Leste Europeu

Resumo da temporada

Foi a mais longa e desgastante temporada do futebol russo em todos os tempos. Após 14 meses, a Rússia se adaptou ao calendário do futebol europeu e ganhou um novo bicampeão: o Zenit São Petersburgo, como previsto, conquistou o bicampeonato sobrando.

Na briga pelas competições europeias, o Spartak Moscou surpreendeu, ficou com o vice e agora vai para os play-offs da Liga dos Campeões. CSKA Moscou, Dynamo Moscou e Anzhi Makhachkala vão para a Liga Europa.

No grupo que lutou contra o rebaixamento, Spartak Nalchik e Tom Tomsk caíram diretamente e serão substituídos por Mordovia Saransk e Alaniya Vladikavkaz. Já pelos play-offs, os times da primeira divisão se sobrepuseram contra os rivais da segundona.

Na Copa da Rússia, o Rubin Kazan ficou com a taça. Confira abaixo um resumo de tudo que aconteceu com os 16 times da primeira divisão russa na temporada 2011/12.

ZENIT SÃO PETERSBURGO

Classificação: campeão, vai pra fase de grupos da LC
Copa nacional: eliminado pelo Dynamo Moscou nas quartas de final
Copas europeias: eliminado pelo Benfica nas oitavas de final da LC
Destaque: Aleksandr Kerzhakov
Revelação: Maksim Kanunnikov
Decepção: Bruno Alves
Nota da temporada: 9

Era a aposta mais fácil do Campeonato Russo. Com a mesma base da temporada passada, o Zenit entrou na competição com amplo favoritismo diante dos rivais. Teve um elenco numeroso e com qualidade suficiente para aguentar o desgaste de tantos jogos e torneios. Os números provam a superioridade da equipe do técnico Luciano Spalletti: apenas quatro derrotas em 44 jogos, melhor ataque (85 gols) e melhor defesa (40 sofridos). Além disso, teve o melhor goleiro do Russão, Vyacheslav Malafeev, um jogador soberano no meio-campo, Roman Shirokov, e o melhor atacante russo em atividade, Aleksandr Kerzhakov.

SPARTAK MOSCOU

Classificação: vice-campeão, vai para os play-offs da LC
Copa nacional: eliminado pelo Volga nas oitavas de final
Copas europeias: eliminado pelo Legia Varsóvia nos play-offs da LE
Destaque: Emmanuel Emenike
Revelação: Jano Ananidze
Decepção: Diniyar Bilyaletdinov
Nota da temporada: 7

No início da temporada, Valeriy Karpin prometeu ao meno o vice-campeonato ao Spartak. Passadas algumas semanas, ninguém imaginava que aquele time desorganizado conseguiria tal feito. Depois de alguns meses, Karpin cumpriu sua promessa – mesmo tendo entregue o cargo e sido mantido pela diretoria. Achou em Emenike sua solução para a falta de gols, já que Welliton desta vez foi mal, No final das contas, mesmo sem um time brilhante, o Spartak assegurou uma vaga nos play-offs da próxima Liga dos Campeões.

CSKA MOSCOU

Classificação: terceiro, vai para os play-offs da LE
Copa nacional: eliminado pelo Volgar-Gazprom Astrakhan nos 32-avos de final
Copas europeias: eliminado pelo Real Madrid nas oitavas de final
Destaque: Seydou Doumbia
Revelação: Ahmed Musa
Decepção: Sekou Oliseh
Nota da temporada: 6,5

O CSKA era o segundo melhor time da temporada, atrás apenas do Zenit. Manteve esse status durante boa parte da competição, mas na reta final a equipe sentiu demais a ausência de diversos contundidos (Igor Akinfeev, Sergei Ignashevich, Keisuke Honda…) e sucumbiu. Acabou na terceira posição e ficará de fora da próxima Liga dos Campeões. Vagner Love começou a temporada, mas não terminou. Sem problemas, já que Doumbia, artilheiro do Russão com 28 gols, foi o dono do time e fez com que a torcida esquecesse o brasileiro rapidamente. No final das contas, ficou uma sensação de decepção.

DYNAMO MOSCOU

Classificação: quarto, vai para a terceira fase preliminar da LE
Copa nacional: vice-campeão, perdeu a final para o Rubin Kazan
Copas europeias: não participou
Destaque: Andriy Voronin
Revelação: Aleksandr Sapeta
Decepção: Balázs Dzsudzsák
Nota da temporada: 6,5

Havia muita expectativa sobre o Dynamo Moscou no início da temporada. A equipe, comandada pelo técnico Miodrag Bozovic, tinha, no papel, condições de brigar pelo topo da tabela. Só que um péssimo início de campeonato derrubou Bozovic e colocou muitas dúvidas sobre o time. Sergei Silkin, da comissão técnica, assumiu e conseguiu fazer o Dynamo, em alguns momentos, jogar o melhor futebol do Russão, com Andriy Voronin, Aleksandr Kokorin e Kevin Kuranyi fazendo a diferença. Só que na reta final o time não aguentou a pressão e ficou fora da Champions. Para piorar, ainda perder a decisão da Copa da Rússia.

ANZHI MAKHACHKALA

Classificação: quinto, vai para a segunda fase preliminar da LE
Copa nacional: eliminado pelo Dynamo Moscou nas quartas de final
Copas europeias: não participou
Destaque: Mbark Boussoufa
Revelação: Odil Ahmedov
Decepção: Jucilei
Nota da temporada: 6

Desde que foi comprado no início do ano passado por Suleyman Kerimov, o Anzhi se tornou o clube com maior orçamento do futebol russo. Saiu às compras e trouxe Jucilei, João Carlos, Boussoufa, Roberto Carlos, Christopher Samba, Yuri Zhirkov, Samuel Eto'o… Enfim, montou um elenco milionário e recheado de estrelas internacionais. Analisando a partir daí, a temporada foi uma decepção total, já que o Anzhi conseguiu apenas o quinto lugar e seguirá para a Liga Europa. Mas esta foi apenas a primeira do clube como novo rico, leva certo tempo mesmo para brigar por títulos – ainda mais se tratando de uma equipe mediana para pequena como a de Makhachkala. Portanto, as expectativas maiores mesmo estão depositadas em 2012/13.

RUBIN KAZAN

Classificação: sexto
Copa nacional: campeão, vai para a fase de grupos da LE
Copas europeias: eliminado pelo Lyon nos play-offs da LC e depois pelo Olympiacos nos 32-avos da LE
Destaque: Bibras Natkho
Revelação: Solomon Kvirkvelia
Decepção: Aleksei Eremenko
Nota da temporada: 6,5

O Rubin Kazan é o time mais chato do futebol russo. Pra mim, isso é um fato, algo totalmente inquestionável. E mesmo assim, com um técnico burocrático, um futebol sem criatividade, segue vencendo títulos: ficou longe da disputa pelo Campeonato Russo, mas conquistou a Copa. Foi difícil destacar alguém em uma equipe que tem o coletivo como ponto forte, mas o volante israelense Bibras Natkho se destacou demais no meio-campo, principalmente depois da negociação de Christian Noboa com o Dynamo Moscou. Mas como sempre, o setor mais forte do Rubin Kazan foi sua sólida defesa.

LOKOMOTIV MOSCOU

Classificação: sétimo
Copa nacional: eliminado pelo Rubin Kazan nas quartas de final
Copas europeias: eliminado pelo Athletic Bilbao nos 32-avos de final da LE
Destaque: Denis Glushakov
Revelação: Magomed Ozdoev
Decepção: Victor Obinna
Nota da temporada: 4

A presidenta Olga Smorodskaya investiu pesado no time. Contratou o técnico português José Couceiro, repartriou Roman Pavlyuchenko e contratou outros jogadores caros, como Felipe Caicedo. Na fase de classificação, o Lokomotiv foi apenas o quinto, e na fase final, caiu para sétimo. Por mais que em alguns momentos tenha mostrado um bom futebol, a temporada foi muito decepcionante para o clube. Sem falar que houve ainda o triste incidente com Yuri Krasnozhan, demitido sob a acusação de manipulação de resultados.

KUBAN KRASNODAR

Classificação: oitavo
Copa nacional: eliminado pelo Dynamo Bryansk nos 32-avos de final
Copas europeias: não participou
Destaque: Lacina Traoré
Revelação: Lacina Traoré
Decepção: Marcos Pizzelli
Nota da temporada: 6

Com o romeno Dan Petrescu no comando, o Kuban teve uma ótima temporada. O objetivo do clube, um dos caçulas, era apenas a permanência na primeira divisão, que foi conquistada com louvor. Classificado para a fase final, o Kuban contou com os gols do marfinense Lacina Traoré, terceiro artilheiro da competição com 18 gols, e até o início deste ano com Sergey Davydov também, negociado com o Rubin. E crédito para o setor defensivo, quarto melhor do Campeonato Russo, com 45 gols sofridos.

KRASNODAR

Classificação: nono
Copa nacional: eliminado pelo Fakel nos 32-avos de final
Copas europeias: não participou
Destaque: Joãozinho
Revelação: Ognjen Vranjes
Decepção: Otar Martsvaladze
Nota da temporada: 6

Para quem não se lembra, o Krasnodar foi aquela equipe içada da segunda divisão para ocupar o lugar do Saturn, que faliu. Virada de mesa à parte, o Krasnodar cumpriu seu objetivo, assim como o rival da cidade. Permaneceu na primeira divisão e, assim, certamente o bilionário Sergey Galitskiy, proprietário do clube, poderá investir bem mais na próxima temporada. No ataque, além do brasileiro Joãozinho, autor de sete gols, destaque também para o armênio Yura Movsisyan, com 14 tentos anotados.

AMKAR PERM

Classificação: décimo
Copa nacional: eliminado pelo Rubin Kazan nas oitavas de final
Copas europeias: não participou
Destaque: Georgi Peev
Revelação: Nikita Burmistrov
Decepção: Radomir Dalovic
Nota da temporada: 5

A fase de classificação foi complicada para o Amkar Perm, que namorou as últimas posições por muito tempo. No entanto, na reta final, o time melhorou e se salvou até com certa tranquilidade. A chegada do técnico montenegrino Miodrag Bozovic, demitido do Dynamo Moscou, ajudou muito nisso, além dos gols de Burmistrov e a regularidade do veterano meia búlgaro, e ídolo do clube, Georgi Peev.

TEREK GROZNY

Classificação: 11º
Copa nacional: eliminado pelo Volga Nizhny Novgorod nas quartas de final
Copas europeias: não participou
Destaque: Maurício
Revelação: Maciej Rybus
Decepção: Musawengosi Mguni
Nota da temporada: 3,5

Impossível falar sobre o Terek Grozny e não ligar o clube a diversos escândalos de violência a jogadores. O polêmico presidente do clube, Ramzan Kadyrov, também presidente da Chechênia, investe muito na equipe, mas é envolto em diversas acusações de corrupção, entre tantos outros problemas. Em campo, o Terek teve no brasileiro Maurício, ex-Fluminense, seu grande nome, assim como Shamil Asildarov. Lutou contra o rebaixamento até o final, e como tem bem mais investimento do que os pequenos rivais, decepcionou. Ao menos foi longe na Copa da Rússia.

KRYLYA SOVETOV

Classificação: 12º
Copa nacional: eliminado pelo Luch-Energiya nos 32-avos de final
Copas europeias: não participou
Destaque: Sergei Kornilenko
Revelação: Ibragim Tsallagov
Decepção: Aliaksandr Hleb
Nota da temporada: 4

Por muito pouco o Krylya Sovetov nem disputou a primeira divisão. No início da temporada, o clube teve sua participação ameaçada, graças a diversos problemas financeiros. Mesmo assim foi para a disputa, cortou radicalmente seu orçamento e conquistou seu objetivo, a permanência na elite, para tentar se reestruturar. Mas foram reforços no meio do campeonato que salvaram o time. Principalmente o técnico Andrey Kobelev, ex-Dynamo Moscou, e o atacante bielorrusso Sergey Kornilenko, ex-Zenit. Para constar: Aliaksandr Hleb, ele mesmo, chegou e pouco fez.

ROSTOV

Classificação: 13º, play-offs de rebaixamento
Copa nacional: eliminado pelo Rostov nas quartas de final
Copas europeias: não participou
Destaque: Roman Adamov
Revelação: Razvan Cocis
Decepção: Héctor Bracamonte
Nota da temporada: 4

Time repleto de veteranos e com muitos jogadores conhecidos, o Rostov decepcionou demais. A equipe acabou na disputa de play-offs contra o Shinnik Yaroslavl, quarto colocado da segunda divisão. Venceu em casa o jogo de ida por 3 a 0 e na volta, fora, triunfou novamente, desta vez por 1 a 0, garantindo a permanência no Russão. Para uma equipe que contou com Stipe Pletikosa, Isaac Okoronkwo, Denis Kolodin, Razvan Cocis, Élson (aquele, ex-Palmeiras), Dmitriy Kirichenko, Héctor Bracamonte, Roman Adamov, entre outros, foi muito pouco.

VOLGA NIZHNY NOVGOROD

Classificação: 14º, play-offs de rebaixamento
Copa nacional: eliminado pelo Dynamo Moscou nas semifinais
Copas europeias: não participou
Destaque: Ruslan Adzhindzhal
Revelação: Nikita Malyarov
Decepção: Mersudin Ahmetovic
Nota da temporada: 4

Como previsto, o Volga lutou contra o rebaixamento em sua primeira aparição na elite do futebol russo. Conseguiu, ao menos, ir para os play-offs, onde teve pela frente o grande rival Nizhny Novgorod, terceiro da segundona. Vitória na ida por 2 a 1 e empate em 0 a 0 na volta garantiram o time na primeira divisão por mais uma temporada. Equipe com pouco investimento e condições de treino, não dava para esperar muita coisa mesmo. Na reta final, o veterano Andrey Karyaka, vindo do Dynamo Moscou, foi muito importante – e a equipe quase alcançou a final da Copa da Rússia.

TOM TOMSK

Classificação: 15º, rebaixado (Alania Vladikavkaz subiu, vice-campeão da segunda divisão)
Copa nacional: eliminado pelo Metallurg-Oskol nos 32-avos de final
Copas europeias: não participou
Destaque: Ilya Gultyayev
Revelação: Kirill Pogrebnyak
Decepção: Nikita Bazhenov
Nota da temporada: 3

Assim como o Krylya Sovetov, o Tom Tomsk teve sua participação na primeira divisão colocada sob dúvida por conta de problemas financeiros no início da temporada. Mas graças a um “pedido” de Vladimir Putin, empresas da Sibéria, região de Tomsk, ajudaram a salvar o time. Não foi o suficiente, já que com uma campanha fraquíssima (mesmo tendo feito várias contratações neste ano) a equipe acabou na penúltima posição e, assim, não teremos representantes siberianos na elite na próxima temporada. Vale ressaltar a estreia profissional dd Kirill Pogrebnyak, irmão mais novo de Pavel, jogador da seleção russa e do Fulham. Detalhe sobre o time: pior defesa (70 gols) e pior ataque (30 gols) da competição.

SPARTAK NALCHIK

Classificação: 16º, rebaixado (Mordovia Saransk subiu, campeão da segunda divisão)
Copa nacional: eliminado pelo Torpedo Vladimir nos 32-avos de final
Copas europeias: não participou
Destaque: Adnan Zahirovic
Revelação: Adnan Zahirovic
Decepção: Milan Jovanovic
Nota da temporada: 2,5

Sexto colocado na temporada 2010, o Spartak Nalchik foi a surpresa negativa do Campeonato Russo e retornará à segunda divisão após seis anos incomodando os grandes clubes na elite do país. O representante de Kabardino-Balkária nunca teve um orçamento grande, mas costumava fazer boas campanhas. Desta vez, sem nenhum destaque individual, o Spartak não aguentou a pressão.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo