Brasileirão Série A

Apesar de goleada, Milito manda recado essencial para a torcida do Atlético-MG

Mesmo com uma derrota expressiva, Atlético saiu de campo fortalecido graças a garra do time - e a péssima arbitragem

O Atlético-MG foi goleado por 4 a 0 dentro da Arena MRV pelo Palmeiras nesta segunda-feira (17). Apesar do resultado péssimo, o que marcou a partida para o Galo foi a péssima condução da arbitragem e a garra do time, que foi para cima do Alviverde mesmo cum a menos, tudo graças a Milito.

O Atlético já perdia o jogo por 1 a 0 quando, aos 30 minutos, o árbitro expulsou Hulk com dois cartões amarelo por reclamação. A revolta com a arbitragem, que já tomava conta do estádio e de alguns jogadores, foi ao máximo.

Mas, mesmo com um a menos e enfrentando um dos times mais fortes (se não o mais) do Brasil, Gabriel Milito optou por tirar um zagueiro e colocar um atacante, fazendo o Galo ir para cima do adversário. Para ele, não havia outra opção, já que o time já estava atrás no placar.

— Perdíamos por 1 a 0 e fomos atrás para tentar recuperar. Em contrapartida, assumimos o risco de que te marquem mais gols. Eu sempre vou eleger esse caminho, de valentia e assumir isso — explicou Milito.

No final, precisamos de pontos. Com 1 a 0 ou 4 a 0, ficamos com zero pontos. Nessa decisão, sempre irei pensar em ir para frente — Milito.

O treinador, que sempre fala sobre jogar para frente e confrontar os adversários, independente de quem seja, fez isso mais uma vez. Nessa, para o azar dele, não deu certo, até por conta do rival, que ele elogiou muito.

A forma como o Atlético jogou desgastou muito o time física e mentalmente. Estava nítido após o 3 a 0, que veio logo depois do 2 a 0, como os jogadores estavam frustrados. No fim do jogo, ficou ainda mais evidente. Mas, a torcida reconheceu o esforço dos atletas e os aplaudiram mesmo com um resultado tão adverso.

No fim, a estratégia de Milito não deu certo em campo, mas passou um recado importante para a torcida, de que o time vai se doar e se entregar em qualquer situação. Seja contra o pior time do Brasil ou o melhor, o Galo será o time que o torcedor sempre pediu, de garra e que nunca desiste. Desse jogo contra o Palmeiras, o atleticano lembrará da garra do time e da péssima arbitragem antes da goleada.

Terminou o jogo e ficamos com a sensação de que o jogo em si poderia ter sido melhor. Não gosto que o meu time, depois de tanto esforço, termine derrotado, ainda mais por 4 a 0 em casa. Isso me dói, pois sei o esforço dos jogadores. Hoje eles fizeram e tiveram valentia — Milito.

Milito, mais uma vez, não quis usar desculpas

Mesmo que os 10 desfalques, sendo seis titulares, fossem uma justificativa para a derrota, Milito, mais uma vez, não as quis usar. Ele ainda “ganhou” a chance de colocar tudo na conta da arbitragem, mas preferiu usar seu tempo falando dos donos do apito para passar uma mensagem bem clara de como o Brasil trata seu futebol.

— Tenho minha opinião sobre a arbitragem no geral, não só sobre hoje. Mas, depois de hoje, falar sobre arbitragem, vai parecer uma desculpa, e não quero cair nisso — iniciou Milito.

Militou basicamente destacou como a arbitragem tenta ser protagonista no Brasil, algo que deveria ser exclusivamente dos jogadores em campo. Ele citou que, em nenhuma outra liga do mundo, se dá tantos cartões como na brasileira, seja em campo ou fora. Ele, por exemplo, foi advertido quando reclamava com um jogador do Galo e não com o árbitro, que interpretou errado.

O protagonismo não tem que ser da arbitragem e sim dos jogadores. A torcida paga ingresso para ver os jogadores e não os árbitros — Gabriel Milito

Apesar de não querer entrar muito no mérito da arbitragem, Milito afirmou que confia fielmente em Hulk, que garantiu que não disse nada de mais ao árbitro. Para o treinador, mesmo que o camisa 7 tenha dito algo mais ríspido, faltou “manejo” ao dono do apito.

Foto de Alecsander Heinrick

Alecsander HeinrickSetorista

Jornalista pela PUC-MG, passou por Esporte News Mundo e Hoje em Dia, antes de chegar a Trivela. Cobriu Copa do Mundo e está na cobertura do Atlético-MG desde 2020.
Botão Voltar ao topo