Brasil

Botafogo chega em semana decisiva com Tiago Nunes tentando apaziguar crise criada por ele mesmo

Depois de expor que jogadores do Botafogo estariam sobrecarregados emocionalmente, Tiago Nunes tenta se retratar e chama responsabilidade pelo momento do time

O Botafogo chegou na decisiva semana da estreia na Copa Libertadores precisando apagar um incêndio criado pelo próprio clube. Depois da derrota para o Vasco, no último domingo (18), em clássico pelo Campeonato Carioca, e da polêmica coletiva do técnico Tiago Nunes, em que ele expôs a situação de jogadores que estariam sobrecarregados emocionalmente pelo vexame no último Campeonato Brasileiro, o Glorioso tenta colocar panos quentes na situação.

Na manhã desta segunda-feira, depois da repercussão negativa em relação a exposição dos jogadores do Botafogo, o técnico Tiago Nunes publicou um vídeo em suas redes sociais pessoais afirmando que, ao contrário do que disse no domingo, “os jogadores não pediram para sair” do time. Além disso, elogiou o elenco do Botafogo e, enfim, chamou alguma responsabilidade pelo momento do clube neste começo de temporada.

—  Bom dia a todos, em especial aos torcedores do Botafogo que acordaram incomodados, machucados, tristes, assim como nós. Mas estamos trabalhando para fazer esse clube gigante ainda maior. Estou vindo aqui publicamente para fazer manifestação ao torcedor, em função de notícias que estão viralizando. É bom não perder tempo. O máximo responsável por tudo que acontece da parte desportiva do Botafogo sou eu. Jamais vou transferir para qualquer jogador, temos uma relação honesta, direita e verdadeira — afirmou Tiago Nunes, antes de completar.

—  Quero deixar claro que nenhum jogador pediu para sair ou ficar de fora, temos grupo de homens, caras corajosos, que têm força, trabalhadores. Hoje estão se vinculando muitos recortes, pequenas falas, sem ter o contexto adequado, o que gera falsas notícias. Os que querem tumultuar o ambiente interno não vão conseguir. Sou o máximo responsável por tudo que acontece e jamais vou passar a um jogador. As coisas ainda não estão acontecendo, o Botafogo está em transformação, reconstrução, precisamos de todos unidos. Aqueles que querem tumulto externo não vão conseguir — completou o treinador.

Tiago Nunes critica ‘recortes’ da coletiva

No vídeo publicado nesta manhã, Tiago Nunes ainda indicou que suas falas teriam sido tiradas de contexto e criticou “recortes” compartilhados da coletiva do último domingo. Além disso, ele afirmou querer evitar o “cancelamento” de jogadores que ficaram marcados pelo fracasso do Botafogo no último Campeonato Brasileiro.

— Quando manifesto que alguns jogadores precisam descansar, que precisamos de mais presença, mais volume de jogadores, é justamente para evitar cancelamentos, que alguns fiquem marcados como culpados. Estou aqui para proteger meu grupo. Não interprete de forma equivocada. Por favor, nosso torcedor verdadeiro, vai lá na coletiva e assiste toda, não confie nesses recortes. Entende o contexto e dá sua opinião. Vamos com fé e força. Fiquem com Deus – afirmou o treinador.

O que Tiago Nunes falou na coletiva sobre os jogadores

Depois da derrota para o Vasco, no último domingo, quando o Botafogo saiu vencendo e, mais uma vez, não conseguiu segurar o resultado e levou a virada, o técnico Tiago Nunes falou que os time sucumbiu emocionalmente durante a partida. E, ao se aprofundar sobre o assunto, revelou, literalmente, que “muitos jogadores estão pedindo para ter uma sequência fora da equipe”.

— O professor Luís Castro, que teve muito sucesso aqui, levou quase um ano para levar o Botafogo a um nível competitivo que durou entre 5 e 6 meses. Durante esse ano o Botafogo oscilou até encaixar a equipe no início do Brasileiro. Depois a dificuldade emocional, sim. A gente não conseguiu repetir. A gente tem uma memória emocional do ano passado. Quando sofre revés como esse, volta tudo à tona — afirmou Tiago Nunes, antes de completar.

– Por mais que a gente tenha mudanças no elenco, o time titular é remanescente do ano passado. Vamos evoluir através da sequência de resultados positivos e também da chegada de jogadores para encorpar o grupo e não só o titular. Porque muitos jogadores estão pedindo para ter uma sequência fora da equipe, para parar de carregar essa carga emocional tão forte. Você tem que ter mais jogadores de um nível compatível para manter o Botafogo competindo em alto nível – disse o treinador do Botafogo.

Depois, quando foi novamente questionado sobre a fala, Tiago Nunes disse que não houve um “pedido formal” para ficar fora do time, mas que o técnico entende os sinais passados pelos jogadores.

— Nós que somos pessoas do futebol e estamos há muito tempo, o futebol tem códigos e temos de respeitar. Depois de 20 anos convivendo com atletas, a gente sabe quando o atleta está no limite técnico, físico, mental, que precisa ter um descanso, sair um pouco da zona de alvo. Para se libertar de alguns rótulos que recebem durante o ano. Se pensarmos de forma racional, o grupo do Botafogo que construiu aquela fase maravilhosa ano passado era pequeno. Eram 13, 14,15 jogadores que rodavam o tempo todo. Não mudou muito isso. A gente mudou alguns, mas a grande parcela continua jogando e atravessando momento de que precisam de apoio — disse Tiago Nunes.

Botafogo tem sequência decisiva pela frente

Em meio a crise criada por Tiago Nunes, o Botafogo tem uma sequência decisiva neste começo de temporada. Na próxima quarta-feira (21), às 21h30 (horário de Brasília), o Glorioso estreia na Copa Libertadores, contra o Aurora, da Bolívia, pela segunda fase da competição. Além disso, o clube ainda briga por uma vaga na semifinal do Campeonato Carioca.

Atualmente, o Botafogo é o quinto colocado da Taça Guanabara, com 14 pontos, dois a menos que o Vasco. Faltando duas rodadas para o fim desta fase da competição, o Glorioso pode, mais uma vez, ficar fora do mata-mata do Estadual.

Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues é jornalista formado pela UFF e soma passagens como repórter e editor de Lance!, Esporte News Mundo e Jogada10.
Botão Voltar ao topo