Brasil

Negativas e mercado com poucas opções travam busca do São Paulo por novo técnico

Após recusas de Vojvoda e Caixinha, São Paulo ainda tenta unanimidade para definir substituto de Dorival

O São Paulo se despediu oficialmente de Dorival Júnior no último domingo (7), quando o técnico comandou o último treino pelo clube antes de assumir a seleção brasileira. Antes mesmo disso, quando o treinador era apenas o nome favorito da CBF, a diretoria já fazia movimentos em busca de alternativas de substitutos para a sua saída iminente. Até agora, porém, o Tricolor enfrenta dificuldades em um mercado de opções escassas e profissionais valorizados.

Prova disso é que o São Paulo ouviu negativas de seus dois alvos prioritários até agora. O plano A era Juan Pablo Vojvoda, do Fortaleza. A diretoria entrou em contato com o treinador e recebeu um “não” de imediato. O argentino repetiu a resposta que deu a outros clubes que tentaram tirá-lo do Leão do Pici e reforçou o compromisso de seguir no comando da equipe.

Depois, o Tricolor sondou a situação de Pedro Caixinha, técnico do Red Bull Bragantino. A resposta foi semelhante. A diretoria são-paulina ouviu de imediato que o técnico não pretende deixar o Massa Bruta. O português confia no projeto a longo prazo no clube e além disso tem uma multa rescisória alta a ser paga em caso de saída. Com a negativa, o Tricolor sequer avançou em contatos com o Bragantino.

Vojvoda viu uma torcida furiosa com um Fortaleza que não vence há oito jogos
Vojvoda disse não ao São Paulo – Foto: Icon Sport

São Paulo ainda busca unanimidade

Desde então, o clube passou a fazer consultas e conversar com outros profissionais no mercado em um busca de um nome de consenso. É o caso de António Oliveira, hoje técnico do Cuiabá. Conforme apuração da Trivela, o clube sinalizou com uma oferta sobre valores ao treinador, e o profissional deve fazer uma contraproposta. Um impeditivo na negociação é a multa rescisória de R$ 5 milhões para tirá-lo do Cuiabá. Esta parte só entrará em discussão em caso de acerto anterior com o treinador.

Mesmo com o avanço, o técnico português não é exatamente uma unanimidade no clube. Prova disso é que Thiago Carpini, hoje no Juventude, também foi sondado pelo Tricolor, numa espécie de entrevista para o cargo. O São Paulo busca um técnico que se encaixe no perfil pretendido.

Opções escassas e valores dificultam investida

Por ora, o São Paulo esbarra em um mercado inflacionado e com opções escassas à disposição. O São Paulo sequer avançou em negociações por Vojvoda ou Caixinha. Mas os valores das multas rescisórias já seriam entraves de qualquer forma – e o mesmo vale para António Oliveira. O Tricolor tem, ao menos, um trunfo na questão financeira. A CBF pagará a multa rescisória por ter tirado Dorival do clube, na casa dos R$ 2 milhões. Esse valor será utilizado para buscar o novo comandante.

Presidente descarta Muricy

Assim que a saída de Dorival Júnior foi anunciada, o nome de Muricy Ramalho logo despontou como um dos mais lembrados pela torcida para assumir o cargo. Multicampeão como técnico pelo clube, o ídolo hoje ocupa o cargo de coordenador técnico. O presidente Julio Casares usou suas redes sociais para descartar de imediato esta possibilidade e garantir que o profissional permanece no Tricolor até o fim de sua gestão.

– (O Muricy) é nosso amigo. Um grande profissional e pessoa de minha extrema confiança. Ficará conosco até o final da gestão. Trabalha muito. Temos um acordo que nunca assumiria a posição de técnico. Um grande coordenador que por 3 vezes foi convidado pela CBF e decidiu ficar no São Paulo. De contrato renovado e com muita vontade, segue com firmeza. Nossa diretoria mantém a palavra empenhada. Hoje é mais um dia de intensa atividade. Seguimos – escreveu Casares.

Dorival ainda dá as cartas na pré-temporada

O apesar das dificuldades no mercado, o São Paulo não está exatamente sem comando. Enquanto o Tricolor não define quem será o novo técnico para a sequência de 2024, os auxiliares Lucas Silvestre e Pedro Sotero serão os responsáveis por comandar as atividades com o elenco.

A dupla da comissão pessoal de Dorival permanece no ambiente do clube até a definição de quem será o substituto do técnico no cargo. Assim que o São Paulo anunciar seu novo treinador, eles deixam o clube e passam a trabalhar a serviço da CBF na Seleção.

O dedo do técnico na preparação do São Paulo para 2024 vai muito além disso. Dorival foi o responsável por tocar todo o planejamento do clube para este ano. Ele tomou as decisões sobre a montagem do elenco, seja na hora de definir as (muitas) saídas ou de buscar os três reforços anunciados até agora. O treinador se despediu do grupo e do clube após o treino do último domingo(7).

Lucas Silvestre comandará o São Paulo até definição de novo técnico (Rubens Chiri/saopaulofc.net)

A saída de Dorival para assumir a Seleção

O treinador de 61 anos era o principal alvo da entidade máxima do futebol brasileiro desde que Ednaldo Rodrigues reassumiu a presidência da CBF, após decisão do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele ouviu os primeiros contatos do mandatário nos últimos dias e já demonstrava interesse em ser o sucessor do interino Fernando Diniz, demitido na semana passada.

– É a realização de um sonho pessoal, que só foi possível porque tive o reconhecimento do trabalho desenvolvido no São Paulo. Por isso tenho de agradecer por ter feito parte desse importante período de reconstrução, liderado com competência pela presidência e pela diretoria. Com o investimento na infraestrutura e o planejamento dos últimos anos, o Clube está preparado para receber os mais qualificados profissionais do mercado. Agradeço também à torcida por todo o carinho e apoio – disse o treinador, em nota oficial publicada pelo Tricolor.

O reconhecimento do bom trabalho realizado por Dorival ao longo da última temporada não foi por acaso. Em 2023, quando assumiu o São Paulo, o treinador mudou o clima do vestiário, que era terra arrasada após a saída de Rogério Ceni. O presidente do São Paulo, Julio Casares, atribuiu ao treinador grande importância na remontada que culminou com o troféu da Copa do Brasil.

– O convite feito ao Dorival é mais uma prova de que estamos no caminho certo. Em 2021, a CBF já havia chamado Muricy Ramalho, que seguirá no São Paulo até o fim da minha gestão. Agora, foi a vez do Dorival, que tinha uma proposta de reajuste e ampliação do contrato com o São Paulo também até o fim da minha gestão, em 2026, com todas as garantias para uma estabilidade. Resta desejar boa sorte em seu novo desafio – afirmou Casares.

Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Eduardo Deconto nasceu em Porto Alegre (RS) e se formou em Jornalismo na PUCRS. Antes de escrever para a Trivela, passou por ge.globo e RBS TV.
Botão Voltar ao topo