Copa da Itália

Com sorte e um gol contra nos acréscimos, Juventus vence Fiorentina no jogo de ida na Copa da Itália

Em um jogo que a Viola perdeu boas chances para marcar, a Juventus sai com a vitória no jogo de ida e jogará pelo empate na volta em Turim

O jogo de ida da semifinal da Copa da Itália teve drama. Mesmo fora de casa, a Juventus arrancou uma vitória sofrida por 1 a 0, com um gol marcado nos acréscimos do segundo tempo em um gol contra. O mais doloroso para os torcedores presente no Artemio Franchi é que a Fiorentina fez um bom jogo e poderia ter marcado seu gol e vencido o jogo, mas faltou competência no campo de ataque. Terá que vencer em Turim.

VEJA TAMBÉM:
Milan e Inter deveram emoções, num 0x0 que deixa a definição da semifinal da Coppa para a volta
Fiorentina pede em nota para que torcida “evite cânticos racistas e discriminatórios” no reencontro com Vlahovic
Balotelli define retorno à seleção italiana como seu principal objetivo e diz se arrepender de ter deixado o City

Inferno de Dante

Torcida da Fiorentina simula O Inferno de Dante (Gabriele Maltinti/Getty Images)

A torcida da Fiorentina preparou uma recepção especial para Dusan Vlahovic, que trocou o clube da Toscana pela Juventus, algo que normalmente não é perdoado pelos fanáticos florentinos.

Assim, a torcida fez um mosaico que fazia referência ao Inferno de Dante, com o rosto de Vlahovic no meio. Um sinal que não só o atacante não era bem-vindo, mas que haveria animosidade contra ele. E foi assim: a cada toque na bola, ele era vaiado. Foi uma ação orquestrada: o clube distribuiu 10 mil apitos para tornar a vida de Vlahovic mais difícil em campo no Artemio Franchi.

Primeiro tempo

O primeiro tempo foi um pouco decepcionante para quem esperava um jogo quente. Embora o clima vindo das arquibancadas fosse tenso, o jogo não tinha um grande ritmo. O primeiro tempo teve a Fiorentina dominando as ações, criando mais e ameaçando o gol, mas faltava um pouco mais de precisão.

Riccardo Saponara e Cristiano Biraghi tentaram de longe, em chutes que, se não foram chances claras, ao menos testaram o goleiro Mattia Perin. Giacomo Bonaventura tentou aproveitar um passe errado de Perin, mas não conseguiu. Acabou também errando e desperdiçando a bola.

Jonathan Ikone teria uma boa chance em contra-ataque, avançando pela direita e com um chute colocado que passou raspando. Um lance de perigo, mas o jogo ficou mesmo em 0 e 0 no intervalo.

Segundo tempo

No segundo tempo, a Fiorentina perdeu um gol feito logo no começo, aos dois minutos. Ikone recebeu em velocidade um passe de Torreira, avançou, deu sorte ao dividir e ganhar a bola de Di Sciglio e finalizou de pé esquerdo, mas a bola tocou na trave. Uma chance incrível desperdiçada pelos mandantes.

Aos 10 minutos, Vlahovic recebeu no ataque e, sob vaias, tentou o toque por cima do goleiro, que ainda conseguiu a defesa e mandou para escanteio. A Juventus começava a chegar mais ao ataque, mantendo mais a bola no campo ofensivo.

Juan Cuadrado, como habitual, era muito perigoso pelo lado direito, chegando à linha de fundo. Biraghi ainda tentou pelo lado da Fiorentina em uma cobrança de falta.

Só que o jogo foi mesmo decidido em um golpe de sorte para a Juventus. Cuadrado chegou pela direita, cruzou rasteiro e a bola bateu em Lorenzo Venuti e entrou. Não foi um movimento errado do defensor, apenas azar de estar na trajetória da bola. Não houve muito o que fazer, a bola entrou chorando e ele lamentou demais. Eram 46 minutos do segundo tempo.

Não houve tempo para muito mais. O Jogo acabou mesmo com a vitória da Juventus por 1 a 0, Venuti caiu no chão, lamentando o gol contra, logo após o apito final. Até jogadores da Juventus foram consolá-lo.

O jogo de volta será no dia 20 de abril, em Turim. A Fiorentina precisará vencer o jogo para não ser eliminada. Vitória por um gol de diferença leva a disputa para a prorrogação. Por dois gols uo mais, classifica direto. A Juventus só precisa de um empate para estar na final.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo