Brasil

Richarlison pode acabar com sina da Seleção na mesma Londres onde voltou a sorrir

De volta à Seleção, Richarlison deve ser o titular de Dorival Júnior para dar fim à longa seca dos centroavantes

Foi com o habitual sorriso no rosto que Richarlison chegou ao hotel em Saint Albans, a noroeste de Londres, para se apresentar à seleção brasileira. Não chega a ser uma cena inédita. Bem longe disso para um centroavante conhecido também por sua irreverência e simpatia. Mas diz muito sobre o novo momento vivido pelo camisa 9 da Seleção.

Na mesma Londres em que voltou a sorrir pelo Tottenham após um 2023 marcado por lesões e problemas pessoais, Richarlison retorna à Seleção com a missão de encerrar a seca dos centroavantes que vestiram verde e amarelo no ano passado. No Estádio de Wembley, ele estará em casa neste sábado (23), às 16h (horário de Brasília), quando o Brasil enfrenta a Inglaterra no amistoso que marca a estreia de Dorival Júnior. Depois, a seleção brasileira enfrenta a Espanha no Santiago Bernabéu, no dia 26.

Mas o sorriso tão habitual deu lugar a um semblante mais sério durante a entrevista coletiva concedida pelo atacante na última terça-feira (19). Richarlison deu uma amostra de entender bem o peso e a responsabilidade de vestir a camisa 9 da Seleção. De peito aberto, o atacante fez um corajoso apelo pela saúde mental.

“A gente sabe o preconceito que tem de quando a pessoa fala que está procurando ajuda. Eu tinha esse preconceito. Graças a deus, não tenho mais. Eu falo para as pessoas para procurar mesmo, porque ajuda. Como jogador da seleção. Eu posso falar, porque salvou minha vida. DE uma hora para a outra. Eu já estava no fundo do poço. É muito importante a Seleção ter um psicólogo para ajudar os atletas. Só nós sabemos a pressão que sofremos” (Richarlison).

Um apelo assim tão consciente e verdadeiro é uma amostra de que o jogador deixou para trás o que foi um 2023 turbulento para sua carreira – e para a sua vida. Ausente da última convocação de Fernando Diniz, Richarlison volta para dar o último passo em sua recuperação de tudo o que aconteceu no ano passado. Pelo clube, aliás, esta recuperação já está sacramentada. O atacante marcou 11 gols em 26 jogos nesta temporada. Quase quatro vezes mais do que os três gols que marcou pelos Spurs em 2022/23 – quando disputou 35 jogos. Um Pombo que voltou a sorrir depois de tanto que teve de superar em um 2023 traumático.

A seca dos centroavantes da Seleção em 2023

  • Richarlison – 6 jogos, 382 minutos
  • Gabriel Jesus – 5 jogos, 239 minutos
  • Rony – 3 jogos, 99 minutos
  • Matheus Cunha – 3 jogos, 37 minutos
  • Pedro – 2 jogos, 40 minutos
  • Endrick – 2 jogos, 26 minutos
  • João Pedro – 1 jogo, 63 minutos
  • Vitor Roque – 1 jogo, 25 minutos
  • Yuri Alberto – 1 jogo, 5 minutos

Recuperado de lesão, Richarlison é esperança para encerrar seca

Richarlison, verdade seja dita, retorna à Seleção com certa dúvida sobre a sua condição física para iniciar a partida contra a Inglaterra. O centroavante acaba de se recuperar de uma lesão no joelho que o tirou dos gramados por um mês. Ele voltou a atuar na derrota do Tottenham para o Fulham, no último fim de semana. Mas o momento atual é muito diferente de tudo o que ele viveu em 2023.

Enquanto distribuía sorrisos, abraços e selfies sempre que a legião de fãs se aglomerava em busca de um registro com o ídolo, Richarlison sofria com alguns problemas dentro e fora de campo. O jogador atuou durante quase todo o ano passado com dores no púbis. Ele teve de passar por uma cirurgia no local. A primeira vez que ele esteve 100% fisicamente desde a Copa do Mundo de 2022, em que ele marcou três gols pela Seleção, foi em dezembro de 2023.

Além da questão física, Richarlison também cuida de sua saúde mental. O camisa 9 expôs problemas pessoais e disse que buscaria ajuda psicológica no dia 12 de setembro, logo após a vitória por 1 a 0 do Brasil sobre o Peru, em Lima. O atacante vivia à época um momento conturbado em campo e também na vida: faltavam gols e sobravam incômodos longe dos gramados, dentro de sua própria casa.

O atacante buscou ajuda, como havia prometido, e passou a ter maior cuidado com sua saúde mental. O jogador faz desde então sessões de psicoterapia – algo que ele mantém até hoje em sua rotina. A Trivela ouviu de pessoas próximas ao atleta que o pior momento foi logo no início do ano e já passou.

O atacante sentiu muito a eliminação da Seleção para a Croácia na Copa do Mundo de 2022, especialmente por não ter marcado gols nos momentos decisivos do Mundial. Mas o período conturbado vem desde antes do Mundial. No ano passado, Richarlison havia cortado relações com Renato Velasco, empresário que o acompanhava e agenciava desde o início da carreira.

Hoje, pessoas próximas garantem que o jogador já está em situação bem mais tranquila. As dificuldades fora de campo começaram a ser superadas. Com o tratamento, claro. Mas também com o abraço e o carinho de amigos, familiares e colegas de Seleção e o clube.

Richarlison foi o último centroavante a marcar pela Seleção… Na Copa de 2022 (Foto: Icon Sport)

Nove camisas 9 e nenhum gol marcado em 2023

Provável titular de Dorival Júnior, Richarlison carrega boa parte da responsabilidade pela seca de gols dos centroavantes da Seleção. O Pombo, aliás, pode ser considerado o maior emblema deste incômodo jejum. Ele, aliás, é o autor do último gol do Brasil marcado por um centroavante – contra a Coreia do Sul, na Copa do Mundo de 2022.

Richarlison começou o ciclo para o próximo Mundial como camisa 9 titular, mas acabou perdendo não apenas a titularidade, como também espaço na lista de convocados. Foi assim na última convocação de Fernando Diniz, em que ele próprio admitiu que não se convocaria. Hoje, claro, o cenário é bem diferente.

Mas o que não muda e é até emblemático é que exatos nove camisas nove entraram em campo pela Seleção em 2023, e nenhum deles tenha conseguido balançar as redes. A maioria deles atuou apenas por alguns minutos. Rony, Pedro, Vitor Roque e Yuri Alberto marcaram presença nos amistosos do início do ano – só o primeiro deles atuou mais de 90 minutos. Mas o maior peso da seca de gols recai sobre Richarlison (especialmente) e Gabriel Jesus, os atletas que mais atuaram na posição desde a Copa de 2022..

Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Eduardo Deconto nasceu em Porto Alegre (RS) e se formou em Jornalismo na PUCRS. Antes de escrever para a Trivela, passou por ge.globo e RBS TV.
Botão Voltar ao topo