AlemanhaLeste Europeu

Schalke 04 remove marca da Gazprom da camisa após invasão russa na Ucrânia

Em meio à crise no Leste Europeu, Schalke 04 decidiu romper os laços com a empresa estatal russa de energia, que é uma das maiores do mundo no setor

O Schalke 04 anunciou que não irá mais estampar a marca da estatal russa Gazprom nas suas camisas após a invasão da Rússia sobre a Ucrânia. A Gazprom é uma empresa estatal de energia, uma gigante do gás e petróleo, e patrocina diversos clubes, entre eles o clube de Gelsenkirchen. A torcida, que tem uma parte significativa contrária ao patrocínio, apoiou a iniciativa.

VEJA MAIS:
Campeonato Ucraniano é paralisado por 30 dias após invasão russa e brasileiros não têm como sair do país
Parlamento Europeu pede que Uefa tire final da Champions League da Rússia e encerre contrato com a Gazprom
Uefa condena invasão da Rússia à Ucrânia e convoca reunião extraordinária

“Após os recentes desenvolvimentos, o FC Schalke 04 decidiu remover o logotipo do principal patrocinador Gazprom de suas camisas. Esta decisão foi tomada após discussões com a Gazprom Germania. Ele será substituído pelas letras que dizem ‘Schalke 04’”, diz o comunicado divulgado no site do clube.

A empresa russa é patrocinadora dos Azuis Reais desde 2014, e que paga cerca de € 16 milhões por ano e chegou a € 20 milhões por ano até o rebaixamento do clube de Gelsenkirchen, e podia chegar até € 30 milhões em bônus. Desde o rebaixamento para a segunda divisão, o contrato foi ajustado para € 10 milhões por temporada e caso o clube consiga o acesso de volta à Bundesliga nesta temporada, o valor aumenta automaticamente em € 5 milhões. O contrato atual é válido até 2025.

Matthias Warnig, representante da Gazprom na diretoria do Schalke 04, já tinha se demitido nesta quinta-feira após as sansões econômicas americanas, que o afetaram diretamente – afinal, ele é ligado diretamente a uma empresa estatal russa. Warnig é o CEO de uma subsidiária da Gazprom, a Nordstream 2 AG, que é responsável pelo gasoduto que leva gás natural da Rússia à Alemanha, uma das principais clientes do país do leste europeu.

Já havia questionamentos desde que o patrocínio começou, até pela origem do Schalke 04: um clube formado por operários, com uma estrutura participativa dos seus torcedores. Tudo isso não adiantou para impedir o patrocínio, que já passou por grande escrutínio com a invasão da Criméia, justamente em 2014. Na época, o Schalke 04 estava tentando reduzir suas dívidas, que estavam na casa dos € 170 milhões.

A situação, porém, não é simples. Para interromper o patrocínio, é possível que o Schalke tenha que pagar uma multa. Há muitas vozes contrárias ao patrocínio, mas ele tem ainda uma importância grande para os Azuis Reais. O Schalke 04 já afirmou que precisará de tempo para resolver o imbróglio.

Enquanto, o Schalke 04 viu o interesse na camisa sem o patrocínio da Gazprom disparar em vendas na loja do clube. A edição limitada teve tanta procura que o clube aumentou os canais de venda e colocou a camisa para ser vendida pelo site do clube, para facilitar o acesso, conforme comunicou em sua conta no Twitter.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo