores.

Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues é jornalista formado pela UFF e soma passagens como repórter e editor de Lance!, Esporte News Mundo e Jogada10.
Botão Voltar ao topo