Leste Europeu

Bola rolando de novo

Foram longos três meses de espera. Nesse período, entre dezembro de 2010 e fevereiro deste ano, o inverno castigou toda Europa, e o leste europeu, naturalmente, sofreu ainda mais com a neve. Mas nesta semana, finalmente, o Campeonato Ucraniano será retomado.

A pausa é necessária para prevenir que torcedores, jogadores, árbitros e jornalistas congelem em campo – se bem que o frio persiste vigoroso, variando entre -5º e -10º -, mas serve também para os times do país se prepararem melhor para o restante da temporada e passarem alguns dias no sul do continente, realizando amistosos.

Já foram disputadas 19 rodadas. Faltam ainda 11, que se iniciam nesta quinta mesmo e vão até 22 de maio.

Com 52 pontos, o Shakhtar Donetsk reinicia sua caminhada para o bicampeonato nacional. É amplo favorito e vê o Dynamo Kiev, com 40 pontos, muito distante na segunda colocação. A equipe da capital, aliás, precisa olhar para trás e tomar cuidado com Metalist Kharkiv (38) e Dnipro Dnipropetrovsk (35). Principalmente com este último, que se reforçou bastante e muito bem.

Na parte de baixo, o Metalurh Zaporizhya dificilmente escapará do rebaixamento: soma apenas dez pontos. O Sevastopol, com 14, quer iniciar a reação logo e alcançar Illychivets Mariupol (18), Zorya Luhansk (19) ou Kryvbas (20), pelo menos.

Confira abaixo o que de mais importante aconteceu com os quatro concorrentes ao título nacional, enquanto a neve cobria toda Ucrânia:

 

Shakhtar Donetsk

A temporada tem sido espetacular para o Shakhtar Donetsk. Já conquistou um título (Supercopa), lidera com folga o Campeonato Ucraniano e está nas oitavas de final da Liga dos Campeões, prestes a eliminar a Roma (venceu a primeira, na Itália, por 3 a 2). Assim, a diretoria se manteve tranquila nessa inter-temporada, realizada na Turquia.

A equipe do técnico Mircea Lucescu passou o período na Turquia, onde disputou diversos jogos amistosos. Não fez contratações, mas também não perdeu qualquer atleta – fora retornos de empréstimos e outros emprestados sem fundamental importância. Pelo contrário: pode ganhar o reforço do meia Fernandinho, que fraturou a tíbia da perna direita em setembro e, desde então, está em processo de recuperação.

O destaque do time, assim, segue sendo seu quarteto ofensivo formado por brasileiros: Jadson, Douglas Costa, Willian e Luiz Adriano, com Alex Teixeira e Eduardo da Silva entrando de vez em quando. Fora o armênio Henrikh Mkhitaryan, que evolui a cada semana.

 

Dynamo Kiev

Mal em seu país e bem na Europa. Esse é o Dynamo Kiev, que luta para sonhar ainda com o improvavel título ucraniano (na prática tem mesmo é que garantir o segundo lugar), mas que está nas oitavas de final da Liga Europa (prova de fogo contra o Manchester City). E a inter-temporada para o maior vencedor da história da União Soviética e da Ucrânia foi agitada.

Após demitir Valery Gazzaev em outubro, a diretoria havia deixado Oleh Luzhny interinamente no posto. Tentou alguns estrangeiros, entre eles Zico, e fechou novamente com outro russo: o velho conhecido Yuri Semin, demitido do Lokomotiv Moscou, e ex-técnico do Dynamo entre 2007 e 2009, chegou no final de dezembro e foi para a Turquia trabalhar com o grupo.

O elenco, porém, é praticamente o mesmo. Assim como o Shakhtar, teve o retorno de alguns atletas de empréstimos e emprestou outros – destaque apenas para André, que não conseguiu espaço no time e fica no Bordeaux até o final da temporada. Assim, a esperança da torcida segue com o trio de atacante Andrit Shevchenko, Artem Milevskiy e Andiry Yarmolenko.

Atualização: Oleksandr Aliyev retornou ao Dynamo. Ele deixou o Lokomotiv Moscou. Excelente contratação para o setor ofensivo da equipe.

 

Metalist Kharkiv

Após abrir os cofres e fazer três contratações de impacto antes do início da temporada – Andriy Vorobey, Cleiton Xavier e Taison -, a diretoria do Metalist Kharkiv voltou a gastar no mercado de inverno. Desta vez, porém, em argentino: do Lanús, por € 8,7 milhões, veio o meia Sebastián Blanco, e do Vélez, por € 6 milhões, o atacante Jonathan Cristaldo.

Eliminado de forma humilhante na Liga Europa, depois de ser goleado duas vezes pelo Bayer Leverkusen, o Metalist sonha em conquistar, pela primeira vez em sua história, o vice-campeonato ucraniano, uma meta bem possível atualmente. Até porque, após quatro anos ficando com o terceiro lugar, uma evolução é mais do que necessária, ainda mais com tantos investimentos acontecendo no clube.

O técnico Myron Markevych, no cargo desde 2005, também levou o time à Turquia na inter-temporada, e confia no maior entrosamento de seus principais jogadores para seguir na cola do Dynamo Kiev.

 

Dnipro Dnipropetrovsk

Nenhum clube se movimentou tanto no mercado de inverno na Ucrânia como o Dnipro Dnipropetrovsk. Enquanto o elenco realizava a inter-temporada na maior parte do tempo na Espanha, a diretoria não parava de mandar reforços para o técnico Juande Ramos. Ao todo, foram 15, incluindo alguns retornos de empréstimos.

A começar pelo mais caro de todos: Giuliano, do Internacional, melhor jogador da Libertadores de 2010, por € 10 milhões. Outros que deixaram o time bem mais forte: os defensores Samuel Inkoom , ex-Basel, Nelson Rivas, ex-Inter, e Ivan Strinic, ex-Hajduk Split, além do atacante brasileiro Matheus, que defendeu o Braga na Liga dos Campeões e foi um dos destaques do time português na fase de grupos. Este último se juntará a Yevhen Seleznyov, artilheiro da competição até o momento, com 12 gols.

Agora, Juande Ramos será muito mais pressionado pelo presidente do clube, o milionário Valeriyovych Kolomoyskiy, por melhores resultados. E o quarto lugar do Campeonato Ucraniano, certamente, não está nos planos do dirigente.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo