Ásia/Oceania

Goleada e chuva de pênaltis põem fim à invencibilidade histórica do Al-Hilal

Soufiane Rahimi anota hat-trick e se credencia como o terror dos gigantes da Arábia Saudita

Nem o mais otimista torcedor do Al-Ain, dos Emirados Árabes Unidos, esperava por uma exibição tão boa de seu time diante do Al-Hilal pelo jogo de ida da semifinal da Champions Asiática. O fato é que o time de Hernán Crespo deu um baile de bola no Al-Hilal de Jorge Jesus, principalmente no primeiro tempo. Com três gols de Soufiane Rahimi e um de Alejandro Kaku Romero, o time goleou os sauditas por 4 a 2 e abriu larga vantagem para conseguir a vaga na grande decisão da competição continental.

A volta está programada para a próxima terça-feira (23), às 15h (horário de Brasília), e o Al-Ain pode perder por até um gol de diferença. Mais do que a vitória convincente, o triunfo encerrou uma longa invencibilidade do Al-Hilal e uma sequência de nada mais nada menos do que 34 vitórias consecutivas de Jorge Jesus.

O Al-Hilal não sabia o que era perder uma partida desde o dia 12 de agosto de 2023, quando foi superado pelo Al-Nassr por 2 a 1 em jogo válido pela Copa dos Campeões da Arábia Saudita.

Falhas defensivas foram cruciais para derrota do Al-Hilal

O mérito da goleada desta terça-feira é todo do Al-Ain, que armado em duas linhas de quatro por Hernán Crespo, neutralizou as principais chegadas ofensivas do Al-Hilal no começo do jogo. O time falhou demais defensivamente, e foi devidamente punido pelo time adversário. Logo aos cinco minutos de jogo, a pressão na saída de bola deu resultado, o goleiro saudita Al-Owais rebateu mal, o que gerou uma reação em cadeia na defesa do Al-Hilal.

Koulibaly tentou dividir a bola na sequência da jogada, e Soufiane Rahimi saiu na frente da marcação, tocando na saída do goleiro para abrir o placar. Expondo-se mais para buscar o empate, o Al-Hilal sofreu com a velocidade do contra-ataque do Al-Ain, que aproveitou os espaços nas costas dos zagueiros adversários para seguir atacando. Ainda no primeiro tempo, Rahimi foi derrubado na área por Albulayhi aos 25 minutos e cobrou o pênalti com categoria para aumentar a vantagem.

Perdido em campo, o Al-Hilal não conseguia triangular e conectar os ataques, e ainda sofria com o contragolpe. Aos 34 minutos, Erik foi lançado em velocidade e derrubado na área, novo pênalti no jogo, e mais uma vez Soufiane Rahimi estava lá para marcar o seu terceiro gol no jogo, ampliando ainda mais a vantagem ao Al-Ain.

No segundo tempo, Jorge Jesus acertou parte da marcação, o Al-Hilal melhorou e diminuiu a vantagem com Malcom, em passe de Milinkovic-Savic. Entretanto, em novo pênalti aos nove minutos, sendo este o terceiro na partida, Kaku, colocou novamente a vantagem de três gols em favor do Al-Ain, tirando a força da reação dos sauditas. Salem Al-Dawsari ainda diminuiu o jogo para 4 a 2.

Fator Soufiane Rahimi fez a diferença

O atacante marroquino já havia mostrado o seu poder de decisão, marcando três gols contra o Al-Nassr nos dois jogos que fez contra o time de Cristiano Ronaldo nas quartas de final da Champions Asiática. Na tarde desta terça-feira, o jogador se credenciou como o grande algoz dos gigantes árabes, anotando um hat-trick, e sendo a diferença técnica de um time bem treinado e que chega forte rumo à classificação para a final do torneio continental.

 

 

 

Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Esse é Lucas de Souza, redator e repórter do Futebol na Veia e da Trivela. Jornalista especializado em Marketing digital é também narrador do Portal Futebol Interior e da RP2Marketing.
Botão Voltar ao topo