Brasileirão Série A

Sem Endrick, Palmeiras reencontra o encaixe que o consagrou e goleia Atlético em BH

Time de Abel Ferreira foi muito superior aos donos da casa e vai subindo na tabela

O melhor para o Palmeiras era que Endrick seguisse no clube, é claro. Mas a verdade é que, com esse elenco, o time encaixa melhor sem o jogador do Real Madrid.

Em que pese a expulsão de Hulk na primeira etapa, a vitória sobre o Atlético-MG — 4 a 0, gols de Aníbal Moreno, Piquerez, Estêvão e Flaco López –, na Arena MRV, nesta segunda-feira (17), foi inquestionável. Com o Palmeiras mostrando a evolução que já demonstrara contra o Vasco (2 a 0).

No 4-2-3-1 que vem consagrando o Palmeiras desde 2021, um centroavante com as características de Rony tende a funcionar melhor, já que faz com que a última linha do adversário tenha de se preocupar com arranques do homem mais adiantado.

Com o resultado, o Palmeiras chega a 17 pontos e fica a apenas dois do líder Botafogo (alguém já assistiu a esse filme?).

Campo alargado

O Palmeiras entrou em campo com Estevão e Lázaro aberto pelas pontas, alargando o campo. Mas sempre chegava à frente com cinco homens, já que um lateral e Raphael Veiga sempre se juntavam ao trio ofensivo.

Outro ponto que funcionou foi a marcação alta do Palmeiras. Desde o começo da partida, o time de Abel Ferreira tentou sufocar a saída de jogo do Atlético-MG, roubando diversas bolas.

Aníbal abriu o placar aos 25 do 1º tempo, justamente em uma pressão do Alviverde na defesa atleticana. Veiga cruzou de um lado ao outro da área na direção do argentino. Mesmo cercado, ele mata no peito e bate no cantinho de Matheus Mendes, de esquerda.

O gol já havia desnorteado o Atlético-MG, que perde ainda mais o rumo depois de Hulk ser expulso, aos 33. O atacante do Galo peita duas vezes o árbitro, que dá um amarelo após o outro e coloca o atacante para fora.

Com um a mais, o Palmeiras desperdiça pelo menos quatro boas chances antes do intervalo, com Rony, duas vezes, Piquerez e Estêvão.

Ritmo segue alto

O ritmo e a postura de marcação alta do Palmeiras continua no segundo tempo, mesmo com a vantagem no placar. O segundo sai aos 14, após Zé Rafael sofrer pênalti de Saravia em contra-ataque. Piquerez cobra e converte — Veiga, mais uma vez, abdica de cobrar.

Sem fazer muita força, e se aproveitando do nervosismo do Galo, o terceiro sai com um golaço de Estêvão, um minuto depois. O garoto, que vinha sendo xingado pela torcida, traz pela esquerda do ataque e leva até o bico da área. De lá, manda no ângulo do goleiro para fazer 3 a 0.

Na comemoração, ele pede silêncio à torcida e profere um sonoro “vai tomar no c.”, ganhando um amarelo e enfurecendo a torcida posicionada atrás do gol palmeirense, que arremessa diversos copos nos palmeirenses.

Copos fictícios que Flaco López fingiria tomar na comemoração do quarto gol, aos 49, em mais um contra-ataque. Vale ressaltar o cruzamento perfeito de Vanderlan para o argentino decretar a vitória do Palmeiras.

Preocupação

Para não dizer que deu tudo totalmente certo, Estêvão, Aníbal e Lázaro deixaram o jogo machucados e jpa começaram tratamento com gelo no banco de reservas.

Diante desse cenário, de volta (?) ao Palmeiras depois de ser anunciado pelo Cruzeiro, Dudu pode voltar ao time do Palmeiras muito antes do que se imaginava.

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata LimaSetorista

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo