Sul-Americana

Base, nova gestão e crise no Sul: Seabra avalia fase do Cruzeiro na Sul-Americana

Assim como em sua estreia na Copa Sul-Americana pelo Cruzeiro, Fernando Seabra não pôde conceder entrevista coletiva e, por isso, falou na zona mista

Vivendo situação difícil na Copa Sul-Americana, não dependendo apenas de si para se classificar diretamente às oitavas de final da competição, o Cruzeiro deu um passo importante ao vencer o Alianza FC, na noite dessa terça-feira (7), fora de casa, pela quarta rodada do grupo B do torneio continental. O 3 a 0, construído com gols de Lucas Silva, Arthur Gomes e Rafael Elias Papagaio, serviu para manter o time de Fernando Seabra vivo e com possibilidade de decidir seu destino em casa.

Fernando Seabra, inclusive, falou com a imprensa na zona mista, após o fim da partida, já que ainda não possui a licença necessária para comandar a Raposa nas competições da Conmebol e isso impede que ele conceda entrevistas coletivas. Foi o auxiliar técnico Moisés Moura que respondeu às perguntas, ao lado do volante e capitão Lucas Silva.

Na zona mista, Seabra foi perguntado sobre a importância da vitória. Segundo ele, cada partida na Copa Sul-Americana será uma decisão.

— A gente estava devendo esse resultado. O nosso cenário atual é que cada jogo é uma decisão, para que a gente continue dependendo apenas de nós mesmos pela classificação. E lutar pela primeira colocação no grupo. A gente está bem focado nesse sentido, sabendo que nos permitimos iniciar numa colocação muito desfavorável no grupo. Cabe a gente dar a resposta — avaliou Seabra.

Ainda assim, o treinador ponderou o resultado, dizendo que a partida poderia ter se complicado caso o Cruzeiro tivesse sofrido um gol quando tinha 2 a 0 no placar. O terceiro gol da Raposa sairia somente nos minutos finais de jogo.

— Pensando no resultado. O placar de 2 a 0 pode ser enganoso. Saiu o 3 a 0, mas se sai o 2 a 1 ia ser um jogo difícil também — ressaltou.

Tragédia no Rio Grande do Sul

Fernando Seabra ainda utilizou o espaço para se solidarizar com o povo gaúcho, que sofre com as chuvas, em tragédia sem precedentes na história. A Defesa Civil do Rio Grande do Sul divulgou um balanço no início da tarde desta quarta-feira (8), que informa que o número de pessoas mortas em decorrência das chuvas chegou a 100. Há ainda 372 feridos e 128 desaparecidos.

— É uma tragédia. A gente lamenta muito. Seria melhor se nada tivesse acontecido e a gente tivesse enfrentado o Inter no sábado (4), em casa. Depois da vitória contra o Vitória, seria uma forma da gente se apresentar no nosso palco, infelizmente não aconteceu assim — lamentou.

Semana de trabalhos no Cruzeiro sob nova direção

Fernando Seabra também foi perguntado sobre como está sendo a relação com a nova diretoria da Raposa. Antigo dono da SAF do Cruzeiro, Ronaldo Nazário vendeu suas ações para o empresário Pedro Lourenço, que mudou todo o departamento de futebol celeste.

— O que posso falar é que tivemos uma semana de trabalho muito tranquila. Seguimos os conteúdos sem problema nenhum, eles têm dado respaldo e observado as rotinas. Com a experiência que têm, com a visão que eles têm, próprias deles, do futebol e processos do futebol, vão trazendo os pontos importantes, que acreditam que possam nos ajudar a deixar o trabalho melhor ainda — afirmou.

— (O período sem jogos) permitiu que a comissão e os jogadores se preparassem melhor. A gente sabia que ia encontrar dificuldades aqui, nos trouxe dificuldade, mas a gente conseguiu se adaptar e construiu o resultado — avaliou Seabra.

Seabra explica porque jovens da base não entraram em campo

Fernando Seabra ainda foi questionado sobre as razões das poucas oportunidades para os jovens formados na base do Cruzeiro. Contra o Alianza, o treinador preferiu utilizar suas substituições para colocar atletas experientes em campo. Segundo ele, as circunstâncias do jogo ditaram as alterações, ressaltando que os garotos têm condições de jogar em qualquer situação.

— A gente prepara eles para entrar em qualquer cenário, de placar favorável ou para buscar o resultado, como foi o Robert (contra o Fortaleza). A gente toma as decisões de substituições nas demandas e urgências que o jogo apresenta pra gente. Podem ser favoráveis para a base ou não. Hoje o cenário não oportunizou nesse sentido, mas não quer dizer que não vão ser aproveitados — apontou o treinador do Cruzeiro.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa nasceu em Ipatinga, mas se radicou na Região dos Inconfidentes mineiros. Formado em Jornalismo na UFOP, em 2019, passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas. Atualmente, é setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo