Libertadores

Empate não é ruim? O que pensa o presidente do Grêmio sobre decisão contra Estudiantes

Em entrevista antes do jogo contra o Estudiantes, pela Libertadores, o presidente Alberto Guerra afirmou que um empate pode não ser ruim para o Grêmio, que ainda não pontuou na competição

Depois de duas derrotas nos dois primeiros jogos da fase de grupos da Libertadores, para The Strongest e Huachipato, o Grêmio tem uma decisão às 19h desta terça-feira (23), contra o Estudiantes, no Estádio Jorge Luis Hirschi, o UNO, em La Plata, na Argentina. Em entrevista coletiva no hotel em que o Tricolor Gaúcho está concentrado, o presidente Alberto Guerra reconheceu que o duelo, histórico principalmente pelos acontecimentos de 1983, se trata de uma “final”.

— Mais uma batalha aqui. Acabamos chegando a La Plata, de novo, para a parte dois da Batalha de La Plata. E estamos encarando como uma primeira grande final. Não poderia ser diferente. A gente sabe que esse jogo é fundamental para as pretensões do Grêmio na competição. Ainda que com todas as dificuldades e desfalques, estamos encarando aqui como uma primeira final — reconheceu Guerra.

Presidente do Grêmio não considera empate ruim, e relembra 2019

Apesar do Grêmio chegar nesta última rodada do primeiro turno ainda sem ter pontuado no Grupo C, o presidente gremista não vê um empate como resultado negativo. E citou até o exemplo do próprio Tricolor Gaúcho em edição passada da Libertadores, quando era diretor de futebol. Em 2019, após somar apenas um ponto nos três primeiros jogos, o time de Renato Portaluppi conseguiu três vitórias no returno, sobre Rosario Central, Libertad e Universidad Católica, e se classificou para os mata-matas. Mais adiante, na semifinal, foi eliminado para o Flamengo de Jorge Jesus com acachapante goleada por 5 a 0.

— Acho importante que a gente saia vivo daqui. A gente vai buscar sempre a vitória, acho que é muito importante se a gente conseguir sair daqui com os três pontos. Mas também acho que o empate não é um péssimo resultado. Lembro de 2019, em que eu estava no futebol também. Fizemos um ponto nas três primeiras rodadas, e depois conseguimos a classificação no segundo turno. A postura é buscando a vitória sempre. Agora, dependendo do andamento do jogo, o empate pode não ser um mau resultado — avaliou Guerra.

Guerra não se arrepende do planejamento, que priorizou o Gaúchão

O mandatário também garantiu que não se arrepende do planejamento do Grêmio neste início de temporada, que priorizou a conquista do heptacampeonato gaúcho. Por conta disso, reservas foram utilizados na estreia da Libertadores, contra o The Strongest, na altitude de La Paz. No segundo jogo, diante do Huachipato, na Arena do Grêmio, o elenco estava de “ressaca” da conquista estadual, como o próprio Renato deu a entender em entrevistas posteriores.

— O grande resultado que nos colocou nessa situação foi contra o Huachipato. Foi um jogo atípico, em que acho que o Grêmio produziu o suficiente para marcar seu gol no primeiro tempo. Não fez e acabou tomando em duas conclusões. Isso é do futebol, acontece eventualmente. Realmente o Grêmio tinha colocado uma energia muito grande três dias antes, na final do Campeonato Gaúcho. Acho que não voltaria. A gente fez o que deveria ter sido feito. Agora, isso é esporte. Se fosse lógico, se soubéssemos o que iria acontecer, não teria a graça que tem o futebol. Não tem partida ganha — comentou Guerra.

Voto de confiança para João Pedro Galvão

Por fim, Guerra também falou sobre uma das individualidades mais contestadas no elenco do Grêmio: João Pedro Galvão. Com o desfalque de Diego Costa, que segue se recuperando de desconforto muscular, o camisa 11 será titular mais uma vez. Após boa atuação na vitória sobre o Cuiabá, em que saiu de campo aplaudido pela torcida e recebeu elogios de Renato, o atacante naturalizado italiano ganhou mais um voto de confiança do presidente.

João Pedro Galvão será, novamente, o substituto de Diego Costa no comando do ataque gremista. Foto: Lucas Uebel/Grêmio FBPA

— Primeiro, eu não tenho certeza que vai ser ele o titular […] Mas se for ele, acredito que ele está em uma evolução boa, tem feito boas partidas. É um cara que briga lá na frente com os zagueiros, como o próprio Renato diz. Essa parte técnica é com o Renato. Mas se escalar, tenho certeza de que vai dar conta do recado — afirmou Guerra.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho e formado em Jornalismo pela PUC-RS, já passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. É, também, coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo