Libertadores

Eterno 2023: Tiquinho perde pênalti, e Botafogo cede empate no último lance da estreia pela Libertadores

Botafogo saiu na frente do Aurora, na Bolívia, pela segunda fase da Copa Libertadores, mas cedeu o empate no fim e deixou o confronto aberto para o jogo de volta, no Nilton Santos

O Botafogo segue vivendo no seu eterno 2023. Na estreia pela Copa Libertadores, nesta quarta-feira (21), o clube repetiu cenas que foram vistas com frequência no fim da última temporada e, depois de sair vencendo, apesar de pênalti perdido por Tiquinho Soares, acabou cedendo o empate por 1 a 1 com o Aurora, da Bolívia, em Cochabamba, no fim do jogo válido pela ida da segunda fase da competição. Júnior Santos abriu o placar na primeira etapa, mas Dario Torrico manteve o Aurora vivo na disputa por uma vaga na terceira fase da competição.

Mais uma vez, o Botafogo não soube segurar uma vitória e, pior, desperdiçou a chance de “matar” o confronto contra o modesto time do Aurora. Satisfeito com o 1 a 0, o time de Tiago Nunes fez até cera durante o segundo tempo em Cochabamba. Que pese o fator altitude e o péssimo estado do gramado do Estádio Félix Caprilles, o time carioca conseguiu ceder o empate no fim e deixou o confronto aberto.

É claro que, no Nilton Santos, na próxima quarta-feira (28), o Botafogo tem totais condições de conseguir avançar para enfrentar Red Bull Bragantino ou Águillas Doradas-COL. Mas, o baque de mais um resultado entregue no fim certamente vai pesar em um clube que já vive pressionado pelo fracasso no último Campeonato Brasileiro e pela recente crise gerada pelo próprio técnico Tiago Nunes.

Tchê Tchê é barrado por Tiago Nunes

Titular absoluto do Botafogo desde a última temporada, o meio-campista Tchê Tchê iniciou a partida desta quarta-feira no banco de reservas. Por opção de Tiago Nunes, Marlon Freitas começou o jogo com o titular. Outra mudança feita pelo treinador foi mais discreta, mas significativa: o zagueiro Alexander Barboza, contratado neste começo de ano, assumiu a braçadeira de capitão do time. Recentemente, Tiquinho Soares, Gatito Fernández, Marçal e o próprio Tchê Tchê, todos já com alguma rodagem dentro do clube, revezavam como capitães da equipe.

Aurora tentou se valer da altitude

Jogando em casa, a 2.550 metros de altitude, o Aurora tentou fazer valer o fator local no começo da partida. Nos minutos iniciais, o time da casa, mesmo sem pressionar tanto, conseguiu criar oportunidades e ficou perto de abrir o placar. Tocando bem a bola, principalmente pelas laterais, o time boliviano chegava com facilidade na área do Botafogo, pelo alto e por baixo. Reinoso teve três finalizações antes dos 10′. Seginho também finalizou com perigo e Gatito não conseguiu segurar, mas Lucas Halter afastou o rebote.

VAR vira protagonista e Tiquinho perde pênalti

Na primeira boa escapada do Botafogo depois da pressão do Aurora, aos 17′, Victor Sá saiu em velocidade pela esquerda e driblou o goleiro, mas ficou sem ângulo. O atacante tentou cruzar, mas a bola desviou no braço do zagueiro adversário. O árbitro nada marcou e o lance seguiu. Quando o jogo foi parado, o VAR recomendou a revisão da jogada e o juiz assinalou o pênalti. Mas, assim como em momento importantes de 2023, Tiquinho Soares foi para a cobrança e desperdiçou a oportunidade do Botafogo abrir o placar, com grande defesa do goleiro Akologo.

Para alívio de Tiquinho Soares, poucos minutos depois o ótimo coadjuvante Júnior Santos apareceu para salvar o protagonista do time. Em cobrança de escanteio, o camisa 9 cabeceou e o Akologo defendeu. Mas, no rebote, Júnior Santos não desperdiçou e abriu o placar para o Botafogo.

Em desvantagem, o Aurora voltou a pressionar e chegou a colocar a bola na rede aos 35′, com Amarilla, após falta cruzada na área. Mas, depois de revisão do lance no VAR, o árbitro anulou o gol por falta em Júnior Santos no momento do cruzamento na área.

Filme repetido: Aurora busca o empate no fim

Logo no começo da etapa final, o Botafogo quase ampliou o placar com Júnior Santos após erro do Aurora na saída de bola. Mas, depois, o time carioca praticamente só se defendeu no segundo tempo. Aparentemente satisfeito com a vitória pelo placar mínimo, o Glorioso deixou de atacar o fraco time boliviano, que tentava sair para o jogo, mas tinha pouca qualidade para atacar o Botafogo.

Prova de que o Botafogo estava contente com o empate foi o cartão amarelo levado por Gatito Fernández por cera aos 36′. No fim, o time acabou castigado. O Aurora pressionou, criou chances, levou perigoso e conseguiu buscar o empate aos 51′, em grande jogada de Dario Torrico, que passou por Tchê Tchê e Danilo Barbosa, e finalizou na saída de Gatito. Logo depois, Mateo Ponte até teve uma última chance de dar a vitória ao Botafogo, mas o apito final e as cenas de lamentação dos jogadores do Botafogo explicitaram o drama vivido pelo clube desde 2023.

Próximos jogos do Botafogo

  • Audax x Botafogo – Campeonato Carioca – sábado, 24 de fevereiro de 2024 – 16h (horário de Brasília);
  • Botafogo x Aurora-BOL – Copa Libertadores – quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024 – 21h30 (horário de Brasília);
  • Fluminense x Botafogo – Campeonato Carioca – A definir;
Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues é jornalista formado pela UFF e soma passagens como repórter e editor de Lance!, Esporte News Mundo e Jogada10.
Botão Voltar ao topo