Brasil

Com média de um gol por jogo, Diego Costa tem início promissor no Grêmio

Após três jogos no Campeonato Gaúcho, Diego Costa já soma três gols pelo Grêmio

Após a saída de Luis Suárez para o Inter Miami, havia grande expectativa quanto a quem seria o substituto do uruguaio no Grêmio, onde ele teve um 2023 marcante. O torcedor gremista, em especial, esperava um nome de impacto. Pelo currículo, Diego Costa, contratado após tentativas frustradas da direção por outros jogadores, até poderia se encaixar pelo currículo. Mas o momento da carreira não recomendava sua contratação para ter a responsabilidade de ser a única reposição ao Pistoleiro.

Contudo, apesar da natural desconfiança, o início de Diego Costa no Grêmio é promissor. Depois de três semanas de treinamento, pedido do próprio jogador para se condicionar fisicamente, ele estreou marcando gol de falta na goleada sobre o Guarany, na última rodada da fase classificatória do Campeonato Gaúcho, e voltou a balançar as redes nas vitórias sobre Brasil de Pelotas, nas quartas de final, e Caxias, no jogo de ida da semifinal. Ou seja: foram três gols em três partidas — média de um por confronto.

Na vitória mais recente, contra o Caxias, no Centenário, no último sábado (16), Diego Costa construiu a jogada de seu próprio gol. Após devolver de peito para Gustavo Nunes, a bola sobrou para o centroavante, que driblou Marcelo, invadiu a grande área e recebeu tranco nas costas do lateral grená. Na cobrança do pênalti, o camisa 19 deslocou Fabian Volpi para ampliar para 2 a 0 a vantagem gremista — depois, os donos da casa descontaram.

Renato elogia Diego Costa, e diz que ele ainda não está 100% fisicamente

— O Diego foi contratado para fazer gol. Quando ele chegou eu falei: ‘é um jogador que vai nos ajudar bastante'. E ele ainda não está 100%. Ninguém joga tantos anos na Europa se não tem condições. Ele veio, está fazendo o que a gente pede para ele, que é fazer gols. Segundo tempo dele foi muito bom. E ele vem fazendo o que a gente precisa: três jogos, três gols, o que é fundamental — elogiou o técnico Renato Portaluppi, que teve participação importante na vinda do centroavante, na entrevista coletiva após a partida em Caxias do Sul.

Justamente por ainda não estar no ápice da condição física, Diego Costa foi substituído nos três jogos em que atuou. Diante do Caxias, o contestado João Pedro Galvão entrou em seu lugar, aos 35 minutos do segundo tempo, no pesado gramado do Centenário, castigado pela chuva que caiu antes do jogo na Serra Gaúcha.

— O Diego vinha de um bom período parado. Ele fez uma mini pré-temporada quando ele chegou no Grêmio. Mas você sozinho fazer uma mini pré-temporada não é a mesma coisa de estar com o grupo. Venho conversando com ele nos treinamentos, às vezes tiro ele. Durante os jogos venho conversando com ele do jeito que eu conversava com o Suárez também. Porque o que a gente não quer é que o Diego se machuque. Nós tínhamos aquela vantagem de 2 a 0, não tinha necessidade de deixar ele em campo. Até porque a perna começou a pesar, e o campo estava dificultando um pouco. Achei melhor tirá-lo, poupá-lo para a próxima partida — explicou Renato.

Com intervalo de 10 dias para o jogo da volta da semifinal do Gauchão, que será na próxima terça-feira (26), às 21h, na Arena do Grêmio, Diego Costa terá tempo para aprimorar ainda mais a parte física e estar na ponta dos cascos. Manter a expressiva média de gols não será fácil, mas a torcida gremista espera que isso aconteça.

Diego Costa no Grêmio

  • 3 jogos
  • 3 gols
  • Média de um gol por jogo
  • Média de 79 minutos para fazer um gol
Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho e formado em Jornalismo pela PUC-RS, já passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. É, também, coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo