Brasileirão Série A

Feliz ano-novo: Abel fecha grupo, e a sensação é que o Palmeiras enfim entrou em 2024

Técnico do Palmeiras afirmou que ninguém mais deve entrar ou sair do Palmeiras

Acabou o entra e sai. Exceto pela muito provável contratação do lateral/meia Agustín Giay, do San Lorenzo, ninguém mais chegará ao Palmeiras. E, a não ser que alguém banque o valor da multa de um jogador que queira sair, o Palmeiras também não vai liberar mais ninguém em 2024.

— [Chegaram] muitas ofertas. Veio para o Luan e foi vendido. Veio para o Murilo, mas não posso deixar sair. Veio para o Veiga, mas não posso deixar sair. Veio para o Zé, mas não posso deixar sair. Veio para o Piquerez, mas não posso deixar sair. Veio para o Rony, mas não posso deixar sair — disse Abel Ferreira em sua entrevista coletiva, após Palmeiras 2 x 0 Vasco da quinta-feira (13).

— Muitos estão ligando para nossos jogadores e não tem mais hipóteses de sair. Não vai haver muitas mexidas e não vou voltar a experimentar jogadores — completou.

Melhores minutos da temporada

Entre os jornalistas que participaram da cobertura de Palmeiras x Vasco da quinta-feira (13), havia quase unanimidade, na zona mista do Allianz Parque: a primeira vitória como mandante no Campeonato Brasileiro foi o melhor jogo do time no ano.

Houve resultados mais robustos, como o 5 a 1 na Ponte Preta, nas quartas do Paulista, e o 5 a 0 no Liverpool, no Uruguai, pela fase de grupos da Copa Libertadores. Mas, em termos da qualidade tática do jogo, a partida contra o Vasco foi a mais bem jogada.

O conforto do time em campo, mesmo sem Gustavo Gómez, Ríos, Luan, Endrick e Luis Guilherme, era visível. O Palmeiras relembrou o time que sobrou na Copa Libertadores do ano passado até as quartas de final, com passes trocados pelo chão e cruzamentos como fruto de lances trabalhados, e não apenas chuveirinhos na área.

— Foram os melhores 25 minutos que vi o Palmeiras fazer, a cada dois minutos um arremate, muita dinâmica. Os jogadores desfrutaram, sendo agressivos — afirmou o técnico, sobre a primeira metade do primeiro tempo do Verdão.

Rony talvez seja o exemplo mais bem acabado dessa sensação de desfrute citada pelo técnico. Além do gol, o camisa 10 jogou leve e bem. Não errou passes, não ficou impedido em excessivo número de vezes. Certamente, está mais seguro de saber que Endrick não é seu concorrente por uma posição na equipe.

— Alguns jogadores baixaram rendimento nos últimos jogos, o que é normal e natural. Mas a exigência sempre foi alta. Tivemos um período com o jogo ofensivo não fluindo tão bem como essa primeira parte hoje — completou o português.

Sobre Dudu

A única nota negativa do jogo foi a frustração da torcida pelo fato de Dudu não ter entrado. Abel explicou por quê:

— Ele já está com a gente faz alguns dias, conversei há dois dias, ontem e hoje falei de novo com ele. A verdade é que ainda não se sente 100% confortável, já fez jogo-treino bom, mas há algumas coisas que o incomodam. Ele me falou: ‘Não estou confortável para jogar, mas gostaria de ir com a equipe' e aceitei — disse o técnico.

 

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata LimaSetorista

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo