Brasil

Além do heroico gol de empate, Rubens pede passagem no Atlético-MG há meses – e Felipão ignora

Mais do que o gol contra o América, Rubens pede passagem no Atlético há meses, só Felipão que não via

Autor do gol heroico aos 50 minutos que empatou o jogo para o Atlético-MG contra o América-MG no sábado (24), Rubens vem pedindo passagem no time há meses, seja na lateral ou no meio de campo. No entanto, sempre pareceu ser segunda ou até terceira opção para Felipão, que preferia outros jogadores ao cria atleticano. O gol no clássico é só um “detalhe” na ótima fase do jovem.

Rubens atua bem pelo Atlético que subiu ao profissional e passou a jogar com mais frequência em 2022. Seja com Turco Mohamed, Cuca, Coudet ou Felipão, o jogador sempre se saiu bem. E isso independe da posição. Meia de origem, ele ganhou mais chances como lateral-esquerdo, principalmente após a grave lesão de Arana, e deu conta do recado.

Tabela mostra que Rubens sequer foi utilizado por um longo tempo e, quando virou titular, não durou muito, mesmo jogando bem (Reprodução/oGol)

Desde que Arana retornou, Rubens perdeu espaço no time titular. Natural, mas nem tanto. Demorou meses até que o óbvio acontecesse: testar o jovem na sua posição de origem, como meia. Na base, o jogador era uma espécie de camisa 10 e 8 ao mesmo tempo, enquanto no profissional foi mais utilizado como ala esquerdo.

Enfim, independente de não ser exatamente sua função de origem, Rubens se saiu muito bem quando ganhou a tão esperada chance de ser titular. A dobradinha com Arana melhorou significativamente o time, mas durou apenas cinco jogos. Mesmo depois de ele ter ajudado o time a melhorar, foi sacado para a entrada de Edenilson (que foi muito bem na época) e, desde então, atuou pouco.

Por mais que Edenilson tenha entrado muito bem em 2023, a saída de Rubens nunca fez muito sentido porque ele não atuou mal para justificar ser sacado, pelo contrário, foi muito bem e ajudou o time.

Rubens mais escanteado em 2024?

Nesta temporada, o torcedor, que sempre nutriu enorme carinho pelo cria da base atleticana, esperava ver mais de Rubens em campo. Mas não foi o que aconteceu. Felipão utilizou Scarpa, Igor Gomes e Patrick por mais vezes na esquerda do que o jogador, que jogou um minuto na estreia, 16 no segundo jogo, nenhum no terceiro, novamente um no quarto e mais uma vez nenhum no quinto.

Mas nos últimos dois jogos, com o time jogando mal e a torcida sempre pedindo por Rubens, Felipão colocou e ele fez a diferença. Contra o Itabirito, foi preterido por Patrick, que entrou antes ainda no intervalo, mas conseguiu 10 minutos em campo quando Arana sentiu e precisou sair. Com pouco tempo, achou uma jogada e deu assistência para Hulk marcar.

Agora, no clássico, mesmo com a torcida gritando pelo nome dele, Felipão relutou em colocá-lo, mas assim fez aos 27 da etapa final. No último lance, ele acreditou na falha do goleiro e estava lá para conferir e marcar o gol de empate.

– Eu acho que é fruto de um trabalho. Não é à toa que eles (torcida) me gritam assim. Eu fico feliz por poder ter esse carinho deles. Acho que eu tento fazer da melhor maneira possível para isso acontecer — afirmou Rubens na saída do campo.

Rubens também revelou que, durante a semana, havia conversado com Felipão, e assim espera “ter mais um pouco de minutagem” no time. O treinador, por sua vez, ao ser questionado porque o autor do gol atleticano não tinha mais minutos, respondeu de forma curta e grossa: “Porque ele tem mostrado nos treinamentos que é um bom jogador, mas para determinadas situações”.

Felipão ganhou fama no Atlético por não oportunizar a base. Com ele, mesmo os “mais experientes”, como Rubens, precisam fazer algo extraordinário para conseguirem uma chance. Foi assim, por exemplo, com Alisson, que precisou da saída de Pavón para finalmente jogar e, em apenas dois jogos, mostrar que pode ser titular. Resta saber se Rubens, agora com um gol e uma assistência em dois jogos, também vai poder jogar mais, seja no meio ou até na lateral, já que Arana não está tendo um bom início de ano e abre brecha na posição.

Mais que gols ou assistências

Os números de Rubens pelo Atlético, principalmente os defensivos, são impressionantes. Em determinado momento de 2023, ele chegou a ser o maior ladrão de bolas do futebol brasileiro. No Galo, ele ainda lidera o quesito. Fora os altíssimos números de bolas recuperadas, duelos ganhos e ações defensivas.

O gol e a assistência podem ter chamado ainda mais atenção para Rubens nos últimos dois jogos, mas ele é, sem dúvida, um jogador que contribui muito para o time sem precisar de participações em gols, como mostram os números acima. Mesmo assim, Felipão deu mais minutos a Patrick, que ainda não entregou nada de positivo ao time, em 2024.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo