Brasil

Apesar do empate com o Cruzeiro, Milito dá esperanças ao torcedor do Atlético-MG

Independente do resultado final, o primeiro jogo do Atlético sob o comando de Gabriel Milito foi positivo e dá esperança para o futuro

O Atlético-MG saiu da Arena MRV mais uma vez sem vencer o Cruzeiro. Dessa vez, sofrendo um doloroso empate nos acréscimos. No entanto, apesar do resultado, o Galo e o seu torcedor tem muito a celebrar pelo que foi feito em campo após pouco tempo de trabalho do recém-chegado Gabriel Milito.

Depois de uma primeira fase de Mineiro muito ruim e umas semifinais do mesmo jeito com Felipão, o Atlético optou por trocar de treinador. O escolhido foi o argentino Gabriel Milito, com ideias de jogo completamente diferentes das de Scolari, e que teve apenas cinco dias para tentar implementá-las no time.

Sem tempo hábil para mudar toda a filosofia de jogo, Milito, Atlético e a torcida puderam sair esperançosos da Arena MRV pelo que viram em campo (principalmente no primeiro tempo), mesmo com o empate sofrido no fim.

Se analisarmos o resultado, nos deixa animicamente sentidos, mas do lado futebolístico, tenho algumas (boas) sensações — Gabriel Milito

Um primeiro tempo de tirar o fôlego — literalmente

Com cinco dias de treinos apenas, dá para cravar que ninguém esperava que Milito já conseguisse tirar tanto do time do Atlético. Imaginava-se, sim, um jogo diferente, com um pouco mais de intensidade e tentativa de protagonismo. Mas, o que se viu no primeiro, foi o puro suco dos times de Milito.

O Atlético teve uma intensidade que não era vista desde a época de Sampaoli (2020). O time pressionava o Cruzeiro e não deixava o adversário respirar – ou, como o treinador gosta de dizer, não deixou que ficassem “cômodos” em campo.

Além disso, as trocas de passes encantaram o torcedor, principalmente pelo lado esquerdo, com Arana, Zaracho e Paulinho. O trio criou para desafogar o time – inclusive, o segundo gol atleticano saiu de uma triangulação, que acabou não chegando em Paulinho, mas sim em Hulk.

O torcedor do Atlético queria ver um time com gana e brigando por todas as bolas, e foi o que teve, pelo menos na maior parte do confronto na Arena MRV. Um Galo que vai em busca do gol, independente do placar, é o que se espera com Milito, e, mesmo com pouco tempo de trabalho, isso já foi visto.

— Deu para tirar muitas conclusões do jogo, tanto positiva quanto negativa. Eles vão se adaptando pouco a pouco. Treinamos apenas cinco dias. É muito pouco. Mas o primeiro tempo foi único e me deixa tranquilo, pois tivemos qualidade e tranquilidade para jogar — afirmou Milito

Estou contente, não com o resultado, mas com o que vi no primeiro tempo. Esse é o time que vamos ter, te garanto — Milito

O primeiro tempo do Atlético foi tão intenso e fora do comum que, claramente, os jogadores sentiram fisicamente na etapa final. Ao fim do jogo, o elenco estava cansado, e isso foi um dos fatores que resultou no doloroso empate.

Apagar o segundo tempo e repetir o primeiro

Como o futebol tem dois tempos e o Atlético encantou em apenas um, o time acabou saindo de campo com um doloroso empate. O segundo tempo foi ruim — mas ainda melhor do que se via com Felipão, por exemplo —, deixando mais espaços para o Cruzeiro e sem conseguir controlar o jogo. Para Milito, o problema foi o primeiro gol celeste, principalmente pela forma que aconteceu, marcado contra, por Jemerson.

O treinador argentino quer que o primeiro tempo seja a toada de sua passagem pelo clube. “(Precisamos) Sustentar o primeiro tempo, e creio que podemos fazer isso. E quando sofrermos, temos que ter personalidade para passar pelos momentos complicados no jogo”.

Queremos construir algo bom, e tem muito mais a ver com o que fizemos no primeiro tempo — Milito

“O Gabi tem ideias muito boas”

Quem concorda com o que foi dito por Gabriel Milito é o Hulk. O jogador elogiou o estilo do treinador e as suas ideias, e lamentou os problemas na etapa final.

Esperança precisa estar acompanhada da paciência

Uma mudança profunda não vai acontecer do dia para a noite, é claro. É preciso paciência, já que ainda há muito o que construir. O treinador sabe disso, e garante que o time vai evoluir física, tática e mentalmente conforme ele tiver mais tempo para trabalhar.

Se Milito conseguir fazer com que o time jogue os 90 minutos como entrou em campo no clássico, conquistará o apoio da torcida e, muito provavelmente, vai alcançar os resultados esperados. O papel do torcedor agora é ser paciente e dar tempo para o novo treinador encaixar seu estilo com perfeição.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo