Brasil

São Paulo faz reuniões internas para investigar motivos de tantas lesões no elenco

Thiago Carpini levou para entrevista coletiva lista com 11 jogadores que são desfalques por problemas médicos

Minutos após salvar seu emprego com a vitória por 2 a 0 sobre o Cobresal, na última quarta-feira (10), Thiago Carpini subiu o tom de suas respostas na entrevista coletiva. O treinador chegou à sala de imprensa do MorumBIS pronto para defender seu trabalho e rebater críticas a cada pergunta. Tanto, que ele levou até mesmo uma “colinha” com estatísticas da partida e uma longa lista de desfalques enumerada pelo técnico.

— Nós estamos com Luiz Gustavo no DM, Lucas, Rafinha, Rato, Ferreira, Negrucci… Vou falar devagar, se não vocês vão se perder. Rodriguinho, Patryck, Moreira, Iba, Young e Nestor que voltou hoje. De 12 atletas no meu grupo. Como a gente vai ter continuidade? Como a gente vai ter jogada combinada? Como a gente vai ter o melhor do São Paulo com essa dificuldade? É muito difícil — disse Carpini, em um discurso proferido de forma industrial, quase sem respirar.

Com o retorno de Rodrigo Nestor após 158 dias em recuperação de uma cirurgia no joelho esquerdo, o treinador tem hoje 11 atletas fora de combate, no departamento médico. As (muitas) lesões são listadas recorrentemente pelo técnico como fator que atrapalha o andamento de seu trabalho e viraram motivo de uma investigação interna.

A lista de desfalques do São Paulo

  • Nikão (tendinite de Aquiles bilateral);
  • Patryck (lesão muscular);
  • Moreira (lesão muscular);
  • Luiz Gustavo (lesão no tendão de Aquiles da perna direita);
  • Lucas Moura (lesão muscular na coxa esquerda);
  • Rafinha (fratura na fíbula esquerda);
  • Wellington Rato (sindesmose no tornozelo esquerdo);
  • Ferreira (lesão muscular);
  • Negrucci (lesão muscular);
  • Rodriguinho (lesão não informada);
  • Iba Ly (lesão não informada);
  • Young (lesão não informada).

Carpini revelou na entrevista coletiva que o São Paulo já fez duas reuniões com integrantes do DM e com os responsáveis pela preparação física para tentar entender os motivos para tantos problemas médicos. O treinador cobrou publicamente mudanças para reduzir o número de lesões na temporada.

— Daqui a pouco a gente vai dizer que o trabalho que tem causado as lesões, mas esse problema é recorrente há anos no São Paulo. Tivemos reuniões internas ontem, antes de ontem e teremos outra amanhã, porque algo precisa ser feito. Precisamos dividir essa responsabilidade para que não aconteça nada nos 90 minutos — disse Carpini.

Carpini nega que metodologia seja causa para lesões

Em uma entrevista coletiva em que se mostrou na defensiva durante quase todas as perguntas, Carpini tratou de negar que a sua metodologia de trabalhos tenha influenciado para um aumento de lesões. Além de dizer que os problemas médicos têm sido recorrentes no São Paulo há ao menos quatro temporadas, o treinador ainda lembrou que os profissionais das partes de fisiologia e preparação física da comissão permanente do clube são os mesmos de outros anos.

— Não é a carga de trabalho, porque os profissionais, fisiologistas, preparadores físicos, são os mesmos. Talvez, quando alteramos alguns estímulos, requer alguma adaptação. A responsabilidade é minha, mas precisamos dividir nesses casos. Muitos desses aqui não foram muscular: Moreira há tempo já vem com essa lesão, Luiz Gustavo já vinha com uma situação no tendão, Nestor já vinha de uma cirurgia, Rato e Rafinha foram lesões de fratura. Negrucci machucou na base. Então, se você fizer um balanço, não foram tantas lesões musculares – justificou o treinador.

Carpini tem apenas 25 atletas para a estreia no Brasileirão

São tantos desfalques no elenco, que o técnico Thiago Carpini afirmou que conta apenas com 25 atletas à disposição para a estreia no Campeonato Brasileiro. O São Paulo enfrenta o Fortaleza neste sábado (13), às 21h (horário de Brasília), no MorumBIS, pela primeira rodada do Brasileirão (onde assistir). A tendência é de que o treinador preserve alguns jogadores mais desgastados na partida na hora de definir a escalação titular. São os casos de Calleri e James Rodríguez, por exemplo.

Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Eduardo Deconto nasceu em Porto Alegre (RS) e se formou em Jornalismo na PUCRS. Antes de escrever para a Trivela, passou por ge.globo e RBS TV.
Botão Voltar ao topo