Leste Europeu

Vitória da Bósnia sobre Israel teve gritos de torcida e manifestação pela causa palestina

A vitória da Bósnia sobre Israel nesta sexta, pelas Eliminatórias da Euro 2016, teve enorme significado. E não apenas pelos três pontos que os bósnios conquistaram com a virada por 3 a 1, que mantêm vivas as chances da seleção no Grupo B. Mas também pela maneira como a torcida local encarou o duelo. Mais do que um jogo de futebol, também foi um confronto de ideologias políticas. Afinal, cerca de 45% da população da Bósnia e Herzegovina  é muçulmana. Além de incentivar o próprio time, os torcedores aproveitaram a ocasião para defender a causa Palestina.

VEJA TAMBÉM: Cinco momentos em que o futebol uniu palestinos e israelenses

Os atos não se concentraram apenas na partida. Horas antes de a bola rolar, houve uma manifestação em frente ao hotel onde os israelenses se hospedaram. Depois, os bósnios também fizeram uma passeata com bandeiras palestinas rumo ao Estádio Bilino Polje, na cidade de Zenica. Já nas arquibancadas, os gritos de “Palestina” também se repetiram ao longo dos 90 minutos. Ben Haim abriu o placar para os visitantes, mas dois gols de Visca e um de Dzeko viraram o placar para a Bósnia.

Durante os últimos meses, os palestinos têm pressionado a Fifa a sancionar a federação de Israel. Os árabes acusam as autoridades do país vizinho de dificultarem o desenvolvimento do futebol local, impondo dificuldades e embargos aos clubes, além de chegarem até mesmo a bombardear os estádios palestinos com a justificativa de atacar rebeldes. Por conta das relações com o Oriente Médio é que Israel disputa as competições da Uefa.

Abaixo, dois vídeos: o da passeata dos bósnios e dos gritos nas arquibancadas:

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo