Brasil

Diego Costa no Grêmio faz sentido apenas como vírgula, não como ponto final

Depois de rodar o mundo atrás de substituto para Luis Suárez, Grêmio contratou Diego Costa, que já estava no Brasil e livre no mercado

Depois de rodar o mundo atrás de um centroavante de ‘impacto’ para repor a saída de Luis Suárez para o Inter Miami, o Grêmio anunciou na noite de quinta-feira (8) a contratação de Diego Costa, que estava livre no mercado após deixar o Botafogo. Se a avaliação levar em conta apenas o currículo, o novo reforço tem credenciais para substituir, se não à altura, ao menos parcialmente o uruguaio. O problema é o momento vivido pelo atacante brasileiro, naturalizado espanhol.

Indiscutivelmente, Diego Costa foi um grande centroavante no futebol europeu. Fez história no Atlético de Madrid, por quem foi campeão duas La Liga, uma Copa do Rei e uma Liga Europa, e no Chelsea, onde conquistou duas Premier League e uma Copa da Liga Inglesa. O desempenho o levou a ser presença constante na Seleção Espanhola, entre 2014 e 2018.

Porém, o rendimento de Diego Costa decaiu consideravelmente desde o término de sua última passagem pelo Atlético de Madrid e a vinda para o futebol brasileiro. Em 2021, no Atlético-MG, o centroavante até teve alguns bons momentos, e ergueu as taças do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil. Mas depois de fracassar no Wolverhampton, em que marcou apenas um gol em 25 jogos, em 2023 foi reserva de Tiquinho Soares em um Botafogo que, de maneira inacreditável, perdeu o título do Brasileirão após ter larga vantagem na liderança.

Grêmio aposta na capacidade de gestor de Renato para lidar com o temperamento de Diego Costa

Além disso, relatos de problemas no vestiário, fruto do temperamento difícil de Diego Costa, marcaram as últimas passagens do centroavante. Recentemente, voltou a viralizar um vídeo em que ele se porta com deboche durante discursco motivacional pré-jogo de Cristiano Nunes, preparador físico do Atlético-MG, em 2021.

Nesta questão comportamental, o Grêmio aposta na capacidade do técnico Renato Gaúcho como gestor. Mas, dentro de campo, é difícil esperar grande rendimento de Diego Costa com a camiseta tricolor depois do que foram os últimos anos de sua carreira.

Diego Costa pode ser ‘tapa-buraco’ enquanto Grêmio busca outro centroavante

A contratação de Diego Costa fará sentido somente se servir como um ‘tapa-buraco’ enquanto o Grêmio segue sua busca para trazer um centroavante mais confiável, que garanta gols, na metade do ano. Afinal, desde dezembro, a direção gremista tentou diversos nomes estrangeiros, como Funes Mori e Aboubakar, e esperou a janela de transferências do futebol europeu fechar, no final de janeiro, para no final contratar um jogador que estava livre no mercado durante todo esse tempo.

Essa teoria de que o Grêmio ainda contratará outro centroavante nesta temporada cresce a partir do fato de que o contestado João Pedro Galvão tem contrato com o clube somente até o final de junho e, pelo andar da carruagem, não deve ter o vínculo ampliado. Além dele, o Tricolor Gaúcho conta para a posição com o jovem André Henrique, que tem pedido passagem e faz por merecer mais oportunidades.

Carreira de Diego Costa

  • 563 jogos
  • 202 gols
  • Clubes: Panafiel, Braga, Celta de Vigo, Albacete, Valladolid, Atlético de Madrid, Rayo Vallecano, Chelsea, Atlético Mineiro, Wolverhampton e Botafogo
  • Títulos: Supercopa Europeia (3x), La Liga (2x), Premier League (2x), Liga Europa, Copa do Rei, Copa da Liga Inglesa, Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil

 

 

 

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho, formado em jornalismo pela PUC-RS e especializado em análise de desempenho e mercado pelo Futebol Interativo. Antes da Trivela, passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. Também é coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo