Leste Europeu

O Chernomorets criou uma série de amáveis montagens toscas para anunciar seus reforços e ganhou fãs muito além da Ucrânia

Chernomorets anunciou um pacote de reforços nos últimos dias para o Campeonato Ucraniano e teve uma ideia criativa para repercutir

O Chernomorets Odessa tem sua dose de tradição no Campeonato Ucraniano, mas não é dos times que mais chamam atenção. Muito pelo contrário, os negriazuis acabaram de voltar da segundona e lutam contra o rebaixamento, atualmente na zona dos playoffs contra o descenso. Nos últimos dias, porém, a equipe ganha destaque internacional por suas contratações na janela de inverno. Não, não são negócios bombásticos. O que realmente viraliza são as montagens toscas feitas pelo clube em seu Instagram. São até simpáticas, de tão bizarras.

Tudo começou com a apresentação do zagueiro sueco Doug Berqvist. A camisa listrada em preto e azul foi adaptada da forma mais tosca possível, com um desenho no Paint. Fez sucesso e se repetiu logo depois com o meio-campista Rudi Pozeg Vancas, que ganhou uma montagem digna de uma criança de oito anos. O zagueiro Ilija Martinovic seria confirmado com um desenho de palitos, no nível de uma criança de cinco anos. E haveria uma colagem medonha na oficialização do meio-campista Jorge Hernández,

A repercussão foi tanta que o Chernomorets resolveu fazer um concurso de imagens toscas. O clube ainda chegou a 20 mil seguidores no Instagram e brincou com a situação, dizendo que tinha comprado um “novo computador ao designer”, com a imagem de um equipamento jurássico. Se tantos reforços vão realmente ajudar o time na permanência na elite é difícil saber. Mas certamente mais gente vai torcer pela fuga do descenso, diante de tamanha galhofa.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo