Eurocopa 2024

A música da 2ª Guerra que gera polêmica entre ingleses e alemães na Euro: ‘Inaceitável’

Parlamentar britânico pediu que torcida evitasse provocação aos alemães utilizando o tema da Segunda Guerra Mundial

Rishi Sunak, primeiro-ministro do Reino Unido, orientou aos torcedores ingleses que não cantem mais a música “10 German Bombers” durante a Eurocopa.

O cântico faz referência direta aos combates aéreos entre britânicos e alemães durante a Segunda Guerra Mundial.

Vários vídeos de torcedores ingleses entoando a música na Veltins-Arena, em Gelsenkirchen, foram gravados e divulgados nas redes sociais.

Enquanto isso, outros foram flagrados carregando fogueiras infláveis em Düsseldorf, fazendo referências às baixas sofridas pelos alemães durante a guerra.

Gareth Southgate, técnico do time inglês, reforçou o pedido do primeiro-ministro britânico, pedindo aos torcedores que se concentrassem em apoiar a seleção do país, ao invés de provocar os anfitriões da Euro.

Jude Bellingham marcou o único gol do jogo na vitória da Inglaterra sobre a Sérvia, e um coro da icônica canção Hey Jude dos Beatles foi entoada pelos ingleses.

Primeiro-ministro e Southgate repudiam música

Sunak pediu que a torcida foque neste tipo de festa, ao lado de seus jogadores, e deixe de lado a provocação utilizando um triste período da história do mundo.

— E quando se trata dos cânticos especificamente, concordo o que Gareth Southgate disse sobre esse canto no passado, e o que queremos é representar o melhor do nosso país nesses torneios — disse Rishi Sunak.

Southgate já havia rotulado os cânticos referentes à Primeira e Segunda Guerras Mundiais como “inaceitáveis”. Em 2017, após músicas desagradáveis ​​serem cantadas em um evento na Alemanha, ele disse:

— Nós superamos aqueles tempos e deveríamos ter superado esses tempos — e completou sobre os torcedores que entoaram a música:

— Eles não nos representam como equipe, as pessoas que fazem isso, mas quero ser muito específico, porque não quero que sejam nossos torcedores como um coletivo. Estamos falando de indivíduos.

Torcida divide opiniões na internet sobre o pedido de Sunak

Na internet, os torcedores manifestaram diferentes pontos de vista sobre o canto da torcida britânica nesta primeira fase da Eurocopa.

Alguns usam como justifica o contexto histórico do canto para defender a continuação de tal música nas arquibancadas.

A primeira grande derrota de Hitler na Segunda Guerra Mundial foi a intervenção britânica pelo alto contra os alemães.

Não fosse pela força aérea inglesa, conhecida por sua força, e fatalmente o exército alemão conseguiria invadir o Reino Unido durante o conflito.

Os ingleses, em sua maioria na internet, visa evitar o assunto guerra, e critica o uso da canção “10 German Bombers” por parte do seu torcedor.

Um torcedor afirmou não entender este tipo de provocação, sugerindo que os ingleses cantem sobre seus “fantásticos jogadores, ao invés de valorizar um fato ocorrido há 80 anos”.

“Chocado que torcedores ingleses de Stoke (city) estão defendendo cantar a música “10 German Bombers”, disse outro torcedor.

Jornalista rebate pedido de primeiro-ministro britânico

Michael Deacon, colunista do The Telegraph, rebateu o pedido do primeiro-ministro britânico, em publicação divulgada nesta quinta-feira.

O jornalista afirmou que na visão dos torcedores, a música “10 German Bombers” não contém linguagem racista ou obscena, e trata de um assunto factual, quando a Royal Air Force inglesa, abateu aviões de guerra nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

Mesmo que o primeiro-ministro Rishi Sunak peça para que tal provocação não seja entoada, até para que o assunto guerra não seja mencionado na Alemanha, outros países também cantam sobre vitórias militares, citando alguns hinos nacionais de outros países.

— Se começarmos a nos opor a que os fãs de futebol cantem sobre vitórias militares históricas sobre outros países, não teremos que proibir os hinos nacionais de alguns times também? — diz o jornalista em sua coluna.

Antes de cada jogo da Escócia, por exemplo, os torcedores são convidados a se levantar para acompanhar Flower of Scotland, canção que faz referência à Guerra de Bannockburn e a vitória dos escoceses sobre os ingleses.

Outro exemplo dado pelo jornalista é o próprio hino da França. A famosa La Marseillaise foi composta em 1792, e sua letra é uma declaração de guerra contra a Áustria.

— Os torcedores austríacos ficaram ofendidos com os franceses cantando uma música sobre matar seus ancestrais, com seu refrão que diz: “Qu'un sang impur abreuve nos sillons” (“Vamos regar nossos campos com seu sangue impuro”)? E, se sentissem ofendidos, o presidente Macron não deveria dizer a seus compatriotas que parassem de ser tão assustadoramente insensíveis — questiona Deacon.

Na visão do jornalista, se os torcedores da Inglaterra não tiverem mais permissão de cantarem sobre um fato histórico do seu país, que defenderam uma invasão estrangeira, outros países também não deveriam fazê-lo.

Como a imprensa britânica reagiu ao canto “10 German Bombers”

Jornais ingleses repercutiram a utilização do canto provocativo de maneira negativa nos últimos dias. O BBC, por exemplo, demonstrou preocupação com a reação dos europeus em relação à postura do torcedor inglês.

Em publicação divulgada nesta quarta-feira, o jornal britânico entrevistou alguns torcedores que foram para a Alemanha curtir a Eurocopa presencialmente.

Assim como na internet, parte da torcida inglesa se dividiu entre apoiar o uso do cântico, e repudiar completamente tal provocação.

“É uma daquelas coisas que quando estamos tentando ser amigos dos alemães, e eles estão tentando ser bons anfitriões, isso simplesmente não dá a melhor impressão”, disse um torcedor.

Já o The Athletic foi ainda mais contundente em sua chamada dizendo que o canto 10 German Bombers poderia ser um motivo de vergonha ao povo inglês durante a disputa da Eurocopa.

O futebol é o esporte mais popular do mundo, capaz de misturar sentimentos nacionalistas entre os torcedores envolvidos na disputa da competição.

Além dos ingleses, países como Croácia e Sérvia, que um dia faziam parte da mesma nação, a Iugoslávia, também registraram provocações e insultos por conta dos conflitos ocorridos nos anos 90.

Apesar do desejo de paz por parte da Uefa, alguns acontecimentos da história não passam desapercebidos pelos mais nacionalistas.

 

 

 

Foto de Lucas de Souza

Lucas de SouzaRedator

Lucas de Souza é jornalista formado pela Universidade São Judas em São Paulo. Possui especialização em Marketing Digital pela Digital House, e passagens pelos sites Futebol na Veia e Futebol Interior.
Botão Voltar ao topo