México

Tuca Ferretti deixa Tigres depois de 11 anos como uma lenda, com muitos títulos e um lugar na história

Técnico brasileiro naturalizado mexicano tornou-se uma lenda do futebol mexicano e um ídolo do Tigres em mais de uma década à frente do clube

Um dos maiores nomes entre os técnicos do futebol latino-americano, e em especial do México, deixou o seu cargo depois de 11 anos. Depois da eliminação diante do Atlas, na repescagem do torneio Clausura, neste domingo, Tuca Ferretti deixou o Tigres. O treinador estava no clube azul e dourado desde 2010 e criou uma era de conquistas que mudou a história da instituição. O técnico se tornou uma lenda dos azuis e dourados e ajudou a contratar jogadores como André-Pierre Gignac.

A saída do treinador acontece justamente quando um novo reforço europeu chega ao clube, o francês Florian Thauvin, anunciado na última sexta-feira. Ricardo Tuca Ferretti, nascido no Rio de Janeiro, começou a carreira no Botafogo, em 1971, passou pelo Vasco e Bonsucesso antes de embarcar rumo ao México. Jogou por Atlas, Pumas, Neza, Monterrey, Toluca e encerrou a carreira no Pumas, em 1991. Por lá também começou a sua carreira como treinador, ainda em 1991, no próprio Pumas.

Foi técnico interino da seleção mexicana em 1993, por alguns jogos, mas ficou até 1996 como técnico do Pumas. Naquele ano, foi para o Chivas Guadalajara, onde ficou até 2000. Foi pelo clube que conquistou o seu primeiro título, em 1997, no Campeonato de Verão. Em 2000, assumiu pela primeira vez o Tigres e ficou por três anos. Não conquistou títulos nessa passagem e deixou o clube em 2003.

Foi para o Toluca e, em uma temporada, conquistou dois títulos dos mais relevantes: a Champions League da Concacaf, já em 2003, e também o Campeón de Campeones, a disputa entre os campoeões do Apertura e do Clausura Mexicano. Em 2005, foi para o Morelia, mas ficou pouco tempo. Em 2006, voltou ao Tigres, mas novamente a passagem foi curta, de apenas seis meses.

Ainda em 2006, voltou ao Pumas, onde ficou até 2010. Por lá, conquistou o Clausura de 2009, voltando a conquistar um título. Foi em 2010 que voltou ao Tigres para a sua terceira passagem. Desta vez, porém, ele faria história. Foram cinco títulos mexicanos, uma Copa do México, três títulos de Campeón de Campeones, uma Interliga, a Campeones Cup (entre o campeão mexicano e o da MLS) e, por fim, o título que mais buscou ao longo desses anos: a Champions League da Concacaf. Levou o clube ao Mundial de Clubes, onde conseguiu eliminar o Palmeiras na semifinal, mas acabou derrotado pelo Bayern de Munique na final. Na época, foi a sua 29ª final e falamos sobre a carreira do treinador.

Segundo o Mediotiempo, havia um acordo verbal de Tuca com a direção do clube para uma renovação do contrato até 2024. Contudo, as coisas mudaram e, apesar do técnico ter a palavra de uma pessoa do alto comando da Cemex, empresa que é a principal financiadora do clube, a renovação não foi oferecida. Assim, o treinador deixa o cargo.

Mesmo sendo um dos maiores técnicos da história do futebol mexicano, Tuca Ferretti já era questionado e alguns torcedores já queriam a mudança. Mesmo assim, ficaram insatisfeitos com a forma singela com que o técnico deixou o clube, sem uma despedida do tamanho da sua importância. Foi publicado um vídeo com momentos importantes do treinador pelo clube.

“Hoje termina um ciclo e nos toca agradecer a Ricardo Ferretti por ser parte desta época brilhante”, afirmou Alejandro Rodríguez, dirigente que contratou o técnico em 2010. “Tuca sempre terá um lugar especial na história do clube. Estamos muito agradecidos com ele e com tudo que deu a esta instituição”, afirmou Mauricio Culebro, vice-presidente do Tigres.

As palavras de carinho, porém, não tornam mais fácil a saída de Tuca, que deixa o clube magoado por não terem cumprido com a palavra. Aos 67 anos, Tuca Ferretti deixa um legado de títulos e de idolatria por ter montado alguns dos times mais fortes de toda América Latina ao longo dos anos à frente do clube. Inclusive em 2015, quando chegou ao vice-campeonato da Libertadores, ao ser derrotado na final pelo River Plate de Marcelo Gallardo. Com sua experiência e seu currículo vitorioso, Tuca Ferretti certamente terá propostas para continuar a trabalhar e, quem sabe, continuar a fazer história em outro clube.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo