Futebol feminino

Não foi só Rubiales: em relato forte, Jenni Hermoso revela conduta abusiva de ex-técnico da seleção da Espanha

Segundo Hermoso, Vilda tinha comportamentos abusivos: "quando íamos dormir, tínhamos que deixar a porta aberta"

Em meio a um processo judicial contra Luis Rubiales, a meia Jenni Hermoso, que sofreu agressão sexual do ex-presidente da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF), quebrou de vez o silêncio sobre o ciclo de abusos sofrido pelas jogadoras da seleção espanhola. Em uma prévia do programa “Planeta Calleja”, do canal espanhol Cuatro, a meio-campista revelou que o ex-técnico Jorge Vilda, campeão mundial da Copa do Mundo Feminina de 2023, tinha comportamentos abusivos.

– Quando íamos dormir, tínhamos que deixar a porta aberta e esperar que ele passasse à noite para deixá-lo falar conosco. Ele dizia que era o único momento que tinha para falar conosco pessoalmente. Primeiro, ele ia para a porta das primeiras jogadoras (do corredor), até chegar à última. Talvez, tenha havido jogadoras que já tinham adormecido – revelou a atleta.

Além disso, Vilda também tentava controlar a vida das jogadoras. “Quando íamos às compras, ele esperava por nós e perguntava o que tínhamos na sacola”, recordou Hermoso.

A entrevista completa ainda não foi publicada pelo programa.

Vilda tinha relação conturbada com jogadoras da seleção espanhola

Em setembro de 2022, quinze atletas da Espanha assinaram um e-mail conjunto pedindo a demissão de Vilda por comportamentos inadequados nos vestiários e também no dia a dia. À época, a equipe também passava por uma seca de resultados positivos, o que também influenciou o descontentamento das atletas. Algumas delas afirmaram que não disputariam o Mundial sob o comando de Vilda.

No entanto, com Luis Rubiales à frente da Federação naquele período, a entidade demonstrou publicamente o seu apoio ao treinador e bancou a permanência dele para a Copa do Mundo da Austrália e Nova Zelândia, em julho do ano passado.

– De acordo com a legislação espanhola vigente, não responder a uma convocação da seleção é classificado como infração muito grave e pode acarretar em sanções de dois a cinco anos de suspensão. (…) Direto ao ponto, (a Federação) não convocará jogadoras que não desejam vestir a camisa da Espanha. A Federação contará unicamente com jogadoras comprometidas, ainda que tenha de jogar com juvenis – afirmou a RFEF.

As jogadoras que pediram a demissão de Vilda foram: Ainhoa Vicente, Patri Guijarro, Lucía Garcia, Leila Ouahabi, María León, Claudia Pina, Laia Aleixandre, Ona Batlle, Andrea Pereira, Aitana Bonmatí, Sandra Paños, Amaiur Sarriegi, Lola Gallardo, Nerea Izaguirre, e Mariona Caldentey. Hermoso não fazia parte da solicitação coletiva.

Jenni Hermoso revela como lidou com caso de Rubiales

Um dos principais assuntos do futebol em 2023, o beijo forçado de Rubiales em Hermoso foi manchete dos jornais espanhóis e europeus durante meses. A camisa 10 espanhola contou na entrevista que foi preciso ter coragem para lidar com o assédio moral sofrido pela RFEF.

– Tenho certeza de que se eu não tivesse feito isso (falado a verdade), se eu tivesse admitido naquele momento fazer um vídeo dizendo que nada havia acontecido, ficaria muito claro que poderiam existir coisas extra-campo para me ajudar muito (na Federação Espanhola). Mas senti coragem, senti força e, acima de tudo, estava fazendo algo que para mim era o certo. Foi a única coisa que prevaleceu naquele momento – concluiu Jenni.

Botão Voltar ao topo