Argentina

Violência? Prefeito de Rosario aponta outro motivo para Di María não jogar no Central

Futuro de Ángel Di María é incerto, mas provavelmente não será no Rosario Central

Aos 36 anos, o atacante Ángel Di María ainda não decidiu seu futuro. O contrato dele com o Benfica vai até o meio do ano e não deve ser renovado. Era para tudo estar se encaminhando para ele retornar ao Rosario Central, clube que o revelou e ele afirmou diversas vezes o sonho de encerrar a carreira por lá. No entanto, tudo mudou em 25 de março, quando criminosos deixaram uma mensagem na porta da casa da família do jogador, em Rosario, os ameaçando caso Di María retornasse à Argentina.

Diferentes fontes jornalísticas apontaram esse ser o motivo do craque argentino não retornar ao clube do coração. Porém, o prefeito de Rosario, Pablo Javkin, para defender sua cidade, decidiu tirar o foco e escolher outra questão para que Di María não volte para Argentina.

Para Javkin, a desorganização nos torneios da Associação do Futebol Argentino (AFA) é a principal causa para que Di María e outros jogadores argentinos não voltem para atuar no futebol local. Vale citar que no ano passado, enquanto era disputado a primeira divisão do Campeonato Argentino, uma virada de mesa diminuiu o número de rebaixados da competição de três para dois. A liga é enorme e conta com 28 clubes, número altíssimo e pouco comum.

– É preciso dizer: o futebol argentino tem muitas coisas para corrigir que não são sobre Rosário, há muitos problemas de organização. Não me parece lógico que nos autoflagelemos acreditando que todas as decisões têm a ver com uma questão específica, nem vamos permitir que alguém diga algo sobre a cidade – disse o político à Rádio Cadena 3 de Rosario, emendando:

– Acho que há muito mais problemas na organização do futebol argentino do que nas condições (de Rosario), porque eles [jogadores] vêm visitar a cidade e ficam muito tempo. Gostaria também que olhássemos de forma completa o que acontece no futebol argentino que os atletas que saem depois não têm condições para voltar.

Para onde vai Di María?

Além do Rosario Central, há muitos destinos para Di María. O jogador da Seleção Argentina já movimentou especulações em clubes da Major League Soccer (MLS), da Arábia Saudita e até do Brasil, como GrêmioSão PauloFlamengo e Internacional, mas ainda nada de forma oficial. Também há a possibilidade de renovar por mais uma temporada com o clube português.

O craque fez história por quase todo lugar onde passou. Venceu tudo no Real Madrid, marcou época no PSG e no Benfica, além de passagens por Juventus e Manchester United. Com a Argentina, foi peça essencial nas conquistas da Copa América de 2021 (esta, com gol na decisão contra o Brasil) e Copa do Mundo de 2022.

Suspeitos de ameça à família de Di María foram presos

Ainda em março, foram identificados e presos dois responsáveis pelas ameaças contra a família do jogador. São eles: Pablo Ezequiel Acotto, de 35 anos, e Sara Belén Gutiérrez, de 23, dupla que teria ido ao local de madrugada e ainda dispararam tiros para assustar. Segundo o site Infobae, a mensagem deixada seria um aviso a família sobre possível retorno do jogador, garantindo que nem o governador da província de Santa Fé, Maximiliano Pullaro, poderia salvá-los.

– Diga a seu filho Ángel que não volte a Rosário porque senão estragaremos tudo matando um familiar. Nem Pullaro vai te salvar. Nós não jogamos fora pedaços de papel. Jogamos chumbo e gente morta – teria sido a ameaça recebida pela família de Di María.

A investigação aponta que a dupla cometeu o crime a mando de alguém, ainda não identificado.

A violência na cidade de Rosario explodiu nos últimos anos a partir da expansão do tráfico de drogas e grupos de narcotraficantes disputando territórios. Por essa situação, o exército da Argentina tem atuado no local.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo