Itália

Allegri recusou proposta do Real Madrid e acredita em Dybala, que será vice-capitão da Juventus

Pela segunda vez na carreira, Allegri recusou o Real Madrid e disse que não só confia em Dybala, como ele será o vice-capitão do time pelo tempo de casa

Massimiliano Allegri voltou à Juventus, onde teve muito sucesso na sua primeira passagem, de julho de 2014 a junho de 2019. Foram cinco temporadas no comando do clube e muitos títulos, além de duas finais de Champions League. Em 2019, ele deixou o clube, em meio a uma pressão por um estilo de jogo mais ofensivo. Aos 53 anos, ele retorna depois que os bianconeri passaram por momentos complicados com Maurizio Sarri e Andrea Pirlo. Allegri recusou proposta do Real Madrid para retornar à Juventus e deu a sua primeira coletiva nesta terça-feira, quando falou  sobre a opção pela Velha Senhora e sobre os planos com os jogadores, como Paulo Dybala.

LEIA TAMBÉM: Chiellini sobre mestrado: “Quando tive algum tempo livre, pensei: por que ficar só no Playstation?”

Allegri contou que recusou uma proposta do Real Madrid antes de aceitar voltar para a Juventus, anunciado ainda em maio. Foi a segunda vez que ele recusou o Real Madrid, que em 2018 também tentou levá-lo ao Santiago Bernabéu. “Eu devo agradecer ao presidente do Real Madrid pela oportunidade que ele me deu. Eu escolhi a Juventus por causa do meu amor por este clube e porque eu acredito neste time jovem. Será divertido treinar esses jogadores, mas temos que vencer também. É o mais importante”, disse Allegri.

“Eu me sinto empolgado me divertindo. Eu tive todos os jogadores jovens até agora, bons jogadores que se saíram bem no sábado no primeiro amistoso do verão. Os jogadores do time principal estão voltando, eles estarão todos disponíveis a partir de terça. Agora não é o momento de falar sobre o passado, nós precisamos focar no futuro”, continuou o treinador.

“Eu agradeço aos outros clubes que fizeram propostas para mim, mas eu acordei de manhã e liguei para Andrea [Agnelli, presidente da Juventus] pedindo a ele uma reunião. Eu sou grato que ele me permitiu voltar a treinar e vencer, que é o que mais importa. Eu assisti muitos jogos durante o meu tempo fora, especialmente no fim do segundo ano”, disse Allegri.

“Eu começo um novo capítulo na Juventus, este time é feito de muitos jogadores jovens que precisam se desenvolver. Há também jogadores experientes, como [Cristiano] Ronaldo, [Giorgio] Chiellini e [Leonardo] Bonucci. Esses três devem ser um valor agregado para o clube e o time, trazendo experiência e técnica em campo, mas eles também devem ser modelos para os jovens jogadores”.

“O que nós fizemos permanecerá na história, dois anos atrás decidimos nos separar, agora nós começamos do zero para atingir nossos objetivos. Eu estou orgulhoso que a Juventus me chamou e estou orgulhoso com o amor dos torcedores. De agora em diante, precisamos focar no campo”, afirmou.

“O DNA da Juventus é um muito particular, toda vitória vem do trabalho diário. Eu encontrei um time que ganhou um título italiano nas duas últimas temporada e mais duas taças na última temporada. Eles fizeram um bom trabalho, e eu tenho um bom time”.

Cristiano Ronaldo: responsabilidade como um dos mais experientes

“Ronaldo é um grande jogador e um cara inteligente. Eu falei com ele ontem, como falei com os demais. Eu disse a ele que esta é uma temporada importante e que estou feliz em encontrá-lo novamente, agora que ele tem mais responsabilidade, porque há três anos nós tínhamos um time mais experiente, enquanto agora há mais jogadores jovens”.

“Eu espero muito dele em termos de responsabilidade, ele está em boa condição e em forma. Há diferentes momentos na temporada e jogando uma partida a cada três dias, eu precisarei rodar o time, envolver todos os jogadores. Eu imagino que a gestão dos jogadores não foi fácil durante o último um ano e meio por causa da pandemia COVID”.

LEIA TAMBÉM: “Se vocês dois são técnicos, qualquer um pode ser”, disse um amigo de Sarri a ele e Allegri em 2003

Paulo Dybala: moral e vice-capitão depois de Bonucci

Paulo Dybala teve um papel reduzido em relação a temporadas anteriores. Com contrato apenas até junho de 2022 e há expectativa sobre uma possível renovação ou se a Juventus decidirá vendê-lo. Ou havia, porque o técnico mostrou confiança no seu camisa 10 e deu moral ao argentino, que é sempre especulado para deixar o clube.

“Paulo não fez uma boa temporada e agora pode provar o seu valor. Ele tem 28 anos, é maduro e eu tinha uma boa impressão. Ele era um garoto, agora é um homem, faz gols e isso é importante no futebol. Eu espero muito dele, como sempre. Há entusiasmo e isso é o mais importante”.

“Dybala está muito em forma, física e mentalmente. Ele é um jogador que pode marcar gols, até 20 ou 25 por temporada. Ele pode cobrar faltas, então pode fazer a diferença. Em termos da sua experiência na Juve, ele pode ser o vice-capitão, porque Bonucci deixou a Juventus e depois retornou. Eu espero muito dele, falei com ele e ele está muito motivado”.

“O capitão e o vice-capitão são decididos dependendo de há quanto tempo eles estão no time. Então, Chiellini é o mais experiente, seguido por Dybala”, explicou Allegri. “Bonucci saiu por uma temporada, ele tomou essa decisão, então se ele quer a braçadeira de capitão, ele deve comprar uma e usar na rua. Leo está ciente disso”, disse o técnico, rindo.

Em julho de 2017, Bonucci decidiu ir para o Milan, em uma transferência absolutamente surpreendente. Durou apenas um ano. Em agosto de 2018, o zagueiro voltou à Juventus. Bonucci ainda disse que a decisão de ir para o Milan foi “no calor do momento porque sentia raiva”. Com isso, ele, que era o sucessor natural de Chiellini como capitão do time, acabou ficando para trás, na visão de Allegri. “Na minha última temporada na Juventus, Manduzkic e Khedira usaram a braçadeira de capitão porque Leo foi para trás na hierarquia”, contou Allegri.

Inter favorita, Milan, Roma, Lazio e Napoli concorrentes

Quando foi perguntado sobre que times seriam os principais concorrentes da Juventus na disputa pelo título, Allegri foi bastante benevolente e citou todos os grandes times do país. “Muitos técnicos importantes voltaram, Spalletti para o Napoli, Mourinho para a Roma, Sarri para a Lazio”, disse.

“A Inter é favorita porque eles venceram na última temporada, nós precisamos começar um novo caminho para ganhar esse título. Esta temporada será difícil, o Milan melhorou, então seus jogadores jovens têm um ano a mais de experiência, eles estão entre os favoritos com Roma, Lazio e Napoli”, analisou Allegri.

“É difícil prever quantos pontos nós precisaremos para ganhar o título, talvez entre 86 e 88, nós precisaremos jogar os jogos, a ordem dos jogos não é importante, nós iremos nos organizar da melhor forma possível para vencer, sabendo que temos que nos adaptar às emissoras e donos dos direitos de TV. Eles estão entre os principais patrocinadores, então não iremos reclamar”.

“Nós temos a Supercopa, a Copa da Itália e então a Champions League, que é um desejo que todos nós temos que ter. Primeiro de tudo, nós temos que passar da fase de grupos, queremos estar envolvidos na competição em março”, afirmou ainda o treinador.

Será a primeira vez que Allegri terá cinco substituições à sua disposição, algo que veio por causa da pandemia. “Eu não estou acostumado a usar cinco substituições, talvez eu comece com três, não sei. É uma boa oportunidade, mas cabe ao técnico lidar com ela”, continuou.

Elogio a Kulusevski

Entre os jogadores com quem Allegri não trabalhou estão Arthur, Dejan Kulusevski e Adrien Rabiot. O técnico fez elogios ao sueco, que deixou claro que ele deve ser uma peça importante no elenco.

“Kulusevski é um grande jogador, ele pode marcar mais gols, então ele pode melhorar. Eu acho que o objetivo desse time é ir até o fim, ganhar o maior número de troféus possível e melhorar esses jogadores, por isso fui contratado. Um treinador deve trazer resultados e criar valor”.

“Nós precisamos marcar gols e sofrer o mínimo possível, porque a melhor defesa costuma ganhar o título. Eu acho que a única exceção nos últimos anos foi o scudetto conquistado por Sarri, mas foi uma temporada difícil por causa da COVID”, disse.

“Rabiot é um jogador com qualidades importantes. Ele marcou três gols na temporada passada, e eu acho que ele pode fazer mais do que isso. McKennie tem um olho para o gol. Eu tenho sorte porque muitos jogadores podem fazer gols: Ronaldo, Dybala, Morata, Rabiot, McKennie, Chiesa, Bernardeschi. Nós precisamos marcar ao menos 75 gols na próxima temporada, há um grande potencial”.

O treinador também comentou sobre o volante brasileiro Arthur, que precisou passar por cirurgia no dia 16 de julho. Seu retorno é esperado para outubro. “Eu não tive a chance de ver Arthur porque ele passou por cirurgia direto, eu espero que ele se recupere porque é uma lesão estranha e rara, nós temos que ter sorte, estamos esperando por ele”, afirmou.

Quando Allegri foi contratado pela Juventus em 2014, causou uma certa surpresa, mas havia elementos para acreditar em um bom trabalho. Desta vez, ele chega com muito menos desconfiança, mas uma expectativa muito grande. Resta saber como será a sua passagem.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo