Mundial de Clubes

Torcida gigante e hegemonia na África: como é o Al Ahly que enfrenta o Fluminense

Rival do Fluminense na semi, Al Ahly garante ter 50 milhões de torcedores, venceu 11 Ligas dos Campeões da África e disputa Mundial de Clubes pela 9ª vez

Um desavisado pode achar que o Fluminense “se livrou” do Al Ittihad de Benzema, Kanté e Fabinho nas semifinais do Mundial de Clubes. Mas talvez não saiba o que é o Al Ahly, gigante do Egito que será o adversário do Tricolor na Arábia Saudita. Os egípcios são donos de uma hegemonia na África e tem uma das maiores torcidas do mundo — o que já está claro em Jeddah.

É impossível não caminhar pelas ruas da cidade sem ver torcedores do Ahly egípcio — há também um Al Ahly em Jeddah, um dos grandes do futebol saudita. De camisas vermelhas e sorrisos no rosto, comemoram a nona participação de seu time no Mundial de Clubes. Esta é a sexta semifinal.

Al Ahly tem uma hegemonia no futebol da África

São 11 títulos da Liga dos Campeões da CAF, a principal competição de clubes da África. A equipe não fica de fora de uma final desde 2019. Foi derrotada em 2017, 2018 e 2021-22, assim como em 2007 e 1983. Isso mesmo: 16 finais em 59 edições, obviamente outro recorde.

Al Ahly tem uma hegemonia no futebol africano: são 11 títulos continentais - Foto: Icon sport
Al Ahly tem uma hegemonia no futebol africano: são 11 títulos continentais – Foto: Icon sport

Estável financeiramente, o que é raro no continente, sobra nas competições africanas. O principal rival, Zamalek, também é tradicional e segundo maior campeão africano, mas tem “apenas” cinco conquistas e três vices. Ainda amargou, em 2019-20, na pandemia, uma derrota na final justamente para o Al Ahly.

O Al Ahly está para a África como o Real Madrid para a Europa. É a única comparação possível. Até mesmo o Boca Juniors é menos pesado para a América do Sul — como o Fluminense mostrou em 4 de novembro, no Maracanã.

Mundial na Dafabet »

Al Ahly afirma ter a maior torcida do mundo

Além do vermelho e preto, o Al Ahly guarda outra semelhança com o Flamengo: afirma ter a maior torcida do mundo. Os egípcios se gabam de ter mais de 50 milhões de torcedores, o que é menos da metade da população do Egito, hoje em cerca de 110 milhões de pessoas.

A Fifa discorda um pouco dos números. Em seu site oficial, diz que o Al Ahly tem entre 30 e 35 milhões de torcedores, o que ainda assim faz da torcida uma gigante mundial.

Fundado em 1907, o clube surgiu para representar a força dos egípcios frente à tentativa do império britânico de ocupar o país. Os ingleses e outros estrangeiros dominavam o futebol na época.

Em campo, Al Ahly pode dar trabalho ao Fluminense

O Al Ahly está longe de ser um azarão no Mundial de Clubes. Com um trabalho longevo, que já dura mais de um ano, os egípcios jogam como gosta o técnico suíço Marcel Koller, que foi um meia burocrático: de maneira organizada, de olho nos contra-ataques e atacando pelas pontas.

O camisa 10 da equipe atua pelo lado direito, sempre em busca de organizar o time. Percy Tau foi captado pelo Brighton, uma das equipes que melhor encontra talentos baratos pelo mundo, após se destacar no Mamelodi Sundowns, da África do Sul. O Al Ahly o repatriou a preço de ouro, e hoje ele é o craque do time.

O time atua em duas linhas de quatro bem coesas, nem sempre baixas, mas com boa pressão sobre a bola. Não é espetacular, mas sofre poucos sustos.

Muito forte fisicamente, deve ser um adversário difícil para o Fluminense, que sofreu contra equipes desse estilo durante a temporada, como Botafogo, Grêmio e Atlético-MG, embora taticamente não reproduzam bem o Al Ahly.

Fluminense e Al Ahly se enfrentam na segunda (18), às 15h (de Brasília) pela semifinal do Mundial de Clubes, no King Abdullah Sports City, em Jeddah, na Arábia Saudita. Quem vencer disputa a final intercontinental contra o vencedor de Manchester City x Urawa Reds Diamonds.

Foto de Caio Blois

Caio Blois

Jornalista pela UFRJ, pós-graduado em Comunicação pela Universidad de Navarra-ESP e mestre em Gestão do Desporto pela Universidade de Lisboa-POR. Antes da Trivela, passou por O Globo, UOL, O Estado de S. Paulo, GE, ESPN Brasil e TNT Sports.
Botão Voltar ao topo