Leste Europeu

Não é piada

Vamos relembrar a história: em 6 de junho do ano passado, a presidenta do Lokomotiv Moscou, Olga Smorodskaya, demitiu o técnico Yuri Krasnozhan, mesmo com o time entre os primeiros colocados do Campeonato Russo. Oficialmente, o clube alegou “erros no trabalho”, mas o motivo foi outro, e bem alarmante. Krasnozhan, uma semana antes, teria entregue o jogo em casa para o Anzhi Makhachkala – a equipe moscovita perdeu por 2 a 1.

A história é assustadora, chega a impressionar. Contei bem o caso nesta coluna, publicada à época, com a ajuda de fontes na Rússia. E eis que dois dias após o Natal, Yuri Krasnozhan volta ao banco de reservas de um time da primeira divisão russa. Qual? Não é difícil adivinhar, convenhamos…

Em 27 de dezembro, o Anzhi, que demitira o técnico Gadzhi Gadzhiev meses antes e promovera seu assistente, Andrei Gordeev, a treinador interino, e Roberto Carlos para o posto de auxiliar, confirmou a contratação de Krasnozhan para o cargo.

Na sequência do escândalo de manipulação de resultados, a federação russa se recusou a investigar o caso. Não deu muitas justificativas para tanto, algo que assustou até mesmo os jornalistas russos. Conversei, à época, com alguns, e todos me disseram ter certeza da entrega do resultado. Para piorar a situação, a entidade presidida por Sergey Fursenko criou uma seleção russa B e apontou Krasnozhan para comandá-la.

Infelizmente, e já falei sobre isso em diversas oportunidades nesta coluna, a manipulação de resultados no futebol russo é algo corriqueiro. E mais infelizmente ainda, há pouquíssima vontade das autoridades em ir atrás dos culpados.

Yuri Krasnozhan é um bom técnico. Antes de assumir o Lokomotiv fez um excelente trabalho no Spartak Nalchik, em um período quando quem se destacou foi o atacante brasileiro Ricardo Jesus, vice-artilheiro da última Série B pela Ponte Preta e que na sequência se transferiu ao CSKA Moscou, seu clube atual. Aliás, em Nalchik, a trajetória de Krasnozhan iniciou em 1999 e só terminou em 2010, passando por alguns cargos no clube.

Hoje, aos 48 anos, ele tem a chance de sua vida. Mesmo com toda “defesa” da federação e a falta de um processo para apurar o que realmente houve, seu nome ficou manchado. Assume agora um dos times mais ricos do mundo, com um dos melhores elencos do país, e contrato assinado de cinco anos.

Só que logo de cara ele não terá vida fácil. Com 12 rodadas ainda por jogar, o Anzhi é apenas o sétimo na fase final do Russão, com 52 pontos, 13 a menos que o líder Zenit São Petersburgo. Ao menos a diferença para o segundo colocado, CSKA Moscou, é de apenas sete, já que somente os dois primeiros vão para a Liga dos Campeões.

Depois de gastar tanto em reforços – João Carlos, Roberto Carlos, Jucilei, Mbarak Boussoufa, Yuri Zhirkov, Balasz Dszudszák, Samuel Eto'o… – e especular treinadores famosos – Guus Hiddink, Fabio Capello, Luiz Felipe Scolari, Carlo Ancelotti… – o milionário Suleyman Kerimov, dono do clube, fez uma aposta caseira. Mas uma aposta com pressão internacional.

CURTAS

– E feliz ano novo a todos! Que venha 2012!

– Agora um pouco de mercado de transferências na Rússia:

– Gökdeniz Karadeniz, desejado pelo Dynamo Moscou, prorrogou contrato com o Rubin Kazan até maio de 2015;

– Acabou o empréstimo de Vladimir Gabulov ao CSKA e ele retornou ao Anzhi, que o contratara no meio do ano passado. Akinfeev deve voltar a jogar em março;

– Diego Tardelli, ao que parece, vai mesmo para o Al Gharafa, do Qatar. Não deixa saudades no Daguestão;

– Por fim, o site oficial do Zenit resolveu brincar com as várias especulações de contratações do time e analisou cada uma: clique aqui.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo