Eurocopa 2024

Uefa investiga racismo em jogo de favorita na Eurocopa 2024

Caso preconceituoso teria partido de torcida da Sérvia contra Inglaterra no último domingo (16)

A sombra do racismo assola o futebol europeu e não há novidades. Vemos isso frequentemente na Espanha contra Vinicius Júnior, na Itália aconteceu recentemente contra Mike Maignan e, agora, sem futebol de clubes, teria acontecido na Eurocopa 2024.

Diversos veículos da imprensa europeia publicaram que a Uefa investiga um “suposto comportamento discriminatório” de torcedores sérvios contra os jogadores da Inglaterra.

O caso teria acontecido no último domingo (16), quando o English Team bateu a Sérvia por 1 a 0 na Arena AufSchalke, em Gelsenkirchen, gol marcado por Jude Bellingham.

— Um Inspetor de Ética e Disciplina da Uefa conduzirá uma investigação disciplinar relativamente alegado comportamento discriminatório — disse a Uefa em comunicado nesta segunda-feira (17).

A denúncia não veio da Federação Inglesa ou de algum jogador, ou membro da comissão técnica. A BBC da Inglaterra publicou que a partida contava com observadores da organização antidiscriminação Fare para apurar atitudes racistas.

A investigação deve durar algumas semanas, segundo o jornal inglês The Guardian.

A Sérvia já sofre duas acusações da Uefa por atitudes de sua torcida. Uma delas é por exibir uma faixa que “transmite uma mensagem provocativa imprópria para um evento esportivo” e outra por atirarem objetos no gramado.

Ainda na mesma partida, a Federação do Kosovo já havia reclamado à Uefa sobre “exibição de bandeiras, slogans e cânticos por parte dos fãs sérvios”, que teriam “mensagens políticas, chauvinistas e racistas contra o Kosovo”.

Segundo a Uefa, o Órgão de Controle, Ética e Disciplina da Uefa (CEDB) tomará uma decisão sobre o assunto.

Antes do jogo, bares em Gelsenkirchen foram o palco de brigas entre torcedores de ambos os países. A Polícia local afirmou ter detido sete sérvios e um inglês.

Aconteceu prisão até na Inglaterra. Um dos torcedores envolvidos foi identificado e, quando voltou para Manchester, foi detido e teve o passaporte retirado.

– Esta ação mostra a amplitude da operação de policiamento do futebol do Euro 2024 e demonstra que há consequências para os torcedores que pretendem causar desordem. Qualquer torcedor de futebol do Reino Unido que cause desordem na Alemanha, o que seria considerado um crime neste país, poderá enfrentar ação policial ao retornar. Queremos que os fãs que viajam para a Alemanha se divirtam, mas lembrem-se de beber com responsabilidade, respeitar a cultura local e não se colocarem em perigo. – disse Mick Johnson, chefe da Unidade de Policiamento do Futebol do Reino Unido.

O histórico preconceituoso da torcida da Sérvia

Não precisa voltar muito tempo para encontrar um caso de racismo da torcida sérvia.

Em novembro do ano passado, a Uefa puniu o selecionado da península dos Bálcãs com 50 mil euros e um jogo com o estádio parcialmente fechado após “comportamento racista dos seus torcedores” contra Montenegro, em jogo das Eliminatórias para Eurocopa 2024.

Esse é apenas um dos vários casos nos últimos anos. Inclusive na Copa do Mundo de 2022, durante a vitória por 3 a 2 sobre a Suíça, quando a Fifa identificou cantos racistas.

Tem até contra os próprios ingleses, ainda em 2012, por um jogo do sub-21. À época, o lateral-esquerdo Danny Rose afirmou ter sido chamado de macaco, confirmado por colegas de time no jogo pelas Eliminatórias para Euro da categoria.

– Assim que entrei em campo os gritos de “macaco” começaram. Perguntei a meus companheiros e eles também ouviam. Durante o jogo, sempre que ia bater um lateral, os torcedores recomeçavam a gritar. Estava furioso e não conseguia me concentrar. Quase falhei várias vezes. Não sei como eles podem correr disso, eles precisam ser banidos. – disse, à época.

Jogadores ingleses sofreram racismo da própria torcida em 2021

Recentemente, membros do elenco da seleção da Inglaterra sofreram com o preconceito.

Após a derrota na final da Euro 2021, Marcus Rashford, Jadon Sancho e Bukayo Saka (apenas este está no elenco atual), que perderam pênaltis naquele jogo, sofreram com ataques racistas nas redes sociais.

No mesmo ano, a polícia local identificou que Scott McCluskey, então com 43 anos, proferiu os xingamentos via Facebook. Ele foi condenado a um mês e maio de prisão, sanção suspensa para 18 meses de supervisão das autoridades.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Nascido e criado em São Paulo, é jornalista pela Universidade Paulista (UNIP). Já passou por Yahoo!, Premier League Brasil e The Clutch, além de assessorias de imprensa. Escreve sobre futebol nacional e internacional na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo