Ásia/Oceania

Cuca falha de novo no Shandong Luneng. Hora de voltar ao Brasil?

Ao fim de 2013, após a eliminação vexamosa do Atlético Mineiro no Mundial de Clubes da Fifa, com queda para o Raja Casablanca (Marrocos), Cuca decidiu que era hora de buscar a independência financeira. Assim, o treinador brasileiro abandonou Minas Gerais e o Brasil e rumou para a cidade de Shandong, no nordeste da China.

PODCAST TRIVELA: A sobrevivência de Cruzeiro e Inter e as quedas de Galo, São Paulo e Corinthians na Libertadores

O projeto do recente endinheirado time chinês era impossível de ser realizado no curto prazo (ser campeão mundial), mas a maioria dos profissionais aceitaria ir para o outro lado do mundo com esse objetivo nos ombros, simplesmente porque o salário era tentador. Cuca passou a ganhar R$ 1,5 milhão por mês, algo impossível de conquistar em solo brasileiro.

Entretanto, o técnico brasileiro não conseguiu resultados expressivos nesses dois anos à frente da equipe. Comandando maioria de chineses e os brasileiros Júnior Urso (ex-Coritiba), Aloísio Boi Bandido (São Paulo) e Vágner Love (Palmeiras, Flamengo e atualmente no Corinthians), além do argentino Montillo, Cuca foi mal na temporada 2014.

No torneio mais importante, a Liga dos Campeões da Ásia, o Shandong Luneng fez papelão ao ficar na lanterna de sua chave com míseros cinco pontos, atrás de Pohang Steelers (Coreia do Sul), Cerezo Osaka (Japão) e até do Buriram United (Tailândia). No Campeonato Chinês, a equipe foi apenas a quarta colocada, com 48 pontos, 22 atrás do campeão Guangzhou Evergrande e com nove a menos que o terceiro colocado.

A colocação na liga chinesa não deu ao Shandong Luneng a vaga na Liga dos Campeões da Ásia 2015, pois apenas os três primeiros colocados jogam o torneio. A equipe só disputou a competição internacional pela sétima vez na história por ter levantado a taça da Copa da China, ao vencer o Jiangsu Sainty por 4 a 2, com três gols de Vágner Love e um de Júnior Urso.

A nova oportunidade desperdiçada

Classificado diretamente à fase de grupos, o Shandong Luneng participou do Grupo E, ao lado de Kashiwa Reysol (Japão), Jeonbuk Motors (Coreia do Sul) e o saco de pancadas Binh Duong (Vietnã). Ou seja, três equipes brigando por duas vagas, o que aumentava a pressão sobre Cuca e seus comandados.

Pensava-se que a dupla Diego Tardelli e Wálter Montillo pudesse levar o Shandong Luneng ao título da Liga dos Campeões da Ásia 2015, mas isso nem de longe aconteceu. O argentino, desde janeiro de 2014 no time, participou de quatro dos seis jogos na fase de grupos, todos atuando os 90 minutos e com dois gols anotados. Já o brasileiro, mal fisicamente, jogou cinco vezes, duas durante todo o tempo, sem gols marcados, mas deu assistências importantes.

Mesmo com as duas principais estrelas, o Shandong Luneng deu sinais de que o futuro não iria ser positivo logo na primeira partida, em solo vietnamita. Apesar de ter vencido por 3 a 2, a equipe chinesa levou virada para 2 a 1 no início do segundo tempo, algo que não poderia ocorrer diante da inexperiência do Binh Duong.

Na estreia em casa, o Shandong Luneng frustrou os pouco mais de 27 mil torcedores no estádio ao levar de 4 a 1 do Jeonbuk Motors. Na terceira rodada, o Kashiwa Reysol aproveitou o mando de campo e fez 2 a 1 no time chinês, que àquela altura já fazia as contas temendo a eliminação, pois estava quatro pontos atrás de japoneses e sul-coreanos.

Precisando vencer em casa, o Shandong Luneng teve apoio de quase 22 mil pessoas e marcou diante do Kashiwa Reysol logo aos quatro minutos do primeiro tempo. Parecia a reação na campanha, mas eis que os visitantes viram para 3 a 1. Com gols de Júnior Urso e Montillo, o time chinês conseguiu o empate e depois fez 4 a 3, mas sofreu a igualdade aos 31 minutos do segundo tempo, resultado que praticamente eliminou a equipe treinada por Cuca.

Faltando duas rodadas, o Shandong Luneng precisava tirar a diferença e venceu o Binh Duong por 3 a 1 em casa, com apenas 12.500 torcedores, resultado dos placares adversos. A decisão da vaga foi na Coreia do Sul, onde o Shandong Luneng precisava vencer, mas acabou humilhado por 4 a 1 pelo Jeonbuk Motors, somando apenas sete pontos em seis partidas.

Momento complicado

Cuca tem contrato até dezembro de 2016 e a diretoria do Shandong Luneng sabe que o momento que o clube atravessa é de muitos problemas, pois a alta quantia de dinheiro investida em reforços estrangeiros não vem trazendo resultados satisfatórios. No Campeonato Chinês 2015, depois de nove rodadas, o Shandong Luneng está no quarto lugar, com 16 pontos, cinco atrás do líder Shaghai SIPG, fora da zona de classificação para a Liga dos Campeões da Ásia 2016.

Em comunicado oficial, o grupo empresarial que administra o clube reconheceu o período nebuloso e pediu o apoio dos torcedores. Mas é certo que algo precisa mudar dentro e fora das quatro linhas, pois contar sempre com vaga via Copa da China é complicado – o time está nas oitavas de final do torneio em 2015.

Com a eliminação do São Paulo na Libertadores, pode ser que a equipe brasileira tente convencer Cuca a vir ganhar menos em sua terra natal, mas volte a ter os holofotes da mídia num clube de apelo mundial. É bom lembrar que os dois clubes têm acordo de cooperação estratégica, o que pode ser um fator a mais para uma eventual saída de Cuca, que pode ser facilitada a partir de junho de 2015, pois até lá está em vigor multa milionária para a rescisão de contrato com o Shandong Luneng.

Além do técnico, o time chinês não deve ficar muito tempo com Aloísio e Montillo, pois ambos já afirmaram em entrevistas anteriores que têm vontade de voltar ao Brasil, sendo o único empecilho o tempo de contrato. O argentino tem vínculo até janeiro de 2017, enquanto o de Aloísio vai até dezembro do mesmo ano. Será que chegou a hora de Cuca voltar?

Curtas

– O Shandong Luneng tem elenco avaliado em US$ 23,1 milhões, o sétimo time mais caro da Liga dos Campeões da Ásia 2015, cerca de US$ 20 milhões a menos que o do Guangzhou Evergrande, o de mais alto valor.

– Cuca tem 56 partidas no comando do Shandong Luneng, com 26 vitórias, 16 empates e 14 derrotas. A título de comparação, no Atlético Mineiro o treinador acumula 116 jogos, com 54 vitórias, 29 empates e 33 derrotas.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo