Brasileirão Série A

Só a vitória salva (de novo): Carpini chega em risco a mais um jogo pelo São Paulo

São Paulo estreia no Brasileirão contra o Fortaleza com técnico mais uma vez obrigado a vencer

Thiago Carpini chegou à partida contra o Cobresal, na última quarta-feira (12), sob a obrigação de conduzir o São Paulo a uma vitória para salvar o seu emprego. Deu certo. O Tricolor venceu o Cobresal por 2 a 0 no MorumBIS pela Libertadores, e o técnico se manteve no cargo. Mas a pressão sobre o seu trabalho e a insatisfação de boa parte da torcida com o desempenho da equipe seguiram os mesmos — se é que não aumentaram.

Prova disso é que três dias depois de um resultado tão necessário e urgente, Carpini volta a comandar o São Paulo em uma situação muito semelhante. Ao treinador, apenas a vitória interessa no duelo com o Fortaleza, neste sábado (13), às 21h (horário de Brasília), novamente no MorumBIS, mas na estreia das duas equipes no Campeonato Brasileiro. Caso contrário, são boas as chances de que a diretoria decida por sua saída do cargo, após pouco mais de quatro meses.

Conforme apurado pela Trivela logo após a vitória sobre o Cobresal, Carpini ganhou sobrevida no comando da equipe e foi bancado pela diretoria — ao menos até este sábado. A decisão estará sob análise e pode ser mudada a partir do resultado e do desempenho diante do Fortaleza.

Esta, aliás, será a tônica do trabalho do treinador nos próximos jogos: cada partida pode muito bem ser também a última de do técnico à beira do campo. O técnico viverá por um bom tempo na berlinda e sob a obrigação de vencer (e convencer) para se salvar no cargo.

Respaldo do elenco pesa para a permanência

Thiago Carpini se manteve no cargo com a vitória sobre o Cobresal. Mas a verdade é que os jogadores já faziam questão da sua permanência mesmo antes da partida. O respaldo do elenco ao técnico pesou e muito para que a diretoria evitasse tomar uma decisão sobre a saída do treinador neste momento. E o próprio comandante reconheceu isso logo na primeira pergunta da coletiva da última quarta-feira (10).

— Eu me sinto respaldado. Se não, não estaria aqui. Vivo meu dia a dia. Vejo quem me dá respaldo, que é a diretoria e meu grupo, principalmente. Foi a melhor semana de trabalho nossa. O tamanho do compromisso desses caras, a grandeza de entender o momento delicado que o São Paulo vive.  Em relação a isso, estou muito tranquilo e seguro. Eu sei o trabalho que está sendo feito essa semana. Entendo a chateação do torcedor, mas prefiro valorizar o apoio durante o tempo todo. A carga emocional para esse jogo era muito grande — disse o treinador.

Os jogadores, aliás, fizeram questão de tornar público este respaldo, muito além das conversas dos líderes do elenco com a diretoria nos bastidores do clube. Após a vitória sobre o Cobresal, os atletas se uniram no mesmo discurso de que estão “fechados” com Carpini, querem sua permanência e confiam na metodologia de trabalho para fazer a equipe evoluir. Tanto, que até mesmo James Rodríguez, um jogador de poucas palavras nos microfones, saiu em defesa do treinador.

— A gente fez um grande jogo. O jogo era para acabar 4 a 0, 4 a 1 na primeira parte, que a gente errou gols. Eu acho que a gente fez um grande jogo. Quando você está em um time grande, sempre tem muita pressão de querer ganhar sempre. Mas está com ele (Carpini), a gente está fechado com ele. Ele trabalha bem. É jovem, mas a gente está fechado com ele — disse James após a vitória sobre o Cobresal.

Carpini entre o respaldo e a obrigação de vencer

A satisfação do torcedor transparece nas redes sociais e também no MorumBIS — vaias e cobranças ao técnico ecoaram das arquibancadas na última quarta-feira. Nos bastidores, alguns dirigentes e interlocutores políticos aumentam a pressão sobre o presidente Julio Casares para fazer mudanças no cargo. Mas do CT da Barra Funda para dentro, o clima ainda é de foco total em mais uma partida que vale a permanência do treinador.

Mesmo com toda a turbulência atual, o técnico segue respaldado pela diretoria de futebol. Agora, precisa corresponder ao novo voto de confiança com mais uma vitória que lhe permitirá poder desenvolver seu trabalho de olho nas principais disputas da temporada — a Libertadores, o Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil.

A avaliação interna é de que a equipe mostrou pontos positivos e que os desfalques atrapalharam bastante o rendimento e a adaptação às ideias e estilo de jogo de Carpini neste início de temporada. Por outro lado, há o entendimento de que mesmo com tudo isso, a equipe deveria estar jogando mais.

Foto de Eduardo Deconto

Eduardo Deconto

Eduardo Deconto nasceu em Porto Alegre (RS) e se formou em Jornalismo na PUCRS. Antes de escrever para a Trivela, passou por ge.globo e RBS TV.
Botão Voltar ao topo