Eurocopa

Itália iguala recorde de Vittorio Pozzo, bicampeão do mundo em 1934 e 1938, com 30 jogos de invencibilidade

Pozzo ficou 30 jogos sem perder de 1935 a 1939, com a conquista de uma medalha de ouro olímpica e uma Copa do Mundo ao longo dos jogos

A Itália vem mostrando uma consistência grande na Eurocopa, mantendo o que vem fazendo desde o início das Eliminatórias da Euro. Nesta Euro 2020, venceu seus três jogos na fase de grupos de modo convincente, jogando bom futebol e criando boas expectativas. Além disso, aumentou a série de jogos invictos neste domingo, ao vencer Gales por 1 a 0 no Estádio Olímpico de Roma: chegou a 30 jogos de invencibilidade. Com isso, igualou o recorde da seleção italiana de Vittorio Pozzo, histórico treinador que conquistou a Copa do Mundo duas vezes, em 1934 e 1938.

A marca da seleção italiana de Vittorio Pozzo foi conquistada de 1935 a 1939. Antes, conquistou a Copa do Mundo m 1934, jogando em casa. Naquele Mundial, a seleção italiana venceu os Estados Unidos por 7 a 1 nas oitavas de final (naquela época, a Copa já começava nesta fase, em jogos eliminatórios) e empatou com a Espanha por 1 a 1 nas quartas. O desempate naquela época era feito com um novo jogo, realizado no dia seguinte, e vencido pela Itália por 1 a 0. Nas semifinais, os italianos venceram a Áustria também por 1 a 0. Na decisão, em Roma, venceram a Tchecoslováquia por 2 a 1 e conquistaram o primeiro dos quatro títulos mundiais que a Itália tem atualmente.

Depois da Copa, em um amistoso realizado em novembro de 1934, a Itália enfrentou a Inglaterra no antigo estádio Highbury e perdeu por 3 a 2. Viriam então vitórias sobre a Hungria (4 a 2, em dezembro de 1934), França (2 a 1, em fevereiro de 1935) e Áustria (2 a 0, em março de 1935). Veio, então, a última derrota antes da série de jogos invictos: em uma revanche contra a Tchecoslováquia, em 27 de outubro de 1935, os tchecos venceram por 2 a 1.

O primeiro jogo que abriu a série de jogos sem perder aconteceu em 24 de novembro de 1935, com um empate por 2 a 2 com a Hungria. Foram quatro amistosos (duas vitórias e dois empates, incluindo esse com a Hungria, que iniciou a sequência) antes da próxima competição de peso que a Itália jogou: a Olimpíada de Berlim, em 1936. Mais uma vez, os italianos comandados por Pozzo mostraram sua força e venceram todos os jogos do torneio, terminando com a medalha de ouro em uma final contra a Áustria. Contamos a história daquela Itália campeão olímpica com Annibale Frossi, o artilheiro míope, neste texto da coluna Histórias Olímpicas.

Dali até a Copa de 1938, foram 10 jogos amistosos, com três empates e sete vitórias. Veio então a Copa do Mundo de 1938, na França, onde Pozzo e seus comandados defenderiam o título conquistado quatro anos antes. A campanha foi irretocável: vitória por 2 a 1 sobre a Noruega nas oitavas de final; 3 a 1 sobre a anfitriã, França, nas quartas de final; 2 a 1 sobre o Brasil na semifinal, em um jogo que inexplicavelmente o técnico brasileiro Ademar Pimenta decidiu descansar o craque Leônidas da Silva, confiante que a seleção brasileira venceria e iria à final; a seleção italiana ainda venceu a final contra a já forte Hungria por 4 a 2. Os brasileiros foram os terceiros colocados com uma vitória sobre a Suécia por 4 a 2, com dois gols de Leônidas. Ele foi o artilheiro daquela Copa, com sete gols.

Depois da Copa do Mundo, ainda vieram mais oito jogos de invencibilidade da seleção italiana, com um empate e sete vitórias, todas em amistosos, que incluíram triunfos sobre França, Alemanha e empate contra a Inglaterra. O último jogo da série, o 30º, foi contra a Finlândia, em amistoso vencido por 3 a 2 pelos italianos fora de casa, no dia 20 de julho de 1939.

A derrota aconteceu, enfim, no dia 12 de novembro de 1939. Diante da Suíça, no estádio Hardturm, em Zurique, a seleção suíça venceu por 3 a 1. O time de Pozzo ainda perderia em seguida, no dia 26 de novembro, para a Alemanha por 5 a 2, no Estádio Olímpico de Berlim. Naquele momento, a Segunda Guerra Mundial já estava em andamento, tendo sido declarada em 1º de setembro. Pozzo permaneceria no comando da seleção italiana até 1948. Durante três anos, de 1942 a 1945, não houve jogos por causa da guerra.

Mancini: “Pozzo ganhou muitos títulos, estamos muito longe desse nível”

Matteo Pessina comemora com o técnico Roberto Mancini (Imago / OneFootball)

Roberto Mancini, porém, faz questão de se distanciar de Pozzo, elogiando o lendário treinador. Antes, Mancini já tinha quebrado o recorde de nove vitórias consecutivas do treinador, chegando a 11. “Pozzo ganhou muitos troféus também, então ainda estamos muito longe desse nível. Todos que chegam às oitavas de final podem ganhar a Euro, isso com certeza”, disse o treinador. “Não poderíamos ter feito melhor, além de talvez marcar mais gols. Não foi fácil, estava extremamente quente e foi um jogo muito físico, então os rapazes foram realmente bem”, disse Mancini à RAI Sport, depois do jogo.

Um dos pontos da partida foi que a Itália mudou oito jogadores do time titular e o resultado agradou ao treinador. “É importante que a identidade do time permaneça a mesma, pois trocar três ou quatro jogadores não deve fazer nenhuma diferença. Todos eles sabem o que fazer e o produto não muda”, afirmou o técnico.

“Todos eles provam hoje que são jogadores para serem titulares. Vencer nem era necessário, o que tornou mais difícil em termos de mentalidade, mas nós lutamos para vencer de qualquer forma e isso mostra muito”.

“Todos os jogos são difíceis, não devemos achar que podemos vencer todos os jogos ou que as coisas estão garantidas”, continuou Mancini. “Nós agradecemos às pessoas de Roma pelo que eles fizeram por nós e espero que todos possam voltar a se divertir”.

A Itália vai enfrentar Áustria ou Ucrânia como adversário nas oitavas de final. Como primeira colocada do Grupo A, a seleção italiana joga no dia 26 de junho, em Wembley, e vai jogar contra o segundo colocado do Grupo C. A Holanda está garantida como primeira colocada do Grupo C e o adversário será definido nesta segunda-feira, quando o Grupo C tem sua última rodada.

Gales, que conseguiu ficar com a segunda vaga do Grupo A, vai jogar também no dia 26, mas em Amsterdã e enfrenta o segundo colocado do Grupo B, que pode ser Rússia, Finlândia ou até a Dinamarca. A Bélgica é a líder.


Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo