Brasileirão Série A

Com respaldo de Felipão, Jemerson dá volta por cima no Atlético-MG após gol contra e vaias da torcida

Jemerson falhou contra o Cruzeiro e passou a ser perseguido pela torcida, mas não se abalou com as vaias e, com a confiança de Felipão, deu a volta por cima

Um ano bem abaixo do esperado em desempenho, que parecia ter acabado de vez quando marcou o gol contra que deu a vitória ao maior rival no primeiro clássico da nova casa do Atlético-MG. Mas, com a confiança de Felipão e dos companheiros, conseguiu dar a volta por cima e, neste domingo (26), realizou seu melhor jogo do ano. Esse é o resumo da temporada de Jemerson, zagueiro do Galo que não se abalou com vaias da própria torcida e conseguiu dar a volta por cima.

Jemerson é cria do Atlético e saiu do clube como uma das maiores vendas da história após conquistar a Copa do Brasil como titular. Retornou no meio de 2022 e foi titular nos 12 jogos finais do clube na temporada. Em 2023, seguiu entre os 11, mas sem conseguir repetir o mesmo desempenho que teve na sua primeira passagem. Pior, por muitas vezes, foi criticado pela torcida por fazer partidas bem abaixo do esperado, mesmo sendo membro constante (atuou em 30 jogos) da melhor defesa do Campeonato Brasileiro.

O ano de Jemerson já não era dos melhores, mas ele seguia entre os titulares, seja com Coudet ou com Felipão. Mas, no dia 10 de outubro, no primeiro Atlético x Cruzeiro da história da Arena MRV, com o Galo podendo afundar de vez seu maior rival na tabela, o time jogou mal e, para completar, o zagueiro marcou o gol contra que deu a vitória histórica para o adversário. De “só” criticado por alguns nas redes sociais, Jemerson passou a ter seu nome vaiado no anúncio da escalação no estádio atleticano, e ouviu vaias também quando tocou na bola no primeiro jogo pós-clássico.

As vaias enquanto a bola rolava aconteceram apenas no jogo pós-clássico, um duelo contra o Fluminense. Elas começaram altas, mas foram diminuindo com o passar do jogo, em que o defensor conseguiu suportá-las e desempenhar bem. Mas as pré-jogo aconteceram em todos os jogos desde então, sempre no momento do anúncio da escalação do Atlético na Arena MRV. Após o jogo contra o Flu, Felipão se revoltou com xingamentos ao seu atleta.

– (O Jemerson) Fez uma boa partida. Mas a nossa torcida não esqueceu. Com 10 minutos vaiava ele. Isso é totalmente errôneo. Vai vaiar o jogador por que? Por que ele errou? O mundo tá cheio de jogadores de seleções mundiais que fazem gol contra. A nossa torcida pega o nosso jogador, não o deles, o nosso, e vaia quando pega na bola. É um absurdo. São nossos, temos que valorizar.

Nas partidas seguintes, Jemerson seguiu jogando, mas acabou se envolvendo novamente em um (quase) gol contra, novamente em um clássico, agora contra o América-MG. Dessa vez, o zagueiro tentou cortar uma bola, mas acabou mandando ela em direção ao gol, e só não teve o gol contra computado pois Mastriani empurrou a bola antes dela cruzar a linha. No jogo seguinte em casa, contra o Goiás, Felipão optou por preservá-lo, deixando no banco.

– A gente tenta preservar algumas situações. Já que o Jemerson é tão odiado, que quando aparece o nome dele no telão é vaiado. E é jogador nosso. Um dos melhores. A gente então tenta preservar um pouquinho ele – disse o treinador, que acabou tendo que colocar o zagueiro no início do segundo tempo, quando Igor Rabello foi expulso.

Volta por cima de Jemerson contra o Grêmio

A temporada de Jemerson parecia que realmente não teria mais volta. Mesmo ele se mostrando forte ao ouvir as vaias e ainda fazer uma boa partida, como contra o Fluminense, a sensação é que não era mesmo o ano do defensor atleticano. As vaias da torcida no anúncio da escalação seguiram, e não foi diferente antes do duelo deste domingo (26), contra o Grêmio. Para piorar, o defensor ainda teria que encarar o poderoso Luis Suárez em campo.

Mas as coisas foram diferentes, não só para o Atlético, que fez sua melhor exibição da temporada e leva o torcedor a acreditar no título do Brasileiro, como também para Jemerson. Não só o zagueiro, como toda a linha de defesa atleticana se portou muito bem, mas ele, pela pressão vivida, merece um destaque. Não é fácil jogar com a própria torcida xingando, mas ele conseguiu e foi um dos melhores em campo. Felipão, que sempre o defendeu e deu suporte, deu quase nota máxima ao defensor.

– Dou meus parabéns a quem vaiou. Se vaiaram os jogadores nossos e não vaiaram do outro time. Nossos jogadores jogando do jeito que estão … não ouvi (as vaias), estou ficando surdo. Ouvi a torcida gritar no fim do jogo que acreditava. Se o Jemerson foi vaiado, respondeu com nota 9,5 hoje, não foi 10 por pouco.

É claro que o ano de Jemerson, como já citado, foi abaixo do esperado e não é um jogo que muda toda essa perspectiva. No entanto, o zagueiro mostrar força para sair de uma temporada ruim, onde é vaiado pelo próprio torcedor, é importante não só para ele como também para o clube, que seguirá com ele em 2024. Recuperá-lo mentalmente é o primeiro passo para ter o “Jemerson que o torcedor conhece” de volta no próximo ano, e isso parece já estar acontecendo.

Jemerson vs Grêmio

  • 10 cortes
  • 1 chute bloqueado
  • 2 interceptações
  • 1 drible sofrido
  • 1/2 duelos no chão ganhos
  • 3/5 duelos aéreos ganhos
  • 0 faltas cometidas
  • 27/35 (77%) passes certos
Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick

Alecsander Heinrick se formou em Jornalismo na PUC Minas em 2021. Antes da Trivela, passou por Esporte News Mundo, EstrelaBet e Hoje em Dia.
Botão Voltar ao topo