Inglaterra

Kevin de Bruyne admite queda por Arábia Saudita: ‘quantias incríveis de dinheiro’

Jogador belga ainda tem um ano de contrato com o Manchester City, mas está sendo sondado pelos endinheirados clubes do país

Que o futebol árabe movimenta muito dinheiro, não é novidade. Dessa vez, é Kevin De Bruyne que está de olho nessa grana toda. Campeão da Premier League com o Manchester City, o jogador belga de 32 anos admitiu, em entrevista ao jornal belga HLN., que está de olho nos salários altos pagos no país. Segundo o meia, uma “aventura exótica cairia bem”.

“Na minha idade você tem que estar aberto a tudo. Se fala de quantias incríveis de dinheiro na última fase da minha carreira. Para minha esposa, uma aventura exótica cairia bem. Tenho que pensar no meu futuro. Se eu jogar na Arábia Saudita por dois anos, ganharia o que não ganhei em 15 anos de carreira. Tenho que pensar no que isso pode significar”, afirmou o jogador.

A fala do jogador, no entanto, traz uma versão diferente do que já foi visto. Pouco tempo atrás, a Arábia não era uma possibilidade para De Bruyne. Sua principal opção era se mudar para os Estados Unidos e seguir os passos de Lionel Messi, jogando na MLS. Sua relação com o City ainda pode pesar, mas com certeza o volume de dinheiro agora é um ponto importante.

Há nove anos no clube inglês, De Bruyne ainda tem mais um ano de contrato e sua história com o time de Pep Guardiola é memorável – nesta temporada, no entanto, o jogador atuou menos do que a média. Por conta de uma lesão sofrida em agosto, Kevin só participou de 26 jogos. O cenário, porém, não afeta o interesse de clubes da Arábia e dos Estados Unidos, que segundo a imprensa europeia, estão de olho no jogador.

Cristiano Ronaldo e De Bruyne jogando juntos?

Segundo fontes informaram à CBS Sports, caso De Bruyne deixasse mesmo o Manchester City, o jogador seria considerado uma contratação do mesmo impacto que Cristiano Ronaldo teve ao chegar ao Al-Nassr, em janeiro de 2023.

O Al-Nassr, inclusive, seria o candidato principal para contratar De Bruyne se o Fundo de Investimento Público do governo saudita (que é dono dos times Al-Ahli, Al-Nassr, Al-Hilal e Al-Ittihad) tivesse conseguido negociar um acordo em 2023.

O Al-Hilal, que jogará o Super Mundial de Clubes nos Estados Unidos, pode ser um forte candidato a receber o belga como reforço. Isso porque o hábito do governo é fortalecer primeiramente os clubes que representarão a Arábia Saudita em torneios internacionais.

“Ainda tenho mais um ano de contrato, então tenho que pensar no que pode acontecer”, disse ele. “Meu filho mais velho tem agora oito anos e não conhece nada além da Inglaterra. Ele também pergunta por quanto tempo vou jogar pelo City. Quando chegar o momento, teremos que lidar com isso de uma certa maneira.”

De Bruyne e família comemoram o título da Premier League Foto: Icon Sport

Mercado árabe já gastou quase 900 milhões de euros

O forte investimento do governo saudita no futebol local já trouxe nomes importantes do futebol europeu para o continente asiático. Primeiro, Cristiano Ronaldo deixou o Manchester United para assinar com o Al-Nassr. E na sequência, quase 900 milhões de euros foram gastos em taxas de transferência para trazer nomes como Neymar, Sadio Mane e Benzema para o país.

Ainda conforme a CBS Sports, fontes indicaram que a Liga não pretende gastar tanto este ano, porque a ideia é construir um torneio mais sustentável. Apesar dessa aparente moderação, o apetite dos clubes para trazer nomes famosos como De Bruyne segue.

Foto de Gabriella Telles

Gabriella Telles

Gabriella Telles é jornalista formada pela UFRJ, faz pós-graduação em Gestão Estratégica de Marketing. Já trabalhou na TNT Sports na cobertura da Rio 2016, futebol internacional e eSports. Nascida e criada no subúrbio do Rio de Janeiro.
Botão Voltar ao topo