Argentina

Di María recebe nova ameaça na Argentina: quais os motivos para tanta hostilidade?

Muro com foto do craque da seleção foi pichado após rumores de um possível retorno ao Rosário Central

De saída do Benfica, Angel Di María deseja voltar ao Rosário Central para encerrar a sua carreira após a disputa da Copa América, seu último ato pela seleção da Argentina.

Contudo, desde que saiu da Juventus em 2023, rumores sobre seu retorno para sua cidade natal tem se intensificado, ao mesmo tempo que diversas ameaças ao jogador e seus familiares colocaram em xeque uma possível volta do craque.

Na mais recente mensagem de violência direcionada ao campeão Mundial de 2022, um muro com o rosto de Di María em Rosário foi pichado com a seguinte frase: “ainda vai voltar?”.

Ao mesmo tempo, criminosos atiraram contra um posto de gasolina e deixaram um recado endereçado ao atacante. “Estamos te esperando, Di María. Os rosarinos”, diz o bilhete divulgado pela imprensa argentina.

Primeira ameaça contra Di María aconteceu em março

Na pacata cidade de Funes, local próximo a Rosário onde os familiares do craque argentino residem, uma bolsa com um cartaz contendo uma mensagem hostil ordenava que Di María não retornasse à cidade.

“Diga ao seu filho Ángel que não volte mais para Rosario porque mataremos um familiar seu. Nem Pullaro poderá te salvar”, dizia a mensagem.

O ato pareceu uma afronta ao governador da província de Santa Fé, Maximiliano Pullaro. Um dos suspeitos de idealizar o ato foi preso pela polícia na época, mas a ação deixou clara a falta de segurança do local.

Em final de contrato com o Benfica, Di María nunca escondeu seu desejo de voltar ao clube que o revelou para o futebol.

Contudo, a onda de violência motivada pelo tráfico de drogas na região, e também a má intenção de alguns em tirar a paz de pessoas ligadas ao futebol, pode fazer o argentino mudar de ideia.

Por que Di María se tornou alvo da violência em Rosário?

A especulação de que Di María poderia voltar ao futebol argentino criou uma expectativa alta por parte dos torcedores do Rosário Central. Porém, ao que parece, os rumores também acenderam uma parte negativa da cidade.

Tais pessoas querem perturbar a paz de jogadores e familiares, seja para aumentar o poder da criminalidade na região, ou mesmo intimidar a população, que, com medo, se sente acuada diante de uma política de segurança pública falha.

Di María não é o único alvo dos infratores e traficantes de Rosário. Recentemente um supermercado que pertence à família de Antonela Roccuzo, esposa de Messi, foi atacado por marginais, e mensagens de terror e violência também foram espalhadas por toda região.

A onda de violência na cidade levantou questionamentos acerca da capacidade das autoridades locais em garantir a segurança não só de pessoas públicas, mas também de sua população.

Há quem acredite que alguns torcedores do Newell’s Old Boys estejam envolvidos nestes atos de violência direcionados a Di María, já que é difícil pensar que a própria torcida do Rosário Central esteria impedindo seu retorno.

A atual situação do atacante deve cobrar dos responsáveis uma atitude mais firme contra a criminalidade e gera uma reflexão importante sobre as medidas de proteção necessárias aos atletas e seus familiares.

Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Lucas de Souza é jornalista formado pela Universidade São Judas em São Paulo. Possui especialização em Marketing Digital pela Digital House, e passagens pelos sites Futebol na Veia e Futebol Interior.
Botão Voltar ao topo