Itália

Como Thiago Motta pode fazer próxima revolução no futebol com seu inusitado esquema 2-7-2

Prestes a ser anunciado como novo técnico da Juventus, Thiago Motta criou um trabalho fenomenal (e único) no Bologna

Após um longo namoro, Thiago Motta e Juventus devem se casar. Segundo o jornal As, o técnico avisou ao Bologna que não pretende renovar seu contrato para a próxima temporada e deve sair após o último jogo de 2023/24.

Uma perda tremenda para o Rossoblù, que conseguiu a classificação à Champions League após 59 anos. Já os Bianconeri têm motivos de sobra para comemorar a chegada do ítalo-brasileiro.

Thiago Motta deve assinar um contrato de três temporadas com a Juventus, com um salário anual líquido na casa dos € 5 milhões (cerca de R$ 27,8 milhões na cotação atual).

Obviamente, o Bologna gostaria ter continuado com o treinador, que foi responsável por revolucionar a realidade da equipe. Agora, ele deve fazer o mesmo à frente da Velha Senhora.

Mesmo com apenas 41 anos, Thiago Motta pode se dizer experiente no futebol de alto nível graças a sua história como jogador, sendo multicampeão pelo Barcelona, pela Internazionale e pelo PSG.

No início de sua carreira como técnico, ele já é um dos nomes mais empolgantes dessa geração, que também tem Xabi Alonso e seu incrível Bayer Leverkusen.

A escolha por Thiago Motta para substituir Massimiliano Allegri é um tremendo acerto da Juventus. O veterano italiano é caracterizado pelo jogo com menos posse de bola, mais defensivo e retroativo. Motta é o extremo oposto. Entenda como ele pode fazer a Juve voltar a ser protagonista no cenário doméstico e internacional nessa análise da Trivela.

Como a Juventus de Thiago Motta deve jogar?

Antes de falar da Juventus, primeiro é preciso definir o Bologna de Thiago Motta. Aqui vale ressaltar que já fizemos uma avaliação completa do estilo de jogo do Rossoblù sob o comando do treinador.

Em resumo, baseia sua filosofia em um princípio tático: o 2-7-2. E não, isso não significa um time com 12 titulares.

Na verdade, Thiago Motta inclui o goleiro na construção de suas jogadas, tanto que ele tem um papel fundamental na saída de bola.

Aliás, o esquema do futuro técnico da Juventus deve ser lido verticalmente, e não horizontalmente — como já estamos acostumados. O ítalo-brasileiro armou seu Bologna com dois jogadores no lado direito, sete no centro de campo (incluindo o arqueiro) e outros dois na esquerda.

Skorupski participa ativamente da troca de passes com os zagueiros para iniciar a transição ofensiva desde a grande área do Rossoblù.

Nisso, um dos volantes de Thiago Motta costuma subir uma linha, abrindo brecha para um de seus zagueiros ocuparem aquele espaço. Esse simples movimento do Bologna cria superioridade numérica, facilitando a chegada ao ataque.

Com a bola mais avançada, os meias apoiam os pontas, e o centroavante Zirkzee se movimenta bastante, chegando até a se aproximar da linha defensiva para buscar a posse e, depois, povoar o último terço.

Sem a bola, Thiago Motta ordena uma marcação pressão na defesa rival, no intuito de recuperá-la o mais rápido possível e geram uma nova chance de gol.

Como isso pode funcionar na Juventus?

Para início de conversa, já é bom deixar claro que Szcsesny não é conhecido por ser um goleiro que trabalha tão bem assim com os pés.

Portanto, a tendência é que a Juventus de Thiago Motta traga alguém para a função com essa característica. Se isso não for possível, adaptar o polonês ou Perin (seu reserva imediato). No miolo de zaga, o treinador ítalo-brasileiro está bem servido.

Não é preciso nem alongar muito para exaltar a qualidade de marcação e de passe de Bremer e Danilo.

O capitão da Seleção Brasileira ainda pode jogar na lateral-direita, que foi sua posição de origem na primeira metade da carreira. Gatti também faz essa posição na Juventus.

Já na esquerda, Motta pode contar com o talento de Cambiaso, que foi emprestado pelo próprio Bologna nesta temporada.

Foto: (Trivela/Homecrowd) - A possível Juventus de Thiago Motta
Foto: (Trivela/Homecrowd) – A possível Juventus de Thiago Motta

O volante de marcação e responsável pela ligação ao ataque estará sob os cuidados do ótimo Locatelli, que foi consistente na Juventus em 2023/24.

Completando o meio-campo, Rabiot e McKennie, um dos destaques da Velha Senhora até aqui, também se encaixam no jogo proposto por Thiago Motta. A única questão que o treinador precisa se atentar é a ponta direita, que não tem nenhuma unanimidade no elenco.

Já a ponta esquerda pertence à Chiesa, que talvez seja o melhor jogador italiano atualmente. Por último, mas não menos importante, Vlahovic pode ser ainda mais potencializado. O centroavante é feroz dentro da grande área, mas pode contribuir ainda mais com a Juventus, exercendo o papel que Zirkzee realiza no Bologna. Com o ítalo-brasileiro, os Bianconeri têm tudo para se tornarem temidos novamente.

Foto de Matheus Cristianini

Matheus Cristianini

Jornalista formado pela Unesp, com passagens por Antenados no Futebol, Bolavip Brasil, Minha Torcida e Esportelândia. Na Trivela, é redator de futebol nacional e internacional.
Botão Voltar ao topo