Brasileirão Série A

Ineficiência e desatenção em jogos fáceis voltam a assombrar o Atlético-MG

Por não conseguir matar o jogo e desatenção na defesa, o Atlético perdeu pontos importantes em um jogo considerado fácil, assim como em 2023

Franco-favorito para vencer uma partida e jogando em casa. Isso pode parecer o mundo ideal para qualquer time, mas, para o Atlético-MG, tem dado só dor de cabeça no Campeonato Brasileiro. Após tropeços inesperados como mandante em 2023, o Galo voltou a sofrer do mesmo já no primeiro jogo em casa em 2024. Mas a final, de quem é a culpa?

O Atlético apenas empatou com o Criciúma nesta quarta-feira (17), na estreia do time na Arena MRV no Campeonato Brasileiro. Diferente dos jogos em 2023, o Galo foi bem dominante e teve um controle quase que total do jogo, mas não conseguiu chegar ao segundo gol e ainda foi punido com o empate após desatenção na defesa.

Essa é uma situação que o Atlético enfrentou muitas vezes em 2023, seja com Coudet ou com Felipão. Com o argentino, no último jogo dele no comando do time, contra o Red Bull Bragantino, o Galo enfileirou chances perdidas e acabou só empatando. Com Scolari, os meios eram diferentes, mas os fins iguais.

O Atlético de Felipão era um time que dificilmente dominava seus adversários, sejam os considerados mais fortes ou mais fracos. Os resultados com, no máximo, um gol de diferença, foram a tona do Galo do experiente treinador e, em algumas vezes, acabava punido por isso. Como, por exemplo, na primeira derrota atleticana na Arena MRV, quando o time saiu na frente e levou a virada do então lanterna e pior defesa Coritiba, depois de não ter se imposto de forma nenhuma no jogo. O mesmo (ou pelo menos um empate), quase aconteceu contra Cuiabá e Goiás.

Mesmo a caminhada tendo sido completamente diferente, o resultado final acaba sendo o mesmo: uma não vitória do Atlético em casa contra uma equipe fraca. Com Felipão, não havia esperança, pois o time não entregava e nem empolgava de forma alguma. Já com Milito, a história é outra, pois o time domina, empolga e cria para mais, só não mata o jogo.

De quem a culpa dos resultados inesperados do Atlético em casa?

O questionamento, nesses casos, é em cima do resultado: por que o Galo, independente da forma que joga, tem dificuldades contra times inferiores? Com Felipão, a resposta era, relativamente, simples. Se o time dele não fazia questão de propor jogo e era muito mais reativo, quando encarava times que não o atacavam (como os considerados inferiores), ele “não sabia o que fazer” e tinha dificuldades de criação, pecando assim na tentativa de chegar na vitória.

Mas, com Milito, a história é diferente. O time propõe jogo, gosta de jogar, de criar, e teve chances, mas não conseguiu concluir em um novo gol e ainda teve uma desatenção defensiva que resultou no empate adversário. Após o jogo desta quarta, o atacante Hulk tentou explicar o que aconteceu para o Galo não sair vencedor.

— No primeiro tempo, controlamos o jogo, fizemos o que queríamos, aceleramos quando tinha que acelerar e fizemos 1 a 0. No segundo tempo, voltamos, e é uma coisa que não pode acontecer, a qual é achar que o jogo vai ficar fácil. Não tem jogo fácil. Infelizmente a gente desacelerou e ficou com uma posse de bola muito passiva. A gente é um time ativo e não reativo. Temos que jogar, criar e buscar, não pode acontecer o que aconteceu hoje — afirmou o camisa 7.

O mesmo Hulk, após os resultados inesperados de 2023, já havia comentado sobre o elenco do Atlético ter a sensação de que poderia decidir o jogo a qualquer momento por ser um adversário, teoricamente, fácil, e voltou a falar sobre agora: “O que aconteceu foi que, em alguns momentos, a gente achou que poderíamos fazer o segundo gol a qualquer momento, mas temos que reconhecer que tem um adversário do lado oposto, que vem preparado e fechado, para achar uma bola e para conseguir um empate ou uma vitória”.

Como esse tipo de situação aconteceu com Coudet, Felipão e agora com Milito, fica a sensação de que o problema não é o treinador, mas sim quem está em campo. Não dominante, como com Scolari, ou senhor do jogo, como com o argentino, o resultado final foi o mesmo, e, em ambos os casos, o discurso de um líder como Hulk, também foi bem parecido, o que reforçam essa teoria. Relembre a fala do atacante em 2023:

Milito sabe o que precisa fazer

A falta de letalidade do Atlético incomodou Milito no jogo desta quarta, principalmente pelo resultado final, longe do esperado. Apesar do estilo dele ter feito o time dominar a partida e não ter sido ele a desperdiçar as chances, o treinador sabe que é preciso matar os jogos, e vai trabalhar que isso seja feito.

— Com 1 a 0, nos faltou materializar as situações de gol, pois o controle do jogo já tínhamos. Isso é algo que teremos que melhorar para ganhar as partidas. Tivemos domínio, circulamos bem a bola. Estou contente com rendimento, mas não com o resultado e também por não matarmos a partida. Não serve que dominemos o jogo e não ganhar. Temos que dominar e ganhar. Se ganha com o domínio, mas também com os gols — afirmou Milito.

Resultado que pode fazer a diferença no fim do Brasileiro

O Atlético é um dos candidatos ao título do Brasileirão e sabe que precisa somar todos os pontos possíveis em casa, principalmente contra equipes consideradas inferiores. Não vencer um jogo como esse contra o Criciúma, por mais que seja na segunda rodada, pode afetar o resultado no fim do campeonato, como aconteceu em 2023, que as não vitórias contra Bragantino, Coritiba, Cruzeiro e América-MG, por exemplo, fizeram falta no final.

Esses jogos fazem diferença no final, como foi no ano passado. Se tivéssemos ganhado um jogo contra aquelas equipes teoricamente mais fáceis, teríamos sido campeões. Então, não podemos dar esse mole, não pode facilitar. O Brasileiro se define em detalhes, e esse é um deles. Jogar em casa, nesses jogos teoricamente fáceis, ganhando de 1 a 0, tem que acelerar para fazer o segundo. Não podemos tirar o pé do acelerador, se não acontece o que aconteceu — Hulk

Apesar do alerta de Hulk e do caso recente em 2023, ainda é, obviamente, muito cedo para falar que esse empate vai afetar um possível título do Atlético no fim do ano. Em 2021, por exemplo, o Galo perdeu a primeira partida em casa, para o Fortaleza, e não venceu nenhum dos dois jogos contra a lanterna Chapecoense, mas ainda assim terminou campeão Brasileiro com folgas.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo