Leste Europeu

Balanço do Campeonato Russo (II)

O bicampeonato do Rubin Kazan consolidou os Tártaros entre os grandes do futebol russo e certamente incomodou as equipes tradicionais da capital, acostumadas a se revezarem nas voltas olímpicas. Isso porquê, como o Zenit foi campeão em 2007, é o terceiro ano consecutivo que a taça não fica em Moscou, e já pode ser percebida uma rivalidade, que poderá se acentuar em 2010, dependendo dos resultados dentro de campo.

O ano de 2009, porém, marcou a recuperação do Spartak Moscou, que investiu pesado em contratações, apresentou uma boa safra de jovens jogadores e lutou pelo título até a penúltima rodada. E do Lokomotiv Moscou, que também contratou muito e, com essa base que ficou na quarta posição, poderá incomodar muito na próxima temporada. O Zenit, terceiro colocado, sofreu muito com lesões e precisa remontar o elenco, enquanto o CSKA, que ficou em quinto, necessita de jogadores mais experientes para ambicionar algo maior.

Confira abaixo uma análise dos oito primeiros colocados do Campeonato Russo:

Rubin Kazan

Colocação final: 1º, com 63 pontos
Técnico: Gurban Berdyev
Maior vitória: FC Saturn 0 x 5 Rubin Kazan
Maior derrota: Rubin Kazan 0 x 2 Rostov
Maior Série de vitórias: 6 (da 16ª à 21ª rodada)
Maior série de derrotas: 2 (da 23ª à 24ª rodada)
Maior série invicta: 8 (da 15ª à 22ª rodada)
Maior série sem vencer: 3 (da 22ª à 24ª rodada)
Principal jogador: Alejandro Domínguez
Decepção: Alan Kasaev
Artilheiro: Alejandro Domínguez (16 gols)

Uma defesa sólida, comandada pelo bom goleiro Sergei Ryzhikov, e um ataque eficientíssimo composto por Alejandro Domínguez e Alexander Bukharov. Some-se isso ao brilho relativamente frequente de jogadores como Karadeniz, Semak e Ryazantsev, e chega-se a um time que venceu com sobras o Campeonato Russo e está enfrentando de igual para igual os gigantes da Europa na Liga dos Campeões.

Os números falam por si só: os Tártaros tiveram o melhor ataque da competição, com 62 gols marcados, a defesa menos vazada, com apenas 21 sofridos, foram maior número de vitórias – 19 vezes -, e menor número de derrotas – apenas cinco partidas. O bicampeonato veio com uma rodada de antecipação e aguça ainda mais a rivalidade entre o Rubin, os clubes moscovitas, e o Zenit.

Spartak Moscou

Colocação final: 2º, com 55 pontos
Técnicos: Michael Laudrup (da 1ª à 4ª rodada) e Valery Karpin (da 5ª à 30ª rodada)
Maior vitória: Spartak Moscou 5 x 0 Tom Tomsk
Maior derrota: Spartak Moscou 0 x 3 Rubin Kazan
Maior série de vitórias: 5 (da 15ª à 19ª rodada)
Maior série de derrotas: 3 (da 28ª à 30ª rodada)
Maior série invicta: 8 (da 12ª à 19ª rodada)
Maior série sem vencer: 3 (da 28ª à 30ª rodada)
Principal jogador: Alex
Decepção: Alexander Prudnikov
Artilheiro: Welliton (21 gols)

Depois da pífia campanha em 2008, quando terminou na oitava posição, o Spartak Moscou investiu pesado para voltar a brigar pelo título nacional, que não vem desde 2001. Mas a saída de Vladimir Bystrov para o Zenit no meio do campeonato desestabilizou a equipe, que perdeu um jogo chave para o Rubin Kazan na 19ª rodada e chegou até a se recuperar, mas vacilou novamente no final.

O legado para o futuro, porém, é muito animador. O Spartacus teve o artilheiro do campeonato, Welliton, um dos melhores jogadores, Alex, e revelou dois dos mais badalados jovens no país: Pavel Yakovlev, 18 anos e Zano Ananidze, 17. Além disso, fato de ter renovado com Valery Karpin por mais uma temporada indica que haverá uma continuidade no trabalho.

Zenit

Colocação final: 3º, com 54 pontos
Técnicos: Dick Advocaat (da 1ª à 17ª rodada) e Anatoly Davydov (da 18ª à 30ª rodada)
Maior vitória: Khimki 0 x 4 Zenit
Maior derrota: Zenit 0 x 2 Tom Tomsk
Maior série de vitórias: 6 (da 20ª à 25ª rodada)
Maior série de derrotas: 2 (da 9ª à 10ª rodada)
Maior série invicta: 9 (da 18ª à 26ª rodada)
Maior série sem vencer: 4 (da 14ª à 17ª rodada)
Principal jogador: Igor Semshov
Decepção: Viktor Fayzulin
Artilheiro: Fatih Tekke (8 gols)

Depois de claudicar no início e passar por turbulências no meio do campeonato, o Zenit se acertou após a demissão de Dick Advocaat. Seu substituto Anatoly Davydov, não perdeu nenhuma de suas nove primeiras partidas e conduziu a equipe da nona para a terceira posição, que garantiu uma vaga na fase preliminar da Liga dos Campeões e salvou uma temporada que parecia irremediavelmente perdida.

Davydov contou com a ajuda substancial do meia Vladimir Bystrov, trazido de volta do Spartak Moscou, que foi o melhor jogador do time no returno, e do sempre regular Igor Semshov, autor de alguns gols importantes ao longo do ano. A equipe, porém, sentiu falta de um goleador mais eficiente, e essa situação precisa ser resolvida para a próxima temporada.

Lokomotiv Moscou

Colocação final: 4º, com 54 pontos
Técnicos: Rashid Rakhimov (da 1ª à 6ª rodada), Vladmir Maminov (da 7ª à 11ª rodada) e Yuri Semin (da 12ª à 30ª rodada).
Maior vitória: Lokomotiv Moscou 4 x 0 Terek
Maior derrota: CSKA 4 x 1 Lokomotiv Moscou
Maior série de vitórias: 4 (da 27ª à 30ª rodada)
Maior série de derrotas 1
Maior série invicta: 10 (da 13ª à 22ª rodada)
Maior série sem vencer: 4 (da 12ª à 15ª)
Principal jogador: Dmitri Sychev
Decepção: Razvan Cocis
Artilheiro: Dmitri Sychev (13 gols)

Assim como o Zenit e o Spartak, o Lokomotiv Moscou poderia ter lutado pelo título, mas também esbarrou em um mau começo de temporada, motivado pelas várias mudanças na equipe. As lesões de jogadores importantes, como Dmitri Torbinski e Wagner, também atrapalharam as pretensões de Yuri Semin, que tinha dificuldades em tornar o time mais criativo no meio campo.

De positivo, fica o fato de Dmitri Sychev ter “acordado” no segundo turno e comandado uma reação impressionante, capaz de fazer com que o Loko, mesmo com todos os problemas, ainda lutasse por uma vaga na Liga dos Campeões até a última rodada. A consolidação de Rodolfo como um dos melhores zagueiros do país e a recuperação do goleiro Guilherme também merecem ser comemoradas.

CSKA Moscou

Colocação Final: 5º, com 52 pontos
Técnicos: Zico (da 1ª à 20ª rodada), Juande Ramos (da 21ª à 26ª rodada) e Leonid Slutsky (da 27ª à 30ª rodada).
Maior vitória: CSKA Moscou 4 x 0 Kuban
Maior derrota: Zenit 2 x 0 CSKA Moscou
Maior série de vitórias: 3 (da 7ª à 9ª rodada)
Maior série de derrotas: 2 (10ª e 12ª rodada – a 11ª rodada foi adiada)
Maior série invicta: 3 (da 7ª à 9ª rodada)
Maior série sem vencer: 2 (10ª e 12ª rodada)
Principal jogador: Igor Akinfeev
Decepção: Daniel Carvalho
Artilheiro: Milos Krasic (9 gols)

Depois de faturar a Copa da Rússia e a Supercopa Russa, o CSKA teve até um bom começo de campeonato e chegou a liderar, apesar de alguns tropeços. Mas as saídas de Vagner Love e Yuri Zhirkov, os dois melhores jogadores da equipe, atrapalhou tudo. O time passou a depender apenas de Milos Krasic e Alan Dzagoev, e deu azar, pois Guilherme e Mark González, contratados para substituir Love e Zhirkov, se lesionaram pouco depois de estrear.

O ponto positivo é que, mesmo lançados às feras, os jovens da equipe não decepcionaram. Além de Dzagoev, que já era titular em 2008, podem ser citados o meia Nika Piliev, trazido do Lokomotiv Moscou, o centroavante tcheco Tomas Necid, o extremo Pavel Mamaev e o excelente lateral esquerdo Georgi Shennikov, de apenas 18 anos.

FC Moskva

Colocação final: 6º, com 48 pontos
Técnico: Miodrag Bozovic
Maior vitória: FC Moskva 3 x 0 Khimki
Maior derrota: FC Moskva 1 x 3 Rubin Kazan
Maior série de vitórias: 4 (da 4ª à 7ª rodada)
Maior série de derrotas: 2 (Da 17ª à 18ª rodada)
Maior série invicta: 11 (da 2ª à 12ª rodada)
Maior série sem vencer: 3 (da 20ª à 22ª rodada)
Principal jogador: Edgaras Cesnauskis
Decepção: Branislav Krunic
Artilheiro: Martin Jakubko (8gols)

O Moskva deu a impressão de que brigaria até o final por uma vaga na Liga dos Campeões, mas perdeu o fôlego nas últimas rodadas e acabou fora, inclusive, da Liga Europa. Falando assim, pode até parecer que a campanha foi uma decepção total, mas, tendo em vista as pretensões do clube no início da temporada, pode-se dizer que a equipe cumpriu sua missão.

O técnico Miodrag Bozovic, recrutado do Amkar, termina 2009 cotado para assumir o Zenit, e, com a valorização do elenco, a debandada geral já começou. O bom lateral direito Kiril Nababkin, por exemplo, vai defender o CSKA em 2010, e o trio formado por Edgaras Cesnauskis, Alexandru Epureanu e Alexander Samedov irá jogar pelo Dynamo Moscou.

Saturn

Colocação final: 7º, com 45 pontos
Técnico: Jurgen Rober (da 1ª à 8ª rodada) e Andrey Gordeev (da 9ª à 30ª rodada)
Maior vitória: Saturn 4 x 0 Rostov
Maior derrota: Saturn 0 x 5 Rubin Kazan
Maior série de vitórias: 3 (da 27ª à 29ª rodada)
Maior série de derrotas: 2 (da 23ª à 24ª rodada)
Maior série invicta: 5 (da 25ª à 29ª rodada)
Maior série sem vencer: 7 (da 4ª à 10ª rodada)
Principal jogador: Dmitri Loskov
Decepção: Marko Topic
Artilheiro: Dmitri Kirichenko (8 gols)

Desde que subiu para a Premier Liga, em 1999, o Saturn sempre termina entre a 5ª e a 11ª posição, e dessa vez não foi diferente. E, levando-se em consideração alguns resultados vexatórios como a derrota para o Khimki e duas goleadas humilhantes sofridas para o Rubin Kazan – 5 a 0 e 5 a 1 -, o sétimo posto soa um tanto generoso com os Aliens.

A equipe contou, durante a temporada, com alguns brilharecos do veterano Dmitri Loskov, mas sofreu muito com a irregularidade e com problemas defensivos. Destaque negativo para o ex-corintiano Zelão, que conseguiu a “proeza” de tomar 13 cartões amarelos em 16 partidas disputadas.

Dynamo Moscou

Colocação final: 8º, com 42 pontos
Técnico: Andrey Kobelev
Maior vitória: Spartak Nalchik 2 x 4 Dynamo Moscou
Maior derrota: Rubin Kazan 3 x 0 Dynamo Moscou
Maior série de vitórias: 2 (1ª e 2ª rodadas)
Maior série de derrotas: 2 (5ª e 6ª rodadas)
Maior série invicta: 4 (da 9ª à 12ª rodada)
Maior série sem vencer: 4 (da 19ª à 22ª rodada)
Principal jogador: Aleksandr Kerzhakov
Decepção: Adrian Ropotan
Artilheiro: Aleksandr Kerzhakov (12 gols)

O Dynamo também começou a temporada na parte de cima da tabela, mas perdeu terreno à medida em que precisava usar o elenco para repor a ausência de jogadores machucados e suspensos. A irregularidade do time minou as pretensões de classificação para a Liga Europa, e o oitavo lugar frustrou as expectativas gerais, ocasionando a contratação imediata de alguns reforços logo após o fim do campeonato.

O ataque da equipe teve um desempenho pífio e marcou apenas 31 gols em 30 jogos, 12 deles por intermédio de Aleksandr Kerzhakov, o “dono” do time. O extremo esquerdo Dmitri Kombarov, de apenas 22 anos, também fez uma bela temporada, somando quatro gols e nove assistências, e se afirmou como opção para a seleção russa no setor, embora a concorrência seja um tanto ingrata.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo