Brasil

São Paulo fecha 2023 com déficit, mesmo com recordes no Morumbi e mais de R$ 120 milhões em premiações

Clube registra R$ 97 milhões no negativo até setembro, conforme relatório financeiro do terceiro trimestre

Só o título da Copa do Brasil rendeu quase R$ 90 milhões em premiações. As bilheterias de um Morumbi quase sempre lotado injetaram mais R$ 111 milhões em receitas brutas. E mesmo assim, o São Paulo caminha para fechar 2023 com as contas no vermelho. A previsão do clube é de que uma temporada histórica dentro de campo encerrar com déficit em suas finanças.

O rombo, aliás, deve ser grande. Por mais que haja algumas receitas a receber até o fim do ano, o clube um resultado contábil de R$ 97 milhões no negativo até o mês de setembro. O valor é quase o dobro do previsto para o período, que era de R$ 50 milhões negativos, conforme números do relatório financeiro do terceiro trimestre, divulgado pelo portal ge.globo.

Entre todas as fontes de receitas, o São Paulo ficou abaixo do projetado em duas delas. O clube previa receber R$ 43 milhões de patrocínios e realizou apenas R$ 32 milhões. Mas o grande rombo no orçamento está nos valores previstos com vendas de jogadores. O clube esperava faturar R$ 89 milhões em setembro e recebeu apenas R$ 39 milhões – menos da metade do previsto. Algo que, aliás, já era esperado. E o presidente Julio Casares tem uma justificativa para isso.

Presidente justifica déficit

A justificativa da diretoria para um rombo tão grande no orçamento tem a ver com a estratégia adotada pelo clube para conquistar a Copa do Brasil. O São Paulo atendeu um pedido do técnico Dorival Júnior e se fechou para vendas de seus principais jogadores nesta temporada. Foi uma aposta ousada que deu certo. O título inédito está aí para provar, e o clube entende que pode “sangrar” mais agora para conseguir colher frutos maiores no futuro.

Casares fala em “legado esportivo” e tem boa dose de razão nisso. Lucas Beraldo nos ajuda a explicar. Ao longo do ano, o clube recusou propostas mais baixas pelo zagueiro, de olho na valorização. Na última semana, a oferta pelo jovem foi de 18 milhões de euros (R$ 95 milhões), apresentada pelo Zenit. E o São Paulo voltou a recusar, com a certeza de que pode receber ao menos 20 milhões de euros pelo defensor.

– Agora nós podemos chegar no final do ano com déficit. Em agosto a gente tinha oferta por três ou quatro jogadores. Naquele momento tivemos a tranquilidade de não os vender e para tentar ganhar a Copa do Brasil, como ganhamos. Trouxemos o legado esportivo e valorizamos os atletas. Dirigente tem que ter sangue frio. Então sabemos que se por um acaso tenhamos um déficit esse ano, sabemos que os atletas que valiam cinco ou seis milhões (de euros) vão valer 18 milhões, que é oficial, já existe, mas sabemos que pode aumentar, e aumentar bastante – afirmou o presidente Julio Casares após a a sua reeleição, na última sexta-feira (8).

Clube fatura mais do que o dobro previsto com bilheterias

Em 2023, o São Paulo colocou mais de 1,5 milhão de torcedores no Morumbi. Com tanta gente assim frequentando o estádio a cada partida, o São Paulo também alcançou números expressivos de bilheteria em 2023. Os valores, claro, foram impulsionados pelos R$ 24.520.800 arrecadados com venda de ingressos para a final da Copa do Brasil – a maior renda de bilheteria da história do Morumbi e a segunda maior do país.

Ao todo, o São Paulo faturou R$ 111.879.289,5 em 36 jogos como mandante no ano (contabilizando também os dois jogos “em casa” fora do Morumbi). O valor é mais do que o dobro do que o clube pretendia faturar com bilheterias em seu planejamento orçamentário para 2023. O clube projetou receber R$ 54 milhões com venda de ingressos ao longo do ano.

Faturamento do São Paulo com bilheteria em 2023

  • 36 jogos*
  • R$ 111.879.289,5 de renda
  • Média de R$ 3.107.765,92 por partida
    *Contabilizando também os dois jogos fora do Morumbi
São Paulo colocou mais de 1,5 milhão de torcedores no Morumbi em 2023 (Rubens Chiri/saopaulofc.net)

Bilheterias ajudam a atenuar déficit

O orçamento do clube para todo o 2023 previa R$ 142 milhões em receitas com negociações de atletas em 2023. O São Paulo realizou apenas um valor próximo a R$ 44 milhões. A venda mais alta foi a do garoto Newerton. Mesmo sem sequer estrear pelo clube, o atacante foi vendido ao Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, por R$ 16,1 milhões. Outros atletas negociados foram Patrick, ao Atlético-MG, por R$ 6 milhões, e Léo, ao Vasco, por R$ 16 milhões. O clube também receberá valores por mecanismo de solidariedade nas negociações envolvendo Luiz Araújo, Brenner e Lyanco.

As bilheterias ajudam a reduzir o rombo. Mas o que salvou o ano foram as receitas com premiações em 2023. Especialmente, na Copa do Brasil. A equipe acabou abaixo do esperado no Paulistão, na Sul-Americana e no Brasileirão. Mas os valores recebidos com o título já são suficientes para o clube superar o esperado para premiações em seu planejamento orçamentário.

Orçamento do São Paulo para 2023

Fonte de receita Valor previsto Valor alcançado
Venda de atletas R$ 142 milhões R$ 44 milhões*
Bilheteria R$ 54 milhões R$ 111,8 milhões
Premiação no Paulista R$ 1,65 milhão R$ 450 mil
Premiação na Sul-Americana R$ 24,7 milhões R$ 12,41 milhões
Premiação no Brasileirão R$ 33,7 milhões R$ 26,3 milhões
Premiação na Copa do Brasil R$ 9,7 milhões R$ 88,7 milhões
Valores totais R$ 265,75 milhões R$ 283,66 milhões

 

O Tricolor estipulava receber R$ 69,75 milhões em premiações. E fechará o ano com um valor aproximado de 127,86 milhões por seu desempenho esportivo no ano – . R$ 58,11 milhões a mais do que o projetado. Todas esses valores ajudam o São Paulo a respirar neste fim de temporada de direitos de imagem atrasados com alguns jogadores. E eles compensam também a ausência de vendas, especialmente no caso de Beraldo.

O São Paulo tem expectativa de que a venda de Beraldo possa ser a salvação das finanças – e tem bom motivos para esperar isso. Além do Zenit, O zagueiro está na mira do Liverpool, da Inglaterra. O clube inglês sinaliza a possibilidade de pagar 20 milhões de libras (aproximadamente R$ 120 milhões) pelo garoto. O valor é o dobro do que o Wolverhampton sinalizou ao clube no meio do ano. Os Wolves cogitaram uma proposta de 10 milhões de libras (R$ 63,3 milhões) pelo defensor – valores bem abaixo do que o Tricolor pretende receber. O Leicester é outro time interessado.

Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Eduardo Deconto nasceu em Porto Alegre (RS) e se formou em Jornalismo na PUCRS. Antes de escrever para a Trivela, passou por ge.globo e RBS TV.
Botão Voltar ao topo