Espanha

Laporta aumenta tensão com Koeman, e quem perde é o Barcelona

Presidente não alivia a pressão sobre o técnico e deixa claro que situação de Koeman é frágil. Mas quem ganha com isso?

A fragilidade de Ronald Koeman como treinador do Barcelona fica mais evidente a cada dia, em uma guerra aberta entre o técnico e o presidente do clube, Joan Laporta. Em entrevista, o presidente colocou mais lenha na fogueira, algo que o técnico também faz no sentido contrário. Com isso, a situação no clube fica pior a cada dia e parece mais improvável que Koeman termine a temporada como treinador.

LEIA MAIS:
O rompimento de uma era no Camp Nou se promete muito mais duro ao Barcelona do que a Messi
Barcelona teve prejuízo de € 481 milhões na temporada 2020/21
Barcelona tem dívida de € 1,35 bilhão e folha salarial de 103% das receitas, segundo Laporta

“Somos os responsáveis por governar o clube, temos mais informação na hora de tomar decisões e temos que ponderar tudo muito mais. Para nós, não é um problema tomar decisões de qualquer tipo e se temos que tomá-las em um momento determinado, vamos tomar, seja do tipo econômica, esportiva ou social”, disse Laporta em entrevista ao programa “El Chiringuito”.

“Os treinadores, não apenas Koeman, estão muito condicionados pelos resultados e, no caso do Barcelona, pelo jogo”

Joan Laporta

Koeman, claro, é um assunto muito falado. Diante dos rumores, foi perguntado se o técnico está ameaçado de demissão. “Estamos com o treinador, é o treinador do time principal do Barcelona e o que queremos é que as coisas vão bem. Os treinadores, não apenas Koeman, estão muito condicionados pelos resultados e, no caso do Barcelona, pelo jogo. Mas Koeman é o nosso treinador e estamos hoje com ele”.

“Estamos em um momento difícil e acredito que devemos ter muita serenidade e esperar um bom resultado contra o Cádiz, porque é o que interessa, essas situações se superam com resultados. Seguiremos adiante e lutando”, afirmou o dirigente, sem diminuir nem um pouco a fervura.

“Soubemos de última hora que ele queria fazer este comunicado e ele tem obrigação de comparecer à coletiva de imprensa e responder ou se manifestar como considere melhor. Respeitamos a decisão do treinador, mas soubemos disso pouco antes, nós e os capitães”.

A questão não é mais se o trabalho de Koeman é bom ou não – e não é, aliás. Koeman faz um trabalho bastante questionável e é questionável inclusive o fato de Laporta ter mantido o técnico, quando ele mesmo não parecia acreditar que ele era a melhor opção. Contudo, a escolha foi mantê-lo e estamos no segundo mês da temporada. Agora, sabemos que o Barcelona não quer mandar Koeman embora porque tem uma multa de € 12 milhões. Um dinheiro que, sabemos, os blaugranas não podem – e não deveriam – gastar.

O técnico também não se ajuda. Disse, em entrevista recente, que Lionel Messi escondia os problemas do Barcelona. Só que ele é o técnico e ele é o responsável por resolver esses problemas em campo. O time segue rendendo mal e as palavras do técnico só parecem piorar isso. Ainda mais quando ele aparece em uma coletiva de imprensa para ler um comunicado e não aceita perguntas.

Para o bem do clube, seria bom que todas as partes envolvidas, do técnico ao presidente, sentassem em uma mesa e resolvessem suas diferenças. Demitir Koeman é uma decisão estúpida para quem decidiu mantê-lo em junho. Koeman não faz um bom trabalho, mas seria bom que as partes tentassem recuperar o que aconteceu na temporada passada, quando o time chegou a liderar boa parte da temporada passada, mas perdeu rendimento e ficou longe do título de La Liga. Talvez o melhor fosse dar as melhores condições possíveis, tentar administrar da melhor forma e, ao final da temporada, trocar o técnico e recomeçar. Porém, não é isso que deve acontecer.

A sensação que dá é que tanto Koeman quanto Laporta estão esticando a corda até onde podem, de forma que o outro lado não aguente mais e rompa. Parece uma disputa e, no meio disso, o time em campo fica em segundo plano. Não parece a melhor saída.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo