Brasileirão Série A

Fla-Flu retoma desequilíbrio de 2019 com o mesmo protagonista de crise

Flamengo de Tite vive momento de lua de mel, na liderança do Brasileirão, enquanto o lanterna Fluminense vê Fernando Diniz balançar no cargo

Flamengo e Fluminense têm sido a maior rivalidade de todo o país nos últimos cinco anos. Mas quando subir ao gramado do Maracanã neste domingo (23), às 16h (de Brasília), a dupla Fla-Flu retoma um desequilíbrio que não é visto desde 2019.

O clássico pelo Campeonato Brasileiro ainda traz o mesmo protagonista de crise deste último duelo de opostos. Em 2019 e em 2024, Fernando Diniz chega ao Fla-Flu pressionado por um momento ruim no seu trabalho.

Enquanto o técnico do Tricolor vive dias de tormenta na lanterna do Brasileirão, Tite encara uma rara fase de calmaria. O treinador colocou o Rubro-Negro na liderança da competição, e seu time não perde há oito jogos.

Por que Diniz repete 2019 e está pressionado no Fluminense

Parece absurdo imaginar que o treinador que levou o Fluminense a dois títulos internacionais inéditos nos últimos oito meses corra risco de demissão. Mas o 2024 do Tricolor joga contra Fernando Diniz.

O Flu só venceu um de 15 confrontos contra times da Série A na temporada. E a vitória foi sobre o Vasco, o único clube que ostenta números piores que o Tricolor no ano.

Fluminense de Fernando Diniz tem péssimos números em 2024 - Foto: Icon sport
Diniz vive momento complicadíssimo pelo Fluminense (Foto: Icon sport)

Nem mesmo o título da Recopa Sul-Americana, em fevereiro, e a classificação antecipada na Libertadores foram capazes de dar alívio ao técnico. O time vai mal, justo na máxima que Diniz fez os tricolores entenderem: por vezes consegue o resultado, mas raramente mostra desempenho.

A performance abaixo do esperado fez o Tricolor derrapar e perder até os resultados. Na lanterna do Brasileirão, a equipe precisa dar uma resposta rápida. A demora pode derrubar Diniz.

Com Tite, Flamengo lembra o de 2019

Líder do Campeonato Brasileiro, o Flamengo também vai repetindo o desempenho de 2019, mas, ao contrário do rival, o momento é excelente.

Com apenas três derrotas no ano, Tite e companhia vêm fazendo valer a força do elenco nas últimas partidas, já que não conta com cinco titulares, entregues à Copa América. O empate contra o Athletico e a vitória sobre o Bahia são prova disso.

Isso não significa que o Flamengo não tenha vivido pressão. Entre o fim de abril e o início de março, o clube acumulou todas as derrotas de 2024, e a torcida pediu a cabeça de Tite.

Respaldado pela diretoria, o treinador conseguiu reverter a situação para se manter no comando e, agora, colhe os frutos dessa união com o elenco rubro-negro.

Mesmo desfalcado, o clube da Gávea entra como favorito nesse Fla-Flu, ainda mais pelo que está em jogo. Vale a manutenção da liderança do Campeonato Brasileiro e, quem sabe, o aumento de uma gordura sonhada até pelo mais pessimista dos torcedores.

Duelo de extremos?

O duelo de extremos é clichê, de certa forma, mas se prova dentro de campo. Flamengo e Fluminense nunca se enfrentaram em circunstâncias de líder e lanterna do Campeonato Brasileiro na ‘Era dos Pontos Corridos’.

O mais próximo foi em 2008, quando o Rubro-Negro dividia a ponta com o Cruzeiro, enquanto o Tricolor das Laranjeiras amargava a última posição, durante o duelo de quarta rodada.

A chamada “Os opostos entram em campo” definiu bem o momento que Flamengo e Fluminense viviam em 2008 (Foto: Reprodução/Jornal O Globo)

Diniz pode até cair em caso de derrota no Fla-Flu

Embora o Fluminense não admita publicamente, Fernando Diniz vê seu trabalho por um fio.

O treinador pode até ser demitido caso o Tricolor sofra uma derrota desastrosa para o arquirrival. Nesse caso, nem mesmo o apoio dos jogadores e o respaldo da diretoria poderá conter a pressão externa pela demissão.

Com péssimos números em 2024, o Flu repetiu seu pior início de Brasileirão na era dos pontos corridos e ocupa a lanterna. Mais do que isso, o desempenho aquém do esperado é prova que o atual campeão da América merece a última colocação.

Foto de Guilherme Xavier

Guilherme Xavier

Jornalista formado pela PUC-Rio. Da final da Libertadores a Série A2 do Carioca. Copa do Mundo e Olimpíada na bagagem. Passou por Coluna do Fla e Lance antes de chegar à Trivela, onde apura e escreve sobre o Flamengo desde 2023.
Foto de Caio Blois

Caio Blois

Jornalista pela UFRJ, pós-graduado em Comunicação pela Universidad de Navarra-ESP e mestre em Gestão do Desporto pela Universidade de Lisboa-POR. Antes da Trivela, passou por O Globo, UOL, O Estado de S. Paulo, GE, ESPN Brasil e TNT Sports.
Botão Voltar ao topo