Copa do Brasil

‘O principal responsável sou eu’: Milito lamenta Atlético-MG dominado e elogia o Sport

Atlético foi dominado pelo Sport e teve a piora atuação sob o comando de Milito, que elogiou o rival e assumiu a responsabilidade

O Atlético-MG foi completamente dominado pelo Sport nesta terça-feira (22), em jogo válido pela Copa do Brasil. Por sorte, o adversário só venceu por 1 a 0, e o Galo avançou, já que levou a melhor na ida por 2 a 0. O técnico Gabriel Milito assumiu toda a responsabilidade pelo desempenho do time, que foi o pior desde que chegou ao clube.

O Atlético teve um primeiro péssimo. Foi muito mal no ataque e, principalmente, na defesa. Os espaços no sistema defensivo chamaram muita atenção e, por sorte, o Sport não aproveitou todas as chances que teve. Na etapa final, nada muito diferente, com o Rubro-Negro levando a melhor na maioria dos lances.

— Eles jogaram uma grande partida e tenho que parabenizá-los. Hoje não pudemos impor o nosso jogo, como muitas vezes fazemos. Saímos vitoriosos pela somatória dos jogos, mas, sinceramente, hoje o rival nos superou com clareza — afirmou Milito.

Foi a primeira vez com Gabriel Milito que o Atlético não teve o controle do jogo. Mesmo no último jogo, quando saiu derrotado pelo Peñarol, pela Libertadores, o Galo teve o domínio das ações do jogo. Mas, dessa vez, no Recife, o controle esteve o tempo todo na mão do Sport. Diante desse cenário, Milito assumiu a responsabilidade pela partida ruim do Alvinegro.

Eu levanto a mão e digo que o principal responsável sou eu. Os jogadores, depois analisaremos o comportamento e veremos a responsabilidade deles. Quando ganhamos, a responsabilidade também é de todos, mas primeiro dos jogadores. Mas, quando se perde e não joga como sinto que podemos, é minha responsabilidade — Gabriel Milito.

Milito rasga elogios ao Sport

Gabriel Milito afirmou que não se surpreendeu com a forma que o Sport jogou. O jogo complicado já era esperado, mas, o controle de jogo por parte do adversário não era. Diante do cenário do jogo, o técnico argentino afirmou que o Galo poderia, sim, ter sofrido mais gols e acabar eliminado.

— O rival teve valentia, critério para atacar, intensidade, muito desejo para reverter a eliminatória. Tranquilamente poderiam ter marcado dois gols ou mais e podíamos ter sido eliminados ou ido aos pênaltis. Essa é a realidade — destacou Milito.

No entanto, o técnico argentino relembrou que, na primeira partida, foi o Atlético quem dominou o jogo e poderia ter construído uma goleada: “Da mesma maneira que o resultado em casa foi curto, hoje também foi. Nos 180 minutos, em casa, o domínio foi claro nosso, e hoje tudo ao contrário. Por isso falo que o melhor de hoje foi ter se classificado, pois tranquilamente poderíamos ter sofrido mais gols”, afirmou.

Milito afirmou que o Sport, apesar de um time de Série B, é muito bom, e que será, facilmente, um dos candidatos a subir para a Série A. O Rubro-Negro, no momento, é o terceiro colocado da segundona, atrás de Goiás e Santos.

Derrota e atuação péssima tem que servir de aprendizado

A derrota no Recife vai fazer Milito e o Atlético refletirem muito, principalmente diante do desempenho do time. Ser dominado com tanta clareza pelo adversário não estava no roteiro atleticano, e isso será revisto e analisado para servir de aprendizado.

— Eu não gosto que dominem o meu time, igual aconteceu hoje. Temos que, com calma e paciência, ver o que poderíamos ter feito mais e melhor, pelo menos para fazer um jogo mais parelho. Hoje não controlamos com bola e não jogamos bem sem — destacou Milito.

Gabriel Milito pegou um time que anulou todas as valências do Atlético dele e venceu na bola parada, que foi o Peñarol, e agora um time que conseguiu dominar o time dele jogando futebol. São dois cenários diferentes que acabaram em derrotas e devem servir como um grande aprendizado ao treinador e ao elenco atleticano.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Jornalista pela PUC-MG, passou por Esporte News Mundo e Hoje em Dia, antes de chegar a Trivela. Cobriu Copa do Mundo e está na cobertura do Atlético-MG desde 2020.
Botão Voltar ao topo