Brasileirão Série A

Seabra precisa de vitória para recuperar boa impressão e prestígio no Cruzeiro

Apesar de seguir bem na classificação do Brasileirão, treinador tem sido pressionado por parte da torcida

O Cruzeiro entra em campo na tarde deste domingo (7), às 16h, para enfrentar o Corinthians, em jogo válido pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro. A partida será disputada no Mineirão e tem um personagem central: o treinador Fernando Seabra

Após um bom início como treinador da Raposa, que conseguiu boa sequência de resultados, responsáveis por manter o time celeste na parte de cima da tabela, Fernando Seabra passa pelos maiores momentos de pressão desde então. 

Hoje, o Cruzeiro é o oitavo colocado, com 13 pontos em 20 jogos. Uma vitória pode fazer a Raposa terminar a rodada no G6, com um jogo a menos que parte dos seus adversários. 

É bem verdade que desde sua chegada, Seabra tem gerado desconfiança em uma parcela de torcedores celestes. Isso acontece porque muitos entendem que se trata de um nome inexperiente para liderar o projeto do Cruzeiro. 

Desde que foi comprado pelo empresário Pedro Lourenço, o Pedrinho BH, o clube mineiro tem aumentado consideravelmente os investimentos no mercado e contratado jogadores de peso para o restante da temporada. 

Assim, parte dos cruzeirenses teme que Fernando Seabra, que vive sua primeira experiência como treinador de um time profissional, não consiga extrair o máximo de um grupo mais qualificado.

Outro fator que pesa contra o treinador é que ele foi uma escolha da gestão de Ronaldo Nazário, antes da venda do clube. Seabra não foi escolhido pela diretoria atual. Querendo ou não, Pedrinho BH e Alexandre Mattos não tiveram participação na escolha do técnico.

Pressão aumentou após derrota do Cruzeiro para o Criciúma

O Cruzeiro caiu diante do Criciúma pelo Brasileirão 2024Foto: Gazeta Press
O Cruzeiro caiu diante do Criciúma pelo Brasileirão 2024. Foto: Gazeta Press

Fernando Seabra já tinha alguns críticos, que foram aumentando seu tom a cada derrota do clube. Inicialmente, as reclamações eram mais tímidas, pelo fato do Cruzeiro ter tido Marlon expulso contra São Paulo e Bahia, e pelo bom jogo feito contra o forte Flamengo.

Além disso, o time conseguiu se recuperar após as duas primeiras derrotas citadas. Os jogos seguintes foram no Mineirão, que tem sido uma fortaleza celeste, e terminaram com triunfos azuis.

Mas se em casa joga bem, fora o Cruzeiro não tem conseguido vencer, o que se tornou um problema pois o time celeste enfrentou Flamengo e Criciúma, ambos fora de casa, em sequência.

E se perdeu do Flamengo jogando bem, contra os catarinenses o saldo foi o mesmo, uma derrota, mas com um desempenho muito ruim. A partir daí as críticas aumentaram bastante, principalmente porque Seabra teve escolhas questionáveis pela partida.

Além de escolher o limitado Helibelton Palacios para a vaga do lateral-direito titular William, suspenso, ainda que o colombiano tivesse apenas um jogo no ano, o primeiro da temporada, o treinador manteve a formação com três volantes, tendo Ramiro e Lucas Silva, ambos criticadíssimos no time titular. 

A demora em algumas substituições também incomodou, assim como as poucas oportunidades a promessas da base, como Japa, Jhosefer e Arthur Viana, este último tendo entrado já no apagar das luzes. 

Relacionados geraram novos questionamentos

E as críticas não pararam por aí. Seabra foi muito questionado pela escolha dos relacionados para a partida contra o Corinthians.

Titular contra o Criciúma, Palacios nem apareceu na lista. Já Wesley Gasolina, preterido no último jogo, seguiu.

O treinador também abriu mão dos promissores Japa e Jhosefer, o primeiro deles uma ausência muito sentida, vide o que já mostrou pelo Cruzeiro.

O atacante Rafael Bilu, que não joga há mais de um ano, foi mais um a marcar presença na lista.

Seabra segue respaldado por diretoria

Alexandre Mattos, CEO de Futebol do Cruzeiro. Foto: Gazeta Press
Alexandre Mattos, CEO de Futebol do Cruzeiro. Foto: Gazeta Press

Apesar das críticas, Fernando Seabra tem sido mais questionado pelos torcedores do que pela diretoria celeste. A todo momento, Pedrinho BH e Alexandre Mattos buscam respaldar o treinador.

Eles entendem que o Cruzeiro tem rendido bem para o elenco enfraquecido que possui e que após a inscrição dos reforços, a equipe entregará mais.

Mattos chegou a falar sobre a avaliação da diretoria acerca do trabalho de Seabra.

— Eu acho que a avaliação é no dia a dia, em todos os sentidos, os treinamentos, as palestras, as preleções, o jogo, o vestiário, a avaliação normal como qualquer outro treinador. É um treinador que já estava aqui dentro e já tem uma identificação aqui dentro muito forte com os profissionais, com o elenco. Pedrinho fez questão de dar um telefonema para ele quando comprou a SAF.

O trabalho dele, a avaliação interna é que ele vem desempenhando um trabalho muito bom e os jogos mostram por si. Domingo, por exemplo, infelizmente perdemos o jogo, não é o que a gente queria, mas foi um bom jogo.

O Cruzeiro buscou jogar, enfim, eu acho que o tempo e o trabalho diário mostram para a gente, para o Pedro Junior, que está aqui todo dia, como a gente vai analisando. Nesse momento é satisfatório e vamos seguir em frente — afirmou Mattos, em coletiva realizada na última terça-feira (2), antes da derrota para o Criciúma, que ocorreu no dia seguinte.

Após o resultado negativo contra o Tigre, jogadores foram cobrados pela diretoria. As críticas vindas de cima foram mais concentradas no elenco que no treinador.

Por esses motivos, a partida contra o Corinthians é tão importante. Se vencer, Seabra mantém o time celeste na parte de cima da tabela e ganha mais tempo até que os reforços entrem em campo.

Se tropeçar, fica ainda mais pressionado, especialmente se o time não corresponder em campo. O jogo de hoje dará a tônica dos próximos dias do treinador.

E ele já sinaliza mudanças na escalação, que vão a encontro do que o torcedor espera. Villalba é mais cotado que Neris para a vaga de João Marcelo, suspenso, e Barreal deve voltar ao time, deixando a equipe mais ofensiva, já que Ramiro ou Lucas Silva devem ser sacados.

Foto de Maic Costa

Maic CostaSetorista

Maic Costa é mineiro, formado em Jornalismo na UFOP, em 2019. Passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas, antes de se tornar setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo