Eurocopa

Faltam 6 meses para a Eurocopa, e Alemanha (quem diria) tem um grave problema de violência para resolver

Tensão entre policiais e torcedores tem sido crescente na Alemanha e preocupa para organização da Euro em 2024

Com os grupos já definidos, a Eurocopa de 2024 está a seis meses de distância. A estreia está marcada para o dia 14 de junho, enquanto a grande final acontecerá no dia 14 de julho. Motivo de festa para o país-sede da competição, certo? Contudo, o cenário não é de muito alegria no futebol da Alemanha. Isso porque o país (quem diria) tem um grave problema de violência para resolver.

A crescente tensão – e confrontos – entre torcedores e policiais na Alemanha criou um clima hostil antes da Euro 2024. Antes do sorteio dos grupos da competição, realizado neste mês de dezembro, em Hamburgo, várias faixas apareceram por toda a cidade criticando o torneio da Uefa que será realizado no país. Um dos cartazes trazia uma forte mensagem:

“Também no chapéu para o sorteio de hoje: violência policial”.

O futebol alemão é conhecido mundialmente por sua cultura apaixonada dos fãs e, em geral, sem muitos problemas com as autoridades. Entretanto, o jornal britânico The Guardian fez um levantamento de casos recentes de violência envolvendo torcidas e polícia no país, provando que a relação entre os dois está longe de ser tranquila a menos de um ano para a Eurocopa.

O que está acontecendo entre os torcedores e os policiais na Alemanha antes da Euro 2024?

Muito antes da Euro 2024, no dia 25 de novembro, cerca de 200 torcedores, policiais e comissários de partida (também conhecidos como Stewards) se feriram em um caso grave de violência nos arredores do Waldstadion, do Eintracht Frankfurt. Após uma suposta discussão entre torcedores e comissários, os agentes da lei foram atacados com garrafas, barreiras metálicas e elementos pirotécnicos.

Como resposta, a polícia usou cassetetes, spray de pimenta e gás lacrimogêneo visando encerrar a confusão. Duas semanas antes, cenas parecidas foram protagonizadas antes da partida entre St Pauli x Hannover 96, pela 2. Bundesliga. A tropa de choque invadiu a área dos visitantes empunhando cassetetes para, na teoria, dar fim a uma briga entre torcedores.

Em seguida, outros policiais usaram spray de pimenta indiscriminadamente. Pelo menos 32 pessoas ficaram feriadas.  Voltando mais dois meses no tempo, – dia 3 de setembro, para ser mais exato – a polícia também disparou spray de pimenta no setor de visitantes de Frankfurt, o que deixou dezenas de torcedores do Colônia passando o 1º tempo do jogo nos banheiros tentando lavar os olhos.

A justificativa das autoridades foi que, supostamente, torcedores estavam tentando pular as catracas do estádio. Só que pessoas que não estavam envolvidas também acabaram sendo atingidas. O caso mais emblemático aconteceu na estreia da temporada do futebol da Alemanha, aumentando ainda mais a preocupação daqueles que irão ao país acompanhar a Eurocopa.

Uma munição real foi disparada por uma arma de fogo da polícia contra um ônibus de torcedores do Borussia Mönchengladbach, que estava em Ausburg. O veículo estava vazio naquele momento. A polícia alega que o tiro foi dado acidentalmente durante o jogo enquanto os policiais “borrifavam água uns nos outros devido às altas temperaturas”. Ninguém se feriu, mas o episódio fez torcedores e políticos locais se perguntarem por que a unidade especializada USK da Bavária foi designada para um local de baixo risco.

E de quem é a culpa?

Depende para quem você pergunta na Alemanha. O presidente do Sindicato da Polícia do país, Jochen Kopelke, responsabiliza os torcedores, argumentando que, meses antes da Euro 2024, percebeu que “alguns torcedores têm alterado seu comportamento na presença dos policiais, rejeitando o diálogo e partindo para a violência:

“Instruções simples não são seguidas, levando a ataques violentos à polícia. A violência é aterrorizante e não deve ser banalizada”, disse Kopelke ao The Guardian.

Já Dario Minden, da Aliança Nacional de Torcedores Unsere Kurve, reconhece que deve sempre “assumir a responsabilidade e não negar que existe potencial para violência entre alguns grupos de fãs problemáticos”. Apesar disso, ele reforça que a questão não é tão simples assim e que as autoridades também são parte do problema:

“É um problema com vários lados para o qual não existem soluções simples. Infelizmente, muitas vezes você sente como torcedor que a polícia é parte do problema, e não da solução”, declarou Minden.

René Lau, advogado de Berlim especializado na defesa de torcedores de futebol, acredita que a polícia está exibindo sua força antes do início da Eurocopa na Alemanha. Como justificativa, ele relembrou o que aconteceu antes da Copa do Mundo de 2006, que foi realizada no país, e a mudança de comportamento das autoridades nos últimos meses:

“Em vez de permanecer praticamente fora do estádio, como costumavam fazer, a polícia está cada vez mais se posicionando com equipamento antimotim completo, na parte de fora dos blocos junto dos torcedores. A mesma coisa aconteceu antes da Copa do Mundo de 2006 (na Alemanha). É uma demonstração de força como se dissesse: ‘estamos aqui, não mexa com a gente'”, falou Lau.

O chefe do Sindicato de Polícia Alemã insiste que a corporação não vê “nenhum problema” em sua implementação “justificada”, criticado os torcedores por não estarem abertos à conversa. “Os ultras preferem se comunicar por meio de banners e cânticos difamatórios”.

Entretanto, o advogado joga a responsabilidade para as autoridades: “Torcedores são torcedores e clubes são clubes. A polícia, com seu monopólio do uso da força, é a única que tem a possibilidade de desescalar (os episódios de violência)”. Essa é a expectativa para a Eurocopa de 2024, que ainda promete dar muito o que falar até a bola rolar dentro de campo.

Foto de Matheus Cristianini

Matheus Cristianini

Formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Unesp, é apaixonado por esportes, acima de tudo o futebol. Por mais redundante que seja, ama escrever sobre o que é apaixonado, ficando de olho em tudo o que acontece dentro e fora de campo. Após passar por Antenados no Futebol, Bolavip Brasil, Minha Torcida e Esportelândia, se juntou à equipe da Trivela com muita vontade de continuar crescendo.
Botão Voltar ao topo