Futebol feminino

Seleção feminina dos EUA deve contratar Emma Hayes, técnica do Chelsea, no fim da temporada europeia

Chelsea anunciou a saída de Emma Hayes no último sábado, mas destacou que a treinadora permanece no clube até o fim da Premier League

A técnica do Chelsea feminino, Emma Hayes, tem um destino certo assim que a temporada da Premier League terminar – e não é na Inglaterra. Segundo o jornal “The Athletic”, a britânica deve assumir a seleção feminina dos Estados Unidos e as negociações já estão avançadas. Se o contrato for, de fato, assinado, ela se tornará a treinadora mais bem paga do futebol feminino mundial. 

No último sábado, a equipe anunciou que Heyes deixará o cargo para seguir para uma nova oportunidade, mas ressaltou que isso não acontecerá até que a temporada esteja encerrada. Com isso, Hayes fica à frente das Blues até, no mínimo, 18 de maio de 2024. Caso o time avance até a final da Champions League feminina (WCL), a permanência se estenderia até o dia 27 do mesmo mês. Vale lembrar que o início da disputa do futebol feminino nos Jogos Olímpicos de Paris é em 25 de julho. 

– Emma tem sido uma das maiores impulsionadoras da mudança no futebol feminino. Suas conquistas no Chelsea são incomparáveis ​​e permanecerão para sempre na história do clube. Dado tudo o que ela contribuiu para o Chelsea em mais de uma década com o clube, e o legado que ela deixa, nunca ficaríamos no seu caminho quando ela sentisse que era o momento certo para perseguir um novo desafio – disseram os diretores de futebol dos Blues, Laurence Stewart e Paul Winstanley, em nota oficial sobre a saída de Heyes.

Emma Hayes pode ser a técnica mais bem paga do mundo

Em 2022, a Federação de Futebol dos Estados Unidos (USSF), juntamente com as associações de Jogadoras da Seleção Feminina, assinaram um acordo que estabelece “igualdade salarial e define o padrão global no futuro em futebol internacional”. Isso indica que a entidade norte-americana pode tentar alinhar o futuro salário de Emma com o do atual técnico da seleção masculina dos EUA, Gregg Berhalter. 

De acordo com apuração do jornal “Philadelphia Inquirer”, o salário de Berhalter foi listado em 1,6 milhão de dólares (cerca de R$ 7,8 milhões) nos registros financeiros de 2022 da federação norte-americana. Com a renovação do contrato, é de se esperar que esse valor já tenha sido inflacionado. 

Matt Crocker, diretor esportivo da USSF, disse que queria um sucessor para o técnico Vlatko Andonovski até o início de dezembro. Andonovski renunciou ao comando da seleção norte-americana em agosto, após a eliminação da equipe nas oitavas de final da Copa do Mundo na Austrália e na Nova Zelândia. A interina Twila Kilgore assumiu a vaga até que um novo nome seja anunciado permanentemente. 

Chelsea na elite do futebol feminino 

O papel de Emma Hayes no comando do Chelsea foi fundamental para mudar o patamar do clube no futebol feminino. Desde que assumiu a equipe, em 2012, ela conquistou seis títulos da Premier League, cinco Copas da Inglaterra, duas Copas da Liga Inglesa e uma Supercopa da Inglaterra. 

Além disso, Hayes conquistou a tríplice coroa com as Blues, em 2021, e recebeu o prêmio de melhor técnica da temporada. No ano passado, ela recebeu uma Ordem do Império Britânico (OBE) por seus serviços prestados ao futebol feminino.

– A contribuição de Emma para o Chelsea não pode ser subestimada. Ela foi pioneira no futebol feminino e é extremamente respeitada dentro do esporte. Esperamos continuar a trabalhar juntos nos próximos meses – afirmou Todd Boehl, presidente do Chelsea.

Atualmente, o time londrino lidera a Premier League feminina com 13 pontos. Na próxima rodada, as Blues visitam o Everton. 

Foto de Livia Camillo

Livia Camillo

Formada em jornalismo pelo Centro Universitário FIAM-FAAM, escreve sobre futebol há cinco anos e também fala sobre games e cultura pop por aí. Antes, passou por Terra, UOL, Riot Games Brasil e por agências de assessoria de imprensa e criação de conteúdo online.
Botão Voltar ao topo